O con­vi­da­do VIP

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

Es­ta se­ma­na ti­ve­mos a vi­si­ta do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, a pri­mei­ra com cu­nho ofi­ci­al des­de que Faus­tin-Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra as­su­miu o po­der na­que­le país. O Pre­si­den­te Tou­a­dé­ra, co­mo sa­be­mos, já foi Pri­mei­ro-Mi­nis­tro e acom­pa­nhou de per­to, de mui­to per­to mes­mo, o de­sen­ro­lar do pro­ces­so po­lí­ti­co no seu país, des­de o con­fli­to de ca­riz apa­ren­te­men­te ét­ni­co-re­li­gi­o­so, à tran­si­ção po­lí­ti­ca cu­jo ros­to mais vi­sí­vel foi Catha­ri­ne Sam­ba-Pan­za, que vá­ri­as ve­zes es­te­ve en­tre nós em bus­ca do apoio de An­go­la.

Es­ta­mos to­dos re­cor­da­dos da­que­la mu­lher de pre­sen­ça no­tá­vel e olhar in­ten­so que veio a Lu­an­da umas quan­tas ve­zes, ora pa­ra tra­tar de acer­tos no âm­bi­to do apoio que An­go­la se propôs pres­tar ao pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca na RCA, ora sim­ples­men­te pa­ra be­ber da ex­pe­ri­ên­cia do Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, a quem cer­ta vez cha­mou de pai, em jei­to de pro­fun­do re­co­nhe­ci­men­to pe­la for­ma co­mo o Pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos se em­pe­nhou pa­ra que a es­ta­bi­li­da­de fos­se uma re­a­li­da­de na RCA.

Es­ta se­ma­na ou­vi­mos o Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­dé­ra, pre­ci­sa­men­te o por­ta-es­tan­dar­te do pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca da RCA, ex­pres­sar o seu re­co­nhe­ci­men­to a An­go­la e aos an­go­la­nos, em par­ti­cu­lar o Pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos, pe­lo apoio “mul­ti­fa­ce­ta­do e di­ver­si­fi­ca­do” pos­to à dis­po­si­ção dos cen­tro-afri­ca­nos, per­mi­tin­do que fos­sem en­tão lan­ça­das as ba­ses pa­ra o res­sur­gi­men­to e for­ta­le­ci­men­to das ins­ti­tui­ções do país.

Mas não foi só a gra­ti­dão dos cen­tro-afri­ca­nos pa­ra com os an­go­la­nos que Faus­tin Tou­a­dé­ra veio trans­mi­tir. Ou­vi­mo-lo tam­bém di­zer que An­go­la de­ve ser­vir de mo­de­lo pa­ra as na­ções que se re­er­guem das cin­zas, nu­ma alu­são di­rec­ta à for­ma co­mo os an­go­la­nos sou­be­ram de­mons­trar ao mun­do a sua von­ta­de de vi­rar a pá­gi­na e re­co­me­çar de ma­nei­ra de­ter­mi­na­da até tor­nar-se num “…gi­gan­te ad­mi­ra­do, co­bi­ça­do e ao mes­mo tem­po res­pei­ta­do por to­da a gen­te”.

Bas­tan­te in­ten­ci­o­nal es­sa pas­sa­gem do dis­cur­so do se­nhor Tou­a­dé­ra, no­me­a­da­men­te quan­do se re­fe­re à co­bi­ça, que cho­ca de fren­te com os ar­gu­men­tos que ou­vi­mos aqui e ali de que a te­o­ria da cons­pi­ra­ção era um me­ro ex­pe­di­en­te a que re­cor­rem os da si­tu­a­ção pa­ra jus­ti­fi­car uma ale­ga­da fal­ta de re­sul­ta­dos. Ha­ve­rá quem pre­fi­ra en­ca­rar es­sa pas­sa­gem do dis­cur­so do Pre­si­den­te cen­tro-afri­ca­no co­mo uma sim­ples de­mons­tra­ção de edu­ca­ção e ca­va­lhei­ris­mo. Mas não. Faus­tin Tou­a­dé­ra dis­se-o de ma­nei­ra acen­tu­a­da e sem qual­quer si­nal de he­si­ta­ção.

Por mais que se ten­te em­ba­ci­ar es­se fac­to, é uma verdade in­so­fis­má­vel que ape­sar do mui­to que ain­da há a per­cor­rer, par­ti­cu­lar­men­te no cam­po da efi­cá­cia das po­lí­ti­cas in­ter­nas e do re­for­ço e con­so­li­da­ção das ins­ti­tui­ções, An­go­la sou­be dar a vol­ta por ci­ma. De­pois de ter es­ta­do li­te­ral­men­te no chão, sou­be co­mo pou­cos re­er­guer-se. A Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na ul­tra­pas­sou a fa­se mais con­tur­ba­da, e com a “efu­são de so­li­da­ri­e­da­de” da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, e mui­to par­ti­cu­lar­men­te de An­go­la, quer do pon­to de vis­ta bi­la­te­ral, quer no pla­no das or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais e sub-re­gi­o­nais, re­a­li­zou elei­ções. Den­tro de pou­cos di­as tem lu­gar em Bru­xe­las uma con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal de do­a­do­res, pa­ra a cap­ta­ção dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros ne­ces­sá­ri­os pa­ra re­er­guer a eco­no­mia des­te país afri­ca­no, an­ti­ga co­ló­nia fran­ce­sa, pa­ra quem a na­tu­re­za foi bas­tan­te ge­ne­ro­sa em re­cur­sos mi­ne­rais.

Ci­en­te do per­cur­so his­tó­ri­co de An­go­la, par­ti­cu­lar­men­te das úl­ti­mas du­as dé­ca­das, a for­ma co­mo os an­go­la­nos lo­gra­ram aca­bar com o con­fli­to ar­ma­do, um dos mais lon­gos e des­trui­do­res de que se tem memória, o Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­dé­ra dei­xou um Con­vi­te VIP pa­ra que se fa­ça pre­sen­te em Bru­xe­las e par­ti­ci­pe em mais es­se ges­to de so­li­da­ri­e­da­de da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra com o seu país.

Mas é ine­vi­tá­vel per­ce­ber que es­se con­vi­te a An­go­la re­pre­sen­ta mui­to mais do que a me­ra ex­pres­são da von­ta­de so­be­ra­na de quem quer par­ti­lhar um mo­men­to es­pe­ci­al, es­co­lhen­do, pe­la pró­pria ca­be­ça, um par­cei­ro pa­ra as pró­xi­mas eta­pas de uma ca­mi­nha­da que se es­pe­ra sem­pre lon­ga e exi­gen­te. Co­mo ago­ra a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, em 2002 An­go­la co­me­çou um novo ca­pí­tu­lo da sua his­tó­ria e, com as con­di­ções que te­ve (e que não te­ve) na al­tu­ra, de­ci­diu se­guir ca­mi­nho, re­er­guer-se das cin­zas e cons­truir o seu fu­tu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.