Adep­tos do fu­te­bol vi­bram com tru­mu­nu

GO­LE­A­DAS MAR­CAM CLÁS­SI­CO Mi­li­ta­res do Rio Se­co e petrolíferos dis­pu­tam ho­je à tar­de jo­go com his­tó­ria

Jornal de Angola - - DESPORTO - LUÍ­SA RO­GÉ­RIO |

Du­ran­te os pri­mei­ros tem­pos foi so­be­ra­no. Os in­ci­den­tes de per­cur­so co­mo a der­ro­ta di­an­te do Ban­gú no “Tor­neio de Agri­cul­tu­ra”, re­a­li­za­do no ano de 1978, não pas­sa­ram de ex­cep­ções do ti­po que con­fir­mam as re­gras. Sur­giu de­pois o Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de Fu­te­bol, pos­te­ri­or­men­te bap­ti­za­do Girabola.

O ve­lho se­nhor con­ti­nu­ou a rei­nar e a pas­se­ar qua­se iso­la­da­men­te to­da a sua clas­se. Até que ou­tra equi­pa lhe rou­bou o es­ta­tu­to de mais ti­tu­la­da do fu­te­bol na­ci­o­nal: o Atlé­ti­co Pe­tró­le­os de Lu­an­da. Bas­ta­ram al­guns em­ba­tes pa­ra se tor­nar ar­qui-ri­val do clu­be fun­da­do a 1 de Agos­to de 1977. Os dois mai­o­res em­ble­mas des­por­ti­vos do país de­fron­tam-se ho­je às 15h30, na der­ra­dei­ra jor­na­da do Girabola. O cam­peão es­tá iden­ti­fi­ca­do. Mas a mís­ti­ca man­tém-se.

Ho­je é dia de dér­bi, já que es­tá em cau­sa uma dis­pu­ta en­tre equi­pas da mes­ma ci­da­de. É tam­bém um clás­si­co por for­ça do es­ta­tu­to de “prin­ci­pais ri­vais” os­ten­ta­do pe­los pro­ta­go­nis­tas. Não se tra­ta de uma par­ti­da co­mum. É o jo­go. Ou o tru­mu­nu, em bom lin­gua­jar an­go­la­no.

Um acon­te­ci­men­to des­por­ti­vo à es­ca­la na­ci­o­nal, com gran­de re­per­cus­são nos me­dia e re­des so­ci­ais. Fa­lar do 1º de Agos­to ver­sus Pe­tro sig­ni­fi­ca me­xer com sen­si­bi­li­da­des. Des­pren­der emo­ções pro­fun­das. Coi­sas do apai­xo­nan­te mun­do do fu­te­bol cen­tra­li­za­do na pe­que­na bo­la cu­jo ma­nu­seio faz es­tre­me­cer mul­ti­dões.

O jo­go de ho­je con­fir­ma que nem sem­pre a ló­gi­ca do fu­te­bol equi­va­le a nú­me­ros. Não es­tá em cau­sa a pon­tu­a­ção. To­dos co­nhe­cem o cam­peão. Por si­nal, o ex-ro­tu­la­do eter­no vi­ce em cír­cu­los pró­xi­mos ao seu de­sa­fec­to. Fru­to das vol­tas tí­pi­cas do fu­te­bol o vi­ce da vez é pre­ci­sa­men­te o Pe­tro. O clu­be do Rio Se­co que, ao fim de dez pe­no­sos anos en­xu­tos, vol­ta a er­guer o tro­féu mai­or, al­me­ja triun­far de mo­do con­vin­cen­te. A ce­re­ja no to­po do bo­lo se­ria a vi­tó­ria di­an­te do prin­ci­pal ad­ver­sá­rio, atin­gin­do as­sim o clí­max da ce­le­bra­ção ini­ci­a­da na se­ma­na pas­sa­da. O bri­lha­re­te do Pe­tro da­ria à tur­ma do Ca­te­tão a sa­tis­fa­ção de im­pin­gir o gos­ti­nho de fel pas­sí­vel de en­som­brar a fes­ta ru­bro e ne­gra. O jo­go vai trans­for­mar o 11 de No­vem­bro num ver­da­dei­ro cal­dei­rão de vi­bra­ções. Os mais fer­vo­ro­sos pre­ten­dem tes­te­mu­nhar no ter­re­no a con­sa­gra­ção mi­li­tar. As te­le­vi­sões pre­pa­ram a trans­mis­são do pas­so a pas­so da pos­se de bo­la.

