Pro­du­ção de açú­car re­duz a im­por­ta­ção

Ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ção de açú­car atin­ge va­lo­res qua­se re­si­du­ais em 2020

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRISTÓVÃO |

À me­di­da que cres­ce o vo­lú­me de pro­du­ção de açú­car no pro­jec­to agro-in­dus­tri­al Bi­o­com, em Ca­cu­so, pro­vín­cia de Ma­lan­je, di­mi­niu a ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ção des­se pro­du­to. As pro­jec­ções apon­tam a ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ção de açú­car em An­go­la atin­ja os cer­ca de15 por cen­to em 2020, com a Bi­o­com nes­ta al­tu­ra a atin­gir as 256 mil to­ne­la­das por ano e a co­brir pou­co mais de 85 por cen­to do abas­te­ci­men­to ao mer­ca­do in­ter­no.

Um dos prin­ci­pais fo­cos do Pro­jec­to Bi­o­com pa­ra a pri­mei­ra fa­se é co­brir a pro­cu­ra no mer­ca­do in­ter­no. Ac­tu­al­men­te o mer­ca­do con­so­me cer­ca de 300 mil to­ne­la­das por ano. A Bi­o­com, que é o úni­co pro­du­tor no país, pre­vê atin­gir es­te ano as 47 mil to­ne­la­das e au­men­tar pro­gres­si­va­men­te a ofer­ta até às 256 mil to­ne­la­das anuais em 2020. Os da­dos cor­res­pon­dem a pro­jec­ções pa­ra a pri­mei­ra fa­se do pro­jec­to que se pro­põe re­du­zir pa­ra ape­nas 15 por cen­to a ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ção des­se pro­du­to.

Pa­ra a se­gun­da fa­se, já com me­ca­do in­ter­no con­so­li­da­do em ter­mos de co­ber­tu­ra, es­tá re­ser­va­da pa­ra a ex­por­ta­ção do açú­car “Ka­pan­da”. Por es­sa al­tu­ra a pro­du­ção anu­al da Bi­o­com an­da­rá a vol­ta das 500 mil to­ne­la­das.

De­pois da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal é a pri­mei­ra vez que o país pro­duz açú­car cris­tal bran­co, eta­nol e ener­gia atra­vés do ba­ga­ço da ca­na­de-açú­car. O Pro­jec­to Bi­o­com tem­se des­ta­ca­do co­mo um dos “gran­des exem­plos da vi­a­bi­li­da­de do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na".

Des­de que co­me­çou a fa­se de pro­du­ção, a Bi­o­com tem so­ma­do re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. Na co­lhei­ta de 2015-2016 pro­du­ziu 24.770 to­ne­la­das de açú­car, 10.243 me­tros cú­bi­cos de eta­nol e ge­rou 42 me­gawatts de ener­gia eléc­tri­ca.

Na cam­pa­nha de 2016-2017, que co­me­çou em Ju­nho des­te ano, foi de­fi­ni­da a me­ta de 47 mil to­ne­la­das de açú­car, ten­do si­do su­pe­ra­da pa­ra 51.514 to­ne­la­das, a pro­du­ção do eta­nol che­gou a 16 mil me­tros cú­bi­cos pa­ra ga­ran­tir a co-ge­ra­ção de 155 mil me­gawatts de ener­gia. Em 2020-2021, al­tu­ra em que se pre­vê atin­gir a ca­pa­ci­da­de má­xi­ma de pro­du­ção da pri­mei­ra fa­se, vão ser pro­du­zi­das 256 mil to­ne­la­das de açú­car, 235 mil me­gawatts de ener­gia eléc­tri­ca e 33 mil de me­tros cú­bi­cos de eta­nol.

A pro­du­ção do açú­car da Bi­o­com nes­ta pri­mei­ra fa­se é des­ti­na ao mer­ca­do na­ci­o­nal, já a ener­gia eléc­tri­ca é co­mer­ci­a­li­za­da pe­la Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Ener­gia de An­go­la (RNT). O eta­nol hi­dra­ta­do vai aten­der a indústria na­ci­o­nal de pro­du­tos de lim­pe­za e de be­bi­das al­coó­li­cas es­pi­ri­tu­o­sas.

