CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LAURINDA ADÃO LUÍS PIN­TO AN­DRÉ LU­CAS CONCEIÇÃO AN­TÓ­NIO

O 11 de No­vem­bro

Va­mos co­me­mo­rar es­ta se­ma­na mais um ani­ver­sá­rio da nos­sa in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, pro­cla­ma­da a 11 de No­vem­bro de 1975. Es­ta data é his­tó­ri­ca. Com o 11de No­vem­bro, pôs-se fim a cin­co sé­cu­los de opres­são e ex­plo­ra­ção. Gos­ta­va que nas es­co­las se or­ga­ni­zas­sem pa­les­tras so­bre o con­tri­bu­to que de­ram mi­lha­res de an­go­la­nos à lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês.

Os nos­sos jo­vens es­tu­dan­tes, par­ti­cu­lar­men­te, pre­ci­sam de sa­ber que fo­ram mui­tos os sa­cri­fí­ci­os con­sen­ti­dos pa­ra que pu­dés­se­mos es­tar a vi­ver num país li­vre e in­de­pen­den­te. Os pro­fes­so­res de His­tó­ria de­vi­am ser con­vi­da­dos nes­ta al­tu­ra a fa­zer co­mu­ni­ca­ções em es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no so­bre o que foi o per­cur­so do com­ba­te pe­la nos­sa in­de­pen­dên­cia. As nos­sas cri­an­ças e jo­vens pre­ci­sam de sa­ber, co­mo dis­se o po­e­ta, quan­to cus­tou a li­ber­da­de.

Água sem pres­são

Mo­ro no bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, Dis­tri­to Ur­ba­no da Mai­an­ga, e que­ro co­mu­ni­car que há al­gu­mas se­ma­nas a água sai das tor­nei­ras com mui­to pou­ca pres­são. Não sei a ra­zão des­ta si­tu­a­ção, mas gos­ta­va que se des­se uma ex­pli­ca­ção. Que­ria en­tre­tan­to elo­gi­ar o fac­to de não ter si­do in­ter­rom­pi­do o for­ne­ci­men­to de água (mes­mo sem mui­ta pres­são) às re­si­dên­ci­as que têm be­ne­fi­ci­a­do do abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra en­co­ra­jar os tra­ba­lha­do­res da Epal a con­ti­nu­a­rem a tra­ba­lhar no sen­ti­do de to­do o bair­ro Sa­gra­da Es­pe­ran­ça be­ne­fi­ci­ar de água po­tá­vel. Há obras em cur­so no meu bair­ro pa­ra que to­dos os mo­ra­do­res do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça te­nham água. Es­tas obras de­vem con­ti­nu­ar, pa­ra que mais ci­da­dãos pos­sam ter água po­tá­vel em su­as ca­sas e dei­xem de com­prar es­te pre­ci­o­so lí­qui­do a ele­va­dos pre­ços.

Va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos

Te­mos ain­da no nos­so país, em par­ti­cu­lar nos cen­tros ur­ba­nos, gra­ves pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos com prá­ti­cas so­ci­ais in­cor­rec­tas, que não con­tri­bu­em pa­ra uma boa con­vi­vên­cia en­tre os mem­bros da so­ci­e­da­de.

Há in­fe­liz­men­te mui­tos jo­vens que não res­pei­tam por exem­plo os mais ve­lhos e to­mam ati­tu­des que são cau­sa­do­ras de mui­tos con­fli­tos, nos seus la­res ou fo­ra de­les.

A fa­mí­lia tem um pa­pel im­por­tan­te a de­sem­pe­nhar, pa­ra que mui­tos jo­vens pos­sam ter com­por­ta­men­tos cor­rec­tos. A so­ci­e­da­de pre­ci­sa de paz so­ci­al. Uma so­ci­e­da­de com paz so­ci­al é uma so­ci­e­da­de que po­de pro­gre­dir, no in­te­res­se dos seus mem­bros.

Ho­je há jo­vens que não ou­vem con­se­lhos dos mais ve­lhos, que con­si­de­ram ul­tra­pas­sa­dos, e pen­sam que sa­bem tu­do e que não têm mais na­da a apren­der. É pre­ci­so que se fa­ça um atu­ra­do tra­ba­lho de edu­ca­ção cí­vi­ca e mo­ral nas nos­sas es­co­las, em par­ti­cu­lar nas es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as.

Que os jo­vens sai­bam que têm mui­to a apren­der com os mais ve­lhos. Eles ga­nha­rão mui­to se se­gui­rem os con­se­lhos dos mais ve­lhos. Eu cres­ci apren­den­do a ou­vir mui­to os mais ve­lhos .Qu­em sa­be ou­vir os mais ve­lhos apren­de mui­to.

Pen­so que, além das es­co­las, as or­ga­ni­za­ções ju­ve­nis de di­ver­sa na­tu­re­za de­vi­am or­ga­ni­zar en­con­tros com os jo­vens pa­ra abor­da­gem de as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos com a edu­ca­ção mo­ral e cí­vi­ca.

Registo elei­to­ral

Te­mos elei­ções ge­rais no pró­xi­mo ano e era bom que to­dos os meus com­pa­tri­o­tas em con­di­ções de vo­tar fi­zes­sem o registo elei­to­ral. As elei­ções são, co­mo se tem di­to, um acon­te­ci­men­to mui­to im­por­tan­te pa­ra a vi­da dos an­go­la­nos . Qu­em vo­ta em elei­ções ge­rais es­tá a con­tri­buir pa­ra a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia no país.

Os ci­da­dãos par­ti­ci­pam na vi­da po­lí­ti­ca do país in­do às ur­nas es­co­lher pe­ri­o­di­ca­men­te os seus go­ver­nan­tes. Os an­go­la­nos têm ido em mas­sa vo­tar em elei­ções pa­ra es­co­lha de go­ver­nan­tes. Que o mes­mo acon­te­ça em 2017.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.