Com­pa­ra­do a Ayr­ton Sen­na

Jornal de Angola - - PUBLICIDADE -

Tão ta­len­to­so quan­to po­lé­mi­co, Max Vers­tap­pen tem si­do a gran­de fi­gu­ra na Fór­mu­la 1. Com ape­nas 19 anos, o jo­vem ho­lan­dês não dei­xa nin­guém in­di­fe­ren­te e as com­pa­ra­ções com len­das da Fór­mu­la 1 aca­bam por ser ine­vi­tá­veis.

Em de­cla­ra­ções ao jor­nal es­pa­nhol “Mar­ca”, o pro­pri­e­tá­rio da Red Bull, Di­e­tri­ch Ma­tes­chitz, con­si­de­ra que Max Vers­tap­pen po­de ser “o no­vo Ayr­ton Sen­na, ten­do em con­ta o seu ta­len­to, for­ça men­tal e a co­ra­gem que de­mons­tra nas cor­ri­das”.

Mas o aus­tría­co lem­bra ain­da que “Vers­tap­pen tam­bém tem de ser ca­paz de man­ter o seu ní­vel de ve­lo­ci­da­de e for­ça du­ran­te vá­ri­os anos. Nin­guém sa­be se is­to vai acon­te­cer, mas acre­di­ta­mos que o Max tem po­ten­ci­al”.

Ma­tes­chitz apro­vei­tou ain­da pa­ra elo­gi­ar Car­los Sainz. Pa­ra Ma­tes­chitz, o es­pa­nhol só não es­tá na Red Bull por­que, de mo­men­to, Da­ni­el Ric­ci­ar­do e Vers­tap­pen es­tão num pa­ta­mar aci­ma.

“Se­rá bom pa­ra o Car­los con­ti­nu­ar con­nos­co mais um ano, prin­ci­pal­men­te por­que es­pe­ra­mos ser ca­pa­zes de me­lho­rar o car­ro pa­ra o pró­xi­mo ano”, ex­pli­cou.

Ma­tes­chitz re­ve­la ain­da que acre­di­ta que a Red Bull vol­ta­rá a ser cam­peã na Fór­mu­la 1. “Sim, cla­ro. Acho que den­tro de pou­cos anos is­so vol­ta­rá a acon­te­cer.”

Con­ti­nua a dar que fa­lar o GP do Mé­xi­co. Vers­tap­pen pe­diu à FIA que ana­li­se o que con­si­de­ra ser uma “du­a­li­da­de de cri­té­ri­os” so­bre a sua pe­na­li­za­ção e a ac­ção de Lewis Ha­mil­ton na pri­mei­ra vol­ta, qu­an­do o in­glês cor­tou a chi­ca­ne.

O jo­vem ho­lan­dês não se con­for­ma so­bre a sua pe­na­li­za­ção, que lhe ti­rou um lu­gar no pó­dio, por não ter de­vol­vi­do a po­si­ção a Se­bas­ti­an Vet­tel de­pois de ter fa­lha­do a tra­va­gem e se­gui­do em fren­te na cur­va 1.

“É al­go que foi evi­den­te no GP do Mé­xi­co. Ha­mil­ton cor­tou a pri­mei­ra cur­va e não foi pe­na­li­za­do. Mas de­pois fa­ço o mes­mo na lu­ta com Vet­tel e pe­na­li­zam-me em cin­co se­gun­dos. É uma si­tu­a­ção ri­dí­cu­la”, co­men­tou Vers­tap­pen, em de­cla­ra­ções à “Exact”.

“Lewis e eu per­de­mos o pon­to de tra­va­gem exac­ta­men­te na mes­ma cur­va. Eu não ob­ti­ve van­ta­gem por­que en­trei pri­mei­ro e saí pri­mei­ro co­mo ele, mas fui cas­ti­ga­do. Is­to quer di­zer que há du­a­li­da­de de cri­té­ri­os”, as­se­gu­ra o ho­lan­dês.

Vers­tap­pen fa­lou ain­da so­bre o mo­men­to de ir­ri­ta­ção do ale­mão, que pe­diu in­sis­ten­te­men­te que o ho­lan­dês saís­se da fren­te: “Apa­ren­te­men­te ele es­ta­va à es­pe­ra que eu sim­ples­men­te lhe des­se a po­si­ção. Mas eu não es­ta­va a pla­ne­ar fa­zê­lo. Não dou pre­sen­tes. Na sua frus­tra­ção, o Se­bas­ti­an fe­chou a por­ta ao Da­ni­el Ric­ci­ar­do fa­zen­do exac­ta­men­te o que é ago­ra proi­bi­do sob a de­sig­na­ção da re­gra Vers­tap­pen”.

So­bre a pe­na­li­za­ção a Vet­tel, o ho­lan­dês con­si­de­ra que foi o mais acer­ta­do: “Pa­re­ce-me jus­to que o Se­bas­ti­an te­nha si­do pu­ni­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.