Pai­xão Jú­ni­or des­men­te can­di­da­tu­ra

Jornal de Angola - - DESPORTO - AR­MIN­DO PE­REI­RA |

O pre­si­den­te de Di­rec­ção do Pro­gres­so As­so­ci­a­ção Sam­bi­zan­ga, Pai­xão Jú­ni­or, ne­gou que te­nha ma­ni­fes­ta­do qual­quer in­ten­ção de con­cor­rer ao car­go má­xi­mo na Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), pa­ra subs­ti­tuir Pe­dro Ne­to, co­mo foi no­ti­ci­a­do na úl­ti­ma se­ma­na.

Pai­xão Jú­ni­or fez as de­cla­ra­ções quin­ta-fei­ra, em Lu­an­da, na As­sem­bleia-Ge­ral do clu­be, pa­ra a mar­ca­ção do plei­to elei­to­ral, no qual vai con­cor­rer pa­ra um ter­cei­ro man­da­to. O di­ri­gen­te dei­xou cla­ro que não es­tá pre­pa­ra­do pa­ra dis­pu­tar o car­go na FAF com os de­mais can­di­da­tos e que o seu com­pro­mis­so é ex­clu­si­vo com o Pro­gres­so.

“Tu­do o que se no­ti­ci­ou a res­pei­to dis­so não pas­sa de in­ven­ção. É obra do ima­gi­ná­rio de mui­tas pes­so­as que o fa­zem com o ob­jec­ti­vo de fo­men­tar al­gu­ma coi­sa. Es­tou bem no Pro­gres­so. Pre­fi­ro con­ti­nu­ar aqui do que as­su­mir a di­rec­ção da FAF”, es­cla­re­ceu Pai­xão Jú­ni­or.

Du­ran­te o en­con­tro que man­te­ve com jor­na­lis­tas, o pre­si­den­te da agre­mi­a­ção sam­bi­la fez um bre­ve ba­lan­ço das re­a­li­za­ções du­ran­te a vi­gên­cia do seu man­da­to 2012/2016, bem co­mo lan­çou os de­sa­fi­os pa­ra o pró­xi­mo qua­drié­nio (2016/2020). Pa­ra a pre­sen­te épo­ca des­por­ti­va, a con­quis­ta da Ta­ça de An­go­la é a gran­de me­ta da di­rec­ção do Pro­gres­so. Ca­so o ob­jec­ti­vo se­ja con­cre­ti­za­do, Pai­xão Jú­ni­or con­si­de­ra que o fei­to vai mar­car o úl­ti­mo man­da­to. Tu­do es­tá a ser fei­to ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te pa­ra que a equi­pa te­nha to­das as con­di­ções cri­a­da de mo­do a tor­nar o so­nho em re­a­li­da­de, já no pró­xi­mo dia 11, no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro.

“Te­mos con­di­ções de com­pe­tir de igual pa­ra igual com o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo. Pos­so vos ga­ran­tir que a mi­nha equi­pa não é in­fe­ri­or. Nem na prá­ti­ca, nem na te­o­ria. O Li­bo­lo po­de es­tar me­lhor or­ga­ni­za­do tec­ni­ca­men­te, so­bre­tu­do por ven­cer qua­tro edi­ções do Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de Fu­te­bol da I Di­vi­são, Girabola, mas nós va­mos jo­gar pa­ra ga­nhar”, su­bli­nhou. Qu­es­ti­o­na­do so­bre a pres­ta­ção da equi­pa de fu­te­bol e do trei­na­dor Albano Cé­sar, na pre­sen­te edi­ção do Girabola, o pre­si­den­te do Pro­gres­so pre­fe­re aguar­dar pe­lo des­fe­cho das du­as com­pe­ti­ções: “Não pos­so fa­zer ba­lan­ço quan­do ain­da há me­tas a atin­gir. No fi­nal de tu­do po­de­mos fa­zer as con­tas e is­so vai pe­sar no que diz res­pei­to à con­ti­nui­da­de ou não do trei­na­dor. Uma vi­tó­ria na ron­da fi­nal do Girabola vai re­sul­tar na me­lho­ria da nos­sa clas­si­fi­ca­ção dos úl­ti­mos cin­co anos”.

VI­GAS DA PURIFICAÇÃO

Pre­si­den­te do Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga de­fi­ne pri­o­ri­da­des pa­ra o pró­xi­mo man­da­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.