Elei­to­res de­fi­nem ho­je o cur­so dos pró­xi­mos anos

De­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton man­tém mar­gem mí­ni­ma pa­ra ser a no­va lí­der da Ca­sa Bran­ca

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MATOS |

Exis­tem ra­zões for­tes pa­ra que o mun­do fi­que ex­pec­tan­te em co­nhe­cer a par­tir de ho­je o no­vo Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, mais do que em elei­ções an­te­ri­o­res, pe­la pers­pec­ti­va in­te­res­san­te que os can­di­da­tos cri­a­ram tan­to ao ní­vel do­més­ti­co co­mo ao ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.

Os nor­te-ame­ri­ca­nos tal­vez não te­nham ti­do nos úl­ti­mos 20 ou 30 anos uma elei­ção tão po­lé­mi­ca quan­to inu­si­ta­da, o que au­men­tou o grau de res­pon­sa­bi­li­da­de dos elei­to­res pa­ra uma es­co­lha que po­de de­fi­nir en­tre a con­ti­nui­da­de e a mudança.

Qu­an­do se di­ri­gi­rem ho­je às ur­nas, os elei­to­res, mais do que vo­tar em Hil­lary Clin­ton ou em Do­nald Trump, vão es­co­lher en­trem man­ter o país nos tri­lhos das po­lí­ti­cas da Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma ou avan­çar pa­ra uma al­te­ra­ção qua­se com­ple­ta do pa­ra­dig­ma do­més­ti­co e da pos­tu­ra dos Es­ta­dos Uni­dos na po­lí­ti­ca ex­ter­na.

Hil­lary e Trump con­se­gui­ram tor­nar a cam­pa­nha mo­ti­va­da, no cam­po da ani­ma­ção, “gaf­fes” e epi­só­di­os cu­ri­o­sos, mas tam­bém con­se­gui­ram tor­ná-la en­vol­ven­te o bas­tan­te não ape­nas pa­ra pôr as pes­so­as pre­sas aos con­teú­dos, mas pa­ra pe­dir das mes­mas re­fle­xão pro­fun­da so­bre os te­mas e su­as ime­di­a­tas abor­da­gens.

A ta­re­fa não é tão fá­cil, co­mo gos­ta­ri­am cer­tos cír­cu­los li­ga­dos ao po­der, prin­ci­pal­men­te den­tro de por­tas. A im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­na, que mar­cou a sua pas­sa­gem por es­sa cam­pa­nha com uma li­nha de com­ba­te con­tra Trump, che­gou a ad­mi­tir uma pos­sí­vel vi­tó­ria do re­pu­bli­ca­no, no der­ra­dei­ro mo­men­to. Do­nald Trump che­ga à vo­ta­ção de ho­je co­mo um ho­mem ba­ta­lha­dor que sou­be apro­vei­tar ca­da mi­nu­to pa­ra me­lho­rar a sua per­for­man­ce.

E is­to é um re­pa­ro ine­gá­vel. O mun­do as­sis­tiu as ga­fes, as con­tra­di­ções, en­fim, o ma­ni­fes­to de­se­jo das po­lí­ti­cas de­ses­tru­tu­ra­das e im­pra­ti­cá­veis de Trump; mas tam­bém apre­ci­ou co­mo o ho­mem nun­ca se dei­xou fi­car no “chão” e de pron­to par­tiu pa­ra a lu­ta, mes­mo em mo­men­tos em que as coi­sas se adi­vi­nha­vam pa­ra si ir­re­me­diá­veis.

A sé­rie de de­ba­tes me­diá­ti­cos, pro­mo­vi­dos pe­la te­le­vi­são, no já tra­di­ci­o­nal “ti­ra-te­mas”, que ba­teu re­dor­des de au­di­ên­cia, o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, de um inex­pe­ri­en­te ca­mi­nhan­te pe­los cor­re­do­res do po­der, pas­sou pa­ra um po­lí­ti­co pon­de­ra­do, com­ba­ti­vo, ape­sar de man­ter as su­as idei­as dis­tan­ci­a­das da prá­ti­ca da go­ver­na­ção e em opo­si­ção à po­lí­ti­ca ex­ter­na dos Es­ta­dos Uni­dos. Do­nald Trump dis­pa­rou pa­ra vá­ri­as di­rec­ções e, co­mo um in­can­sá­vel, ata­cou a es­tra­té­gia de sua opo­si­to­ra, além de ter si­do de­se­le­gan­te com Hil­lary e com as mu­lhe­res. Tam­bém foi cí­ni­co com os me­xi­ca­nos, na pro­mes­sa da cons­tru­ção de um mu­ro na fron­tei­ra en­tre os Es­ta­dos Uni­dos e o Mé­xi­co, com os imi­gran­tes de ori­gem afri­ca­na, la­ti­na e mu­çul­ma­na.

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta che­ga ao dia gran­de, as­si­na­la­do ho­je com a vo­ta­ção, com as coi­sas mais ou me­nos com­pli­ca­das por ter pou­co tem­po pa­ra re­fa­zer-se do úl­ti­mo ata­que en­vol­ven­do a sua con­ta de email pri­va­do, tra­zi­da à to­na pe­lo FBI. É ver­da­de que tu­do, em ter­mos cri­mi­nal e ju­rí­di­co, fi­cou pro­va­do co­mo não ha­ven­do ma­té­ria pa­ra de­du­ções le­gais. Po­rém, a ima­gem que fi­ca, e is­so me­xe com a ca­be­ça do elei­tor, é que hou­ve fa­vo­re­ci­men­to à can­di­da­ta de­mo­cra­ta, a jul­gar pe­la ve­lo­ci­da­de com que fo­ram re­vi­si­ta­dos os emails, con­tam-se às cen­te­nas, da an­ti­ga se­cre­tá­ria de Es­ta­do. Hil­lary Clin­ton é a pes­soa mais bem pre­pa­ra­da pa­ra exer­cer o car­go de Pre­si­den­te, me­lhor do que Clin­ton, o ma­ri­do, e Oba­ma. Ga­bou-se o pró­prio Oba­ma qu­an­do ten­ta­va ar­re­gi­men­tar apoi­os pa­ra a sua pre­fe­ri­da e co­la­bo­ra­do­ra.

