Jus­ti­ça in­ter­li­ga sis­te­mas

Jornal de Angola - - MUNDO -

Os sis­te­mas ju­di­ci­ais dos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na so­frem com al­gu­mas di­fi­cul­da­des que pre­ju­di­cam o es­cla­re­ci­men­to dos cri­mes trans­na­ci­o­nais da "Ope­ra­ção Condor", con­for­me um re­la­tó­rio a fa­vor da cri­a­ção de uma ba­se co­mum de da­dos e cir­cui­tos rá­pi­dos pa­ra pas­sar in­for­ma­ção.

Ela­bo­ra­do pe­lo Ob­ser­va­tó­rio Luz Ibar­bu­ru, do Uru­guai, a Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, do Rei­no Uni­do, e o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e Di­rei­tos Hu­ma­nos do Chi­le, o do­cu­men­to apre­sen­ta três áre­as on­de se con­cen­tram os obs­tá­cu­los pa­ra a in­ves­ti­ga­ção: a Jus­ti­ça, as equi­pas e os re­cur­sos, e o aces­so às pro­vas.

“A so­lu­ção se­ria cri­ar equi­pas in­ter­dis­ci­pli­na­res de­di­ca­das a in­ves­ti­gar as cau­sas de di­rei­tos hu­ma­nos”, uma ba­se de da­dos em ní­vel re­gi­o­nal com in­for­ma­ção so­bre a “Ope­ra­ção Condor” e cir­cui­tos mais ágeis de trans­mis­são da in­for­ma­ção.

A in­ten­ção é lan­çar luz so­bre o es­ta­do das cau­sas ju­di­ci­ais da "Ope­ra­ção Condor", que acon­te­ceu du­ran­te as úl­ti­mas di­ta­du­ras de Bra­sil, Ar­gen­ti­na, Bo­lí­via, Chi­le, Pa­ra­guai e Uru­guai pa­ra re­a­li­zar se­ques­tros co­or­de­na­dos nas dé­ca­das de 1970 e 80. “A tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção em ní­vel re­gi­o­nal de­ve ser usa­da co­mo se usou pa­ra co­me­ter cri­mes há 40 anos, mas des­ta vez a fa­vor da de­mo­cra­cia”, dis­se o co­or­de­na­dor ju­rí­di­co do Ob­ser­va­tó­rio Luz Ibar­bu­ru, Pa­blo Char­goñia. Char­goñia afir­mou que es­te es­tu­do pro­cu­ra fa­zer com que os ope­ra­do­res do sis­te­ma ju­di­ciá­rio per­ce­bam a trans­cen­dên­cia que o que eles têm nas mãos é uma das ope­ra­ções mais si­nis­tras da His­tó­ria da Amé­ri­ca La­ti­na, e que as­sim os cri­mes não fi­quem sem pu­ni­ção.

No que diz res­pei­to a uma das áre­as que apre­sen­tam pro­ble­mas pa­ra avan­çar, a Jus­ti­ça, o re­la­tó­rio des­ta­ca que no Chi­le e no Uru­guai os ti­pos cri­mi­nais uti­li­za­dos na in­ves­ti­ga­ção es­tão em có­di­gos des­ti­na­dos a san­ci­o­nar cri­mes co­muns e não cri­mes sis­te­má­ti­cos acar­re­tan­do em pe­nas mui­to pe­que­nas nas sen­ten­ças e que não re­flec­tem a gra­vi­da­de dos cri­mes co­me­ti­dos.

Ou­tro obs­tá­cu­lo que o re­la­tó­rio apre­sen­ta é a di­fi­cul­da­de de iden­ti­fi­car os ca­sos da “Ope­ra­ção Condor”, já que não foi cri­a­do um cri­té­rio úni­co nos paí­ses. Os pes­qui­sa­do­res pro­põem que os cri­mes em que se es­ta­be­le­ça o cru­za­men­to de fron­tei­ras se­jam to­ma­dos co­mo cri­mes da ope­ra­ção.

Quan­to ao te­ma equi­pas e re­cur­sos, se des­ta­ca a fal­ta de con­ti­nui­da­de e co­mu­ni­ca­ção que, se­gun­do o do­cu­men­to, cria atra­sos. So­bre is­to, Char­goñia ci­tou, por exem­plo, que a Jus­ti­ça uru­guaia de­mo­ra me­ses pa­ra ob­ter uma de­cla­ra­ção da­da no Chi­le, qu­an­do com os mei­os tec­no­ló­gi­cos de ho­je não de­ve­ria le­var es­se tem­po.

Tan­to o re­la­tó­rio, quan­to o co­or­de­na­dor do Ob­ser­va­tó­rio Luz Ibar­bu­ru des­ta­ca­ram o aces­so di­fí­cil às pro­vas que se en­con­tram em gran­de vo­lu­me es­pa­lha­dos por to­da a re­gião.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.