Lí­bia ar­ris­ca um con­fli­to ci­vil mai­or

Jornal de Angola - - PUBLICIDADE -

A Lí­bia ar­ris­ca-se a ver eclo­dir um con­fli­to in­ter­no mai­or se não aca­bar com as di­vi­sões po­lí­ti­cas, ad­ver­tiu on­tem a or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal de pre­ven­ção de con­fli­tos In­ter­na­ti­o­nal Cri­sis Group (ICG), de­fen­den­do a ne­ces­si­da­de de no­vas con­ver­sa­ções de paz.

“Pou­cos pro­gres­sos vão ser al­can­ça­dos sem en­vol­ver os mais im­por­tan­tes ac­to­res ar­ma­dos no diá­lo­go”, dis­se o ICG num re­la­tó­rio, de­fen­den­do ser “im­pe­ra­ti­vo” o rei­ní­cio de um pro­ces­so de paz no país. A Lí­bia en­con­tra-se mer­gu­lha­da no ca­os des­de o as­sas­si­na­to, em 2011, do co­ro­nel Mu­am­mar Kadha­fi, com uma sé­rie de mi­lí­ci­as a lu­ta­rem pe­lo po­der no país que tam­bém vi­ve sob a ame­a­ça dos ex­tre­mis­tas. A or­ga­ni­za­ção com se­de em Bru­xe­las afir­mou que o acor­do pa­ra re­sol­ver as di­vi­sões do país “mais do que ter con­tri­buí­do pa­ra so­lu­ci­o­nar con­fli­tos in­ter­nos re­con­fi­gu­rou-os.”

Sob a égi­de da ONU, um acor­do po­lí­ti­co, en­tre os dois go­ver­nos na Lí­bia, foi as­si­na­do a 15 de De­zem­bro de 2015, em Skhi­rat (Mar­ro­cos). Um Go­ver­no de uni­da­de na­ci­o­nal foi for­ma­do em Tri­po­li, no fi­nal de Mar­ço, por um pe­río­do de tran­si­ção de dois anos. Con­tu­do, lu­ta pa­ra im­por a sua au­to­ri­da­de so­bre a to­ta­li­da­de do país e con­ti­nua im­po­ten­te fa­ce às prin­ci­pais di­fi­cul­da­des com que os lí­bi­os se de­pa­ram no dia-a-dia, co­mo ele­va­dos pre­ços, fal­ta de ser­vi­ços e so­bre­tu­do in­se­gu­ran­ça. Is­to por­que o Par­la­men­to, ins­ta­la­do em To­bruk, no les­te da Lí­bia, ape­sar de tam­bém re­co­nhe­ci­do pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, não lhe dá o seu vo­to de con­fi­an­ça, re­cu­san­do-se a re­co­nhe­cer e a apoi­ar um exe­cu­ti­vo ri­val. An­tes de da­rem um vo­to de con­fi­an­ça do Par­la­men­to ao Go­ver­no de uni­da­de na­ci­o­nal, al­guns par­la­men­ta­res que­rem no­vas ne­go­ci­a­ções, pa­ra re­sol­ve­rem a ques­tão da no­me­a­ção do che­fe das for­ças ar­ma­das. Em cau­sa, es­tão de­pu­ta­dos par­ti­dá­ri­os do ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar, que tem o apoio do Par­la­men­to. “O acor­do, se­gun­do o qual um Go­ver­no in­te­ri­no (...) es­ta­be­le­ce­ria uma no­va or­dem política, con­si­de­ran­do as mi­lí­ci­as, não é mais apli­cá­vel nos ter­mos em que es­tá”, con­si­de­ra o IGC, de­fen­den­do ser “ne­ces­sá­rio lan­çar no­vas ne­go­ci­a­ções que en­vol­ve­ri­am os prin­ci­pais ac­to­res.”

Nes­te sen­ti­do, a ONG ad­ver­tiu pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de um ris­co de con­fli­to mai­or que opo­ria as for­ças do ge­ne­ral Haf­tar - que to­mou, nos úl­ti­mos me­ses, os prin­ci­pais ter­mi­nais de pe­tró­leo do les­te do país - e as for­ças do Go­ver­no de uni­da­de na­ci­o­nal, pres­tes a re­to­mar das mãos dos 'jiha­dis­tas' a ci­da­de de Sir­te, a 450 qui­ló­me­tros a les­te de Tri­po­li. O re­la­tó­rio do ICG não ex­cluiu a pos­si­bi­li­da­de de as for­ças que com­ba­tem ac­tu­al­men­te em Sir­te, com o apoio de mi­lí­ci­as do oes­te, avan­ça­rem ru­mo a les­te e en­fren­ta­rem as for­ças de Haf­tar, ou de es­tas úl­ti­mas avan­ça­rem ru­mo a oes­te, em di­rec­ção a Tri­po­li.

“As ten­ta­ti­vas de apli­car [o acor­do] sem o aval do Par­la­men­to e de ex­cluir Haf­tar de­vem pa­rar. Da mes­ma for­ma, (...) Haf­tar de­ve ser le­va­do à me­sa de ne­go­ci­a­ções pe­los seus par­ti­dá­ri­os”, de­fen­de a or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal.

AFP

Fac­ções e mi­lí­ci­as tri­bais re­jei­tam de­por as ar­mas pa­ra avan­çar na re­con­ci­li­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.