Oba­ma jus­ti­fi­cou que Hil­lary já foi can­di­da­ta uma vez à Pre­si­dên­cia, já foi Pri­mei­ra-Da­ma, já foi se­cre­tá­ria de Es­ta­do, “ela tem to­das as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra di­ri­gir os des­ti­nos dos Es­ta­dos Uni­dos”, afir­mou o ain­da ti­tu­lar da Ca­sa Bran­ca, Ba­rack Oba­ma.

Ou­tra no­ta de re­al­ce, é que Hil­lary pri­mei­ra mu­lher a triun­far nos cor­re­do­res es­trei­tos, si­nu­o­sos e pe­ri­go­sos do po­der nos Es­ta­dos Uni­dos, o que lhe ofe­re­ceu des­de o prin­cí­pio van­ta­gem na­tu­ral pa­ra che­gar ao car­go de Pre­si­den­te.

Em mui­tos cír­cu­los es­tes ar­gu­men­tos fo­ram pos­tos em cau­sa, e che­ga­ram mes­mo a pro­vo­car um mal es­tar na cam­pa­nha da can­di­da­ta de­mo­cra­ta. Do­nald Trump tam­bém tro­çou des­ta van­ta­gem e pe­diu mes­mo pa­ra que se agre­gas­se os pro­ble­mas na po­lí­ti­ca do­més­ti­ca e in­ter­na­ci­o­nal de Oba­ma a Hil­lary Clin­ton.

Foi nes­sa al­tu­ra qu­an­do os ner­vos fi­ca­ram a flor da pe­le, e o Pre­si­den­te Oba­ma te­ve de en­du­re­cer a voz e re­co­men­dar ime­di­a­ta­men­te li­ções de si­gi­lo e com­pro­mis­so ul­tra-se­cre­to ao can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, a qu­em acu­sou de in­fan­ti­lis­mo e fal­ta de de­co­ro em ma­té­ria de se­gu­ran­ça de Es­ta­do. Trump acu­sou Hil­lary Clin­ton e Oba­ma de se­rem am­bos res­pon­sá­veis pe­la cri­a­ção do Es­ta­do Is­lâ­mi­co, que con­se­guiu pro­ta­go­ni­zar ce­nas de ter­ror nun­ca an­tes vis­ta no mun­do mo­der­no na Sí­ria e no Ira­que. Trump tam­bém des­fe­riu um du­ro e sig­ni­fi­ca­ti­vo gol­pe a per­so­na­li­da­de dos EUA, ao atri­buir uma pos­sí­vel der­ro­tas nas ur­nas à prá­ti­ca de frau­de.

Ba­ta­lha pe­lo Con­gres­so

En­quan­to Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump mo­no­po­li­za­ram as aten­ções pa­ra a vo­ta­ção de ho­je, ou­tra ba­ta­lha ás­pe­ra foi tra­va­da no Con­gres­so nor­te-ame­ri­ca­no, on­de o Se­na­do pra­ti­ca­men­te vol­tou pa­ra as mãos do Par­ti­do De­mo­cra­ta.

Ac­tu­al­men­te, as du­as câ­ma­ras, o Se­na­do e a Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes, es­tão em po­der do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, e por is­so a dis­pu­ta pe­lo con­tro­lo do Ca­pi­tó­lio é fun­da­men­tal pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de do no­vo Pre­si­den­te, ou pa­ra co­lo­car obs­tá­cu­los a sua ac­ção. Nes­ta elei­ção, a to­ta­li­da­de da Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes vai ser re­no­va­da: os 435 as­sen­tos dos le­gis­la­do­res e tam­bém os seis re­pre­sen­tan­tes ter­ri­to­ri­ais sem di­rei­to a vo­to, in­cluin­do o de Por­to Ri­co.

Os re­pu­bli­ca­nos, que ac­tu­al­men­te pos­su­em 246 as­sen­tos, de­vem man­ter a mai­o­ria, in­di­cam as pes­qui­sas. En­quan­to is­so, no Se­na­do es­tão em jo­go 34 as­sen­tos e nes­ta Câ­ma­ra Al­ta os de­mo­cra­tas têm ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de re­cu­pe­rar a mai­o­ria que per­de­ram em 2014. Ca­so Hil­lary ven­ça a elei­ção, a con­quis­ta do Se­na­do é con­si­de­ra­da fun­da­men­tal, não ape­nas pa­ra res­ta­be­le­cer o equi­lí­brio com o con­tro­lo re­pu­bli­ca­no na Câ­ma­ra Bai­xa, mas tam­bém por­que os em­pa­tes no Se­na­do são que­bra­dos com o vo­to do Vi­ce-Pre­si­den­te dos EUA. A gran­de ques­tão pa­ra os as­pi­ran­tes re­pu­bli­ca­nos a uma va­ga do Se­na­do foi até que pon­to de­vi­am man­ter-se li­ga­dos a Trump, ou até que pon­to po­dem be­ne­fi­ci­ar de uma dis­tân­cia do can­di­da­to mi­li­o­ná­rio.

AFP

Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma pu­xou pe­los ga­lões pa­ra em­pur­rar a co­la­bo­ra­do­ra à vi­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.