Qua­tro mi­lhões já ac­tu­a­li­za­ram da­dos elei­to­rais

Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio ave­ri­gua su­pos­ta re­co­lha de da­dos de car­tões de elei­to­res

Jornal de Angola - - PARTADA - RO­DRI­GUES CAMBALA |

O Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio anun­ci­ou que até on­tem es­ta­vam re­gis­ta­dos cer­ca de qua­tro mi­lhões de ci­da­dãos. Luanda ul­tra­pas­sou a ci­fra de um mi­lhão de elei­to­res com no­vos re­gis­tos e ac­tu­a­li­za­ções de da­dos elei­to­rais. O mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, ga­ran­tiu que o vo­to é in­di­vi­du­al e uma su­pos­ta re­co­lha de da­dos dos car­tões não faz sen­ti­do.

Os par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção, que par­ti­ci­pa­ram on­tem no en­con­tro de balanço de exe­cu­ção do pro­ces­so elei­to­ral com o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, vol­ta­ram a de­nun­ci­ar uma su­pos­ta re­co­lha de da­dos dos car­tões de elei­to­res por par­te de ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais.

Em res­pos­ta à pre­o­cu­pa­ção, o mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, dis­se que o MAT es­tá a ana­li­sar e quer en­ten­der as mo­ti­va­ções des­tas su­pos­tas re­co­lhas de in­for­ma­ções, por­que “o vo­to é in­di­vi­du­al”.

Até on­tem es­ta­vam re­gis­ta­dos cer­ca de qua­tro mi­lhões de ci­da­dãos. Luanda ul­tra­pas­sou a ci­fra de um mi­lhão de elei­to­res com no­vos re­gis­tos e ac­tu­a­li­za­ções de da­dos elei­to­rais.

Bor­ni­to de Sou­sa cri­ti­cou a UNITA por ter fei­to um balanço de uma pri­mei­ra fa­se que ape­nas ter­mi­na em De­zem­bro. Se­gun­do o mi­nis­tro, qu­em ti­nha de fa­zer o balanço da pri­mei­ra fa­se é o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. “O MAT es­tá aber­to à con­cer­ta­ção com os par­ti­dos, por is­so te­mos uma li­nha te­le­fó­ni­ca pa­ra re­ce­ber ques­tões dos res­pon­sá­veis de par­ti­dos po­lí­ti­cos”, re­fe­riu.

Bor­ni­to de Sou­sa dis­se ha­ver um mal-en­ten­di­do a res­pei­to das fa­ses, es­cla­re­cen­do que o pro­ces­so ain­da não es­tá na se­gun­da fa­se co­mo a im­pren­sa e os par­ti­dos po­lí­ti­cos es­tão a fa­zer re­fe­rên­cia.

A pri­mei­ra fa­se, que ar­ran­cou a 25 de Agos­to, ter­mi­na ape­nas a 20 de De­zem­bro, en­quan­to a se­gun­da vai de 5 de Ja­nei­ro a 31 de Mar­ço do pró­xi­mo ano. Pa­ra o mi­nis­tro, se em qua­se qua­tro mi­lhões de pes­so­as re­gis­ta­das fo­rem de­tec­ta­dos 12 er­ros, não se po­de con­cluir que o pro­ces­so es­tá mal.

Mi­nis­tro pe­de se­re­ni­da­de

O mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio pe­diu aos par­ti­dos po­lí­ti­cos se­re­ni­da­de e se­ri­e­da­de no tra­ta­men­to des­te pro­ces­so que exi­ge res­pon­sa­bi­li­da­de de to­dos.

Em re­la­ção a pro­ble­mas de co­mu­ni­ca­ção, Bor­ni­to de Sou­sa dis­se, mais uma vez, que as bri­ga­das de registo elei­to­ral de­vem co­mu­ni­car aos par­ti­dos po­lí­ti­cos an­tes de se des­lo­ca­rem pa­ra ou­tras lo­ca­li­da­des.

Du­ran­te o en­con­tro, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os As­sun­tos Ins­ti­tu­ci­o­nais e Elei­to­rais, Adão de Al­mei­da, fez a apre­sen­ta­ção do re­la­tó­rio men­sal so­bre o grau de evo­lu­ção do pro­ces­so em to­do o país.