A Bi­o­com re­pre­sen­ta o mai­or in­ves­ti­men­to pri­va­do de An­go­la fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, pa­ra o iní­cio da pro­du­ção fo­ram in­ves­ti­dos 750 mi­lhões de dó­la­res. Ao lon­go da im­ple­men­ta­ção do pro­jec­to fo­ram alo­ca­dos ou­tros re­cur­sos da­da a di­nâ­mi­ca da pro­du­ção, com aqui­si­ção de mais mei­os téc­ni­cos e ou­tros re­cur­sos, já fo­ram in­ves­ti­dos cer­ca de mil mi­lhões de dó­la­res.

A Bi­o­com é uma em­pre­sa pri­va­da que tem co­mo só­ci­os a Co­chan, com 40 por cen­to do ca­pi­tal, a Ode­bre­cht de­tém tam­bém a mes­ma per­cen­ta­gem, e a So­nan­gol Hol­dings tem 20 por cen­to.

O pro­jec­to em­pre­ga 2.047 tra­ba­lha­do­res na­ci­o­nais, em ca­da em­pre­go di­rec­to são cri­a­dos dez in­di­rec­tos, a mão-de-obra é 91 por cen­to na­ci­o­nal. No pro­ces­so agrí­co­la e in­dus­tri­al a em­pre­sa uti­li­za tec­no­lo­gia mo­der­na e de pon­ta, que per­mi­te pro­du­zir açú­car, eta­nol e ener­gia ten­do co­mo ma­té­ria-pri­ma a ca­na­de-açú­car.

Me­lhor tec­no­lo­gia

A Bi­o­com conta com o mais mo­der­no la­bo­ra­tó­rio agrí­co­la do país, que faz 320 aná­li­ses por dia. Com ca­pa­ci­da­de pa­ra ana­li­sar o so­lo, fo­lhas, cor­rec­ti­vos e adu­bos, que for­ne­ce in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra to­ma­da de de­ci­sões téc­ni­cas que re­sul­tam nu­ma me­lhor pro­du­ti­vi­da­de da cul­tu­ra de ca­na.

É atra­vés da aná­li­se do so­lo que se ava­lia a sua fer­ti­li­da­de quí­mi­ca. Com os re­sul­ta­dos ob­ti­dos é pos­sí­vel de­ter­mi­nar as quan­ti­da­des ade­qua­das de cal­cá­rio e adu­bo ne­ces­sá­ri­os pa­ra me­lho­rar a pro­du­ti­vi­da­de de for­ma tec­ni­ca­men­te cor­rec­ta e eco­no­mi­ca­men­te ade­qua­da, pa­ra evi­tar gas­tos des­ne­ces­sá­ri­os.

Pe­rei­ra Pan­zo, na­tu­ral de Lu­an­da, téc­ni­co de la­bo­ra­tó­rio há sete me­ses na Bi­o­com, ex­pli­cou que pa­ra a re­a­li­za­ção de qual­quer aná­li­se é ne­ces­sá­ria uma amos­tra de 300 gra­mas de so­lo. Pa­ra a co­lec­ta ide­al é ne­ces­sá­rio se­guir al­gu­mas ori­en­ta­ções, co­mo a es­co­lha dos ta­lhões ho­mo­gé­ne­os, que iden­ti­fi­cam a pro­por­ção de ar­gi­la, areia, pe­dras, de­cli­vi­da­de, a cor e a pro­fun­di­da­de do so­lo, po­si­ção no re­le­vo, ca­rac­te­rís­ti­cas de ve­ge­ta­ção e o his­tó­ri­co de uso e adu­ba­ção.

A co­lec­ta de­ve ser re­a­li­za­da após o tér­mi­no da co­lhei­ta ou em áre­as que se­rão plan­ta­das pe­la pri­mei­ra vez. O re­sul­ta­do da