Opo­si­ção con­tes­ta re­sul­ta­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - CRISTINA GARCÍA CASADO | EFE

As elei­ções pre­si­den­ci­ais de ho­je nos Es­ta­dos Uni­dos en­tram pa­ra a His­tó­ria co­mo as mais insólitas de uma na­ção que a par­tir de Ja­nei­ro po­de ser go­ver­na­da pe­la pri­mei­ra vez por uma mu­lher ou por um po­lé­mi­co mag­na­ta sem ex­pe­ri­ên­cia po­lí­ti­ca, te­mi­do den­tro e fo­ra do país.

“Em­bo­ra ha­ja al­gu­mas se­me­lhan­ças com Ro­nald Re­a­gan (19811989) nes­se sen­ti­do (fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia po­lí­ti­ca), ele foi go­ver­na­dor da Ca­li­fór­nia dois man­da­tos após o seu pe­río­do co­mo ac­tor, Trump se­ria o pri­mei­ro as­tro de re­a­lity show a tor­nar-se pre­si­den­te sem ba­ga­gem po­lí­ti­ca nem mi­li­tar”.

O apre­sen­ta­dor do pro­gra­ma “O Apren­diz” foi, sem dú­vi­da, não só a sur­pre­sa das elei­ções, co­mo a fi­gu­ra que mais cha­mou a aten­ção, rom­pen­do os es­que­mas da cam­pa­nha elei­to­ral ame­ri­ca­na, tal­vez pa­ra sem­pre.

Elei­ções nas quais os va­lo­res de­mo­crá­ti­cos são de­sa­fi­a­dos, acu­sa­ções de­sa­ver­go­nha­das e sem fun­da­men­tos são fei­tas, a com­ple­xi­da­de dos te­mas po­lí­ti­cos é ig­no­ra­da e há ape­lo a emo­ções ir­ra­ci­o­nais são his­tó­ri­cas da pi­or ma­nei­ra.

Nes­tas elei­ções os ame­ri­ca­nos apren­de­ram a es­pe­rar o ines­pe­ra­do: o bi­li­o­ná­rio fez cam­pa­nha des­de o mi­nu­to ze­ro, e du­ran­te qua­se um ano e meio, com uma ex­plo­si­va re­tó­ri­ca ra­cis­ta e se­xis­ta que es­can­da­li­zou o mun­do.

“Trump tem um es­ti­lo pes­so­al de cam­pa­nha que é bom­bás­ti­co, in­sul­tu­o­so e cheio de er­ros e men­ti­ras. É o can­di­da­to dos mi­lha­res de er­ros”, opi­nou Ro­bert J. Spit­zer, es­pe­ci­a­lis­ta em pre­si­dên­cia da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de No­va Ior­que em Cor­tland.

Mi­lha­res de er­ros aos quais so­bre­vi­veu vá­ri­as ve­zes pa­ra per­ple­xi­da­de dos ana­lis­tas po­lí­ti­cos: o me­nor dos seus es­cân­da­los te­ria aca­ba­do com a can­di­da­tu­ra de qual­quer ou­tro po­lí­ti­co.

“A sua vi­tó­ria é pos­sí­vel ape­sar de ele ter ven­tos po­lí­ti­cos con­trá­ri­os ao ex­tre­mo: uma equi­pa de cam­pa­nha pe­que­na, me­nos di­nhei­ro ar­re­ca­da­do pa­ra gas­tar em pu­bli­ci­da­de, fal­ta de apoi­os po­lí­ti­cos e a rup­tu­ra aber­ta com a cú­pu­la do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no”, lem­brou Kall.

As­sim, a pou­cos di­as das elei­ções, um re­cém che­ga­do à po­lí­ti­ca sem o apoio do seu par­ti­do co­me­ça a pi­sar nos cal­ca­nha­res de Hil­lary Clin­ton, “a can­di­da­ta mais pre­pa­ra­da da his­tó­ria”, co­mo gos­ta de di­zer o pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma.

Ela ven­ceu-o nos três de­ba­tes pre­si­den­ci­ais e con­ti­nu­am nu­ma com­pe­ti­ção aper­ta­da. Os elei­to­res es­tão fu­ri­o­sos com o par­ti­da­ris­mo em Washing­ton e es­tão à pro­cu­ra de al­guém de fo­ra da are­na po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal pa­ra sa­cu­dir o sis­te­ma, ar­gu­men­tou Kall.

A ra­zão pe­la qual Trump ain­da tem hi­pó­te­ses de ga­nhar é jus­ta­men­te o fac­to de en­fren­tar Hil­lary, uma can­di­da­ta com to­das as cre­den­ci­ais, mas mui­to im­po­pu­lar: am­bos são os can­di­da­tos pre­si­den­ci­ais mais re­jei­ta­dos da his­tó­ria dos Es­ta­dos Uni­dos, o que re­duz es­tas elei­ções a es­co­lher “o mal me­nor”.

“A im­po­pu­la­ri­da­de de Hil­lary ex­pli­ca-se pe­lo seu lon­go his­tó­ri­co na po­lí­ti­ca, com opo­nen­tes que a re­jei­tam há dé­ca­das, uni­do ao fac­to de que ela mes­ma pro­cu­rou pro­ble­mas, co­mo de­ci­dir usar um ser­vi­dor pri­va­do de e-mail qu­an­do era se­cre­tá­ria de Es­ta­do (2009-2013)”, des­ta­cou Spit­zer.

No en­tan­to, as pes­qui­sas e a mai­o­ria das pre­vi­sões in­di­cam uma vi­tó­ria de Hil­lary, um mar­co que abri­ria uma no­va pá­gi­na na pre­si­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos: a pri­mei­ra mu­lher à fren­te da Ca­sa Bran­ca qu­an­do se com­ple­ta qua­se um sé­cu­lo do aces­so fe­mi­ni­no ao vo­to (1920).

“A sua tran­si­ção de pri­mei­ra-da­ma do (es­ta­do do) Ar­kan­sas a pri­mei­ra-da­ma dos Es­ta­dos Uni­dos, a se­na­do­ra, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do e a pre­si­den­te é um ca­mi­nho im­pres­si­o­nan­te que pro­va­vel­men­te não vol­ta­re­mos a ver”, afir­mou Kall.

Além dis­so, a vi­tó­ria de Hil­lary re­pre­sen­ta­ria o re­gres­so à Ca­sa Bran­ca de um ex-pre­si­den­te, des­ta vez na con­di­ção de “pri­mei­ro ca­va­lhei­ro”: Bill Clin­ton (1993-2001).

Ga­nhe qu­em ga­nhar no dia 8 de No­vem­bro, já foi fei­ta e ain­da vai ser fei­ta his­tó­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.