O cres­ci­men­to dos pos­tos de emis­são de no­vos car­tões de elei­tor vai ser de for­ma gra­du­al. Ac­tu­al­men­te es­tão a fun­ci­o­nar, a ní­vel na­ci­o­nal, 60 pos­tos, mas a pre­vi­são é atin­gir 320 até ao fi­nal des­ta se­ma­na. An­tes do mês de No­vem­bro ter­mi­nar, a me­ta é atin­gir 596 pos­tos. Os pos­tos de emis­são de car­tões es­tão a fun­ci­o­nar nas Ad­mi­nis­tra­ções Mu­ni­ci­pais. Pa­ra man­ter a ca­pa­ci­da­de des­tes pos­tos, os che­fes das bri­ga­das re­ce­be­ram for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca, que de­cor­reu no mês de Ou­tu­bro. Em to­do o país es­tão em cur­so for­ma­ções pa­ra os no­vos pos­tos que vão en­trar em fun­ci­o­na­men­to.

O pro­ces­so de registo elei­to­ral con­ta com 4.476 bri­ga­dis­tas. Ca­da mu­ni­cí­pio pre­meia o bri­ga­dis­ta do mês. Se­gun­do o MAT, os agen­tes de edu­ca­ção cí­vi­ca já te­rão fei­to con­tac­to in­ter­pes­so­al com mais de três mi­lhões e meio de ci­da­dãos pa­ra fa­ze­rem o seu registo. Fo­ram cre­den­ci­a­dos 6.163 fis­cais de di­fe­ren­tes par­ti­dos po­lí­ti­cos.

Adão de Al­mei­da re­ve­lou que a lin­gua­gem ges­tu­al es­tá in­se­ri­da nas cam­pa­nhas de mo­bi­li­za­ção pa­ra as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia au­di­ti­va.

Des­lo­ca­ção das bri­ga­das

Ma­nu­el Fer­nan­des, re­pre­sen­tan­te da CA­SA–CE, pe­diu apoio ao MAT pa­ra a in­ser­ção dos fis­cais de par­ti­dos po­lí­ti­cos nas bri­ga­das que fo­rem re­gis­tar po­pu­la­ções nas zo­nas de di­fí­cil aces­so.

Ao to­mar boa no­ta des­ta so­li­ci­ta­ção, que foi apre­sen­ta­da por to­dos os par­ti­dos da opo­si­ção, Bor­ni­to de Sou­sa ano­tou tam­bém a pre­o­cu­pa­ção dos par­ti­dos po­lí­ti­cos que pre­ten­dem que a in­for­ma­ção das bri­ga­das de registo se­ja par­ti­lha­da com os fis­cais.

Es­te­vão Kat­chiun­go, re­pre­sen­tan­te da UNITA, re­fe­riu que o seu par­ti­do não se vai can­sar de di­zer que o pro­ces­so par­tiu de um pres­su­pos­to le­gal en­vi­e­sa­do. “Ain­da não nos con­ven­ce­ram que, de acor­do com a nos­sa lei, se­ja o MAT, en­quan­to ór­gão do Exe­cu­ti­vo de um Es­ta­do ex­tre­ma­men­te par­ti­da­ri­za­do, a pi­lo­tar o pro­ces­so de registo elei­to­ral”.

Pa­ra Kat­chiun­go, a UNITA é par­cei­ra do go­ver­no de acor­do com os in­te­res­ses dos an­go­la­nos e de An­go­la, tem com­pro­mis­so com a paz e com a es­ta­bi­li­da­de do país. O seu par­ti­do re­vê-se nas pa­la­vras do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, se­gun­do as quais quer ver em 2017 um pro­ces­so elei­to­ral trans­pa­ren­te e com li­su­ra, dis­se.

EDU­AR­DO PE­DRO

Re­pre­sen­tan­tes das for­ma­ções po­lí­ti­cas apre­sen­ta­ram dú­vi­das e re­ce­be­ram ex­pli­ca­ções de­ta­lha­das so­bre o registo elei­to­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.