Co­mo os ce­ná­ri­os nun­ca se re­pe­tem, por mais pa­re­ci­dos que se­jam, o jo­vem Ki­to que no au­ge da ado­les­cên­cia con­tra­ri­ou o sen­so co­mum ao re­fu­gi­ar-se no iso­la­men­to da rua em dia de dér­bi ren­deu-se ao fu­te­bol, pro­me­te vi­ven­ci­ar a par­ti­da do pri­mei­ro ao úl­ti­mo se­gun­do. Pa­ra is­so pre­pa­rou o ar­se­nal co­me­mo­ra­ti­vo.

O jo­go vai pa­rar o país. A mo­bi­li­za­ção ge­ral tal­vez se com­pa­re a jo­gos de­ci­si­vos dos Pa­lan­cas Ne­gras ou fi­nal da co­pa do mun­do. Dá gos­to ver as ani­ma­das mo­vi­men­ta­ções quan­do a jor­na­da re­ser­va um Pe­tro1º de Agos­to. Re­gis­tam-se nas pe­que­nas e gran­des lo­ca­li­da­des ajun­ta­men­tos di­an­te de ba­res e res­tau­ran­tes. Há quem trans­for­me a atrac­ção em pro­gra­ma fa­mi­li­ar, pro­lon­gan­do a al­mo­ça­ra­da de sá­ba­do ao re­dor de uma me­sa co­mo só acon­te­ce em An­go­la. Cri­an­ças dis­cu­tem de­ta­lhes. Ar­ris­cam prog­nós­ti­cos. Ce­le­bram os ins­pi­ra­do­res no­vos he­róis. No lu­gar mais es­con­di­do des­te país cir­cu­lam ca­mi­so­las do D’Agos­to e do Pe­tro. Ca­so não te­nha ou­tra pos­si­bi­li­da­de, na ho­ra H al­guém vai en­cos­tar a bi­ci­cle­ta na ber­ma da es­tra­da. Es­se per­di­do num qual­quer con­tra­tem­po vai des­co­brir com­pa­nhei­ros de oca­sião pa­ra jun­tos co­la­rem o ou­vi­do ao ve­lhi­nho rá­dio de pi­lhas.

Es­ta tar­de Ary Pa­pel e Gel­son, jo­ga­do­res que fa­zem a du­pla an­go­la­na mais efi­caz dos úl­ti­mos tem­pos, vão ca­pi­ta­li­zar a aten­ção de vá­ri­os mi­lha­res de adep­tos. Geraldo que tro­cou os rel­va­dos bra­si­lei­ros pe­las co­res agos­ti­nas, o ni­ge­ri­a­no Ibu­kun e com­pa­nhia aju­dam a cons­truir so­nhos de miú­dos e miú­das.

Do la­do opos­to, Job e Ti­a­go Azu­lão, bra­si­lei­ro que se trans­for­mou na prin­ci­pal re­fe­rên­cia do ata­que tri­co­lor, vão dar o me­lhor de si pa­ra não de­frau­da­rem o seu pú­bli­co. O guar­da-re­des Gel­son, fi­lho de Ar­tur Bar­ros, cu­ja his­tó­ria se con­fun­de com o clu­be do Ca­te­tão, po­de ser o he­rói. Ou o vi­lão do dia. Tão im­por­tan­te quan­to o resultado é a li­ção mai­or dei­xa­da por es­te Girabola, re­su­mi­da na per­ti­nên­cia do in­ves­ti­men­to nas ca­ma­das jo­vens. Ven­ce­dor? O po­der trans­for­ma­dor do des­por­to.

VI­GAS DA PURIFICAÇÃO

Agos­ti­nos têm tu­do pre­pa­ra­do pa­ra fes­te­jar a con­quis­ta do dé­ci­mo tí­tu­lo na com­pe­ti­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.