Anun­ci­a­da pe­na má­xi­ma pa­ra o au­tor do mas­sa­cre

Jornal de Angola - - PUBLICIDADE -

O sol­da­do An­tó­nio Ma­nu­el Ri­bei­ro, de 23 anos de ida­de, au­tor con­fes­so da mor­te de 11 pes­so­as num pos­to mi­li­tar em Ca­bo Ver­de, foi con­de­na­do, quin­ta-fei­ra, a 35 anos de pri­são, a pe­na má­xi­ma em vi­gor no ar­qui­pé­la­go.

A sen­ten­ça pro­fe­ri­da pe­lo co­lec­ti­vo de juí­zes do Tri­bu­nal Mi­li­tar, no fi­nal de um jul­ga­men­to ini­ci­a­do a 27 de Ou­tu­bro pas­sa­do, no Co­man­do da III Re­gião Mi­li­tar, na Ci­da­de da Praia, con­de­na ain­da o réu a uma pe­na aces­só­ria de ex­pul­são das For­ças Ar­ma­das ca­bo-ver­di­a­nas. O réu de­ve ain­da pa­gar uma indemnização de 11 mi­lhões de es­cu­dos ca­bo­ver­di­a­nos (cer­ca de 99 mil eu­ros) às fa­mí­li­as das ví­ti­mas, sen­do oi­to mi­li­ta­res e três ci­vis, in­cluin­do dois ci­da­dãos es­pa­nhóis. Mais co­nhe­ci­do por “En­tany”, o con­de­na­do era sus­pei­to da mor­te, a 25 de Abril úl­ti­mo, de 11 pes­so­as no des­ta­ca­men­to de Mon­te Txo­ta, na lo­ca­li­da­de de Rui Vaz, in­te­ri­or da ilha de San­ti­a­go.

Os cor­pos das ví­ti­mas fo­ram des­co­ber­tos no dia 26 e o sus­pei­to, mi­li­tar em ser­vi­ço no des­ta­ca­men­to, foi de­ti­do pe­la Po­lí­cia na­ci­o­nal no dia se­guin­te, no bair­ro da Fa­zen­da na Ci­da­de da Praia. De­pois de con­fes­sar os cri­mes, ele fi­cou des­de en­tão em pri­são pre­ven­ti­va no es­ta­be­le­ci­men­to pri­si­o­nal mi­li­tar a aguar­dar o jul­ga­men­to, que co­nhe­ceu o seu des­fe­cho na quin­ta-fei­ra. Du­ran­te a ses­são, An­tó­nio Ma­nu­el Sil­va Ri­bei­ro res­pon­deu às per­gun­tas re­la­ti­vas à sua iden­ti­fi­ca­ção, a que es­ta­va obri­ga­do, e usou da pa­la­vra, ape­nas pa­ra pe­dir des­cul­pas ao país e às fa­mí­li­as das ví­ti­mas. Du­ran­te a pri­mei­ra ses­são do jul­ga­men­to, o Ministério Pú­bli­co pe­diu a con­de­na­ção do réu à pe­na má­xi­ma de pri­são em Ca­bo Ver­de, agra­va­da no ano pas­sa­do pe­lo Par­la­men­to de 25 pa­ra 35 anos de pri­são.

No de­cor­rer do pro­ces­so, fo­ram ou­vi­das cin­co das seis tes­te­mu­nhas ar­ro­la­das pe­las par­tes. A de­fe­sa, que foi as­se­gu­ra­da pe­lo de­fen­sor ofi­ci­o­so te­nen­te Jú­lio Mon­tei­ro, apon­tou a pos­tu­ra de co­la­bo­ra­ção do réu, o seu ca­rác­ter cal­mo e os pro­ble­mas que so­freu ao lon­go da vi­da co­mo cir­cuns­tân­ci­as ate­nu­an­tes da sua con­du­ta e pe­diu aos juí­zes que “se­jam be­ne­vo­len­tes.”

No en­tan­to, o Tri­bu­nal Mi­li­tar con­si­de­rou En­tany um “psi­co­pa­ta de grau gra­ve”, não sen­do is­so uma “do­en­ça”, mas sim uma “con­di­ção com que se nas­ce e mor­re” e que não tem “tra­ta­men­to.”

In­ves­ti­ga­ções in­ter­nas re­a­li­za­das pe­las For­ças Ar­ma­das apon­ta­ram que um de­sen­ten­di­men­to com um co­le­ga, que re­sul­tou em con­fron­tos fí­si­cos, se­gui­dos de ati­tu­des ve­xa­tó­ri­as por par­te de ou­tros co­le­gas que pre­sen­ci­a­ram o ac­to, es­ta­ria na ori­gem des­te au­tên­ti­co mas­sa­cre. O ca­so tam­bém le­van­tou dú­vi­das so­bre a rotina de fun­ci­o­na­men­to do pos­to e o seu con­tac­to com o co­man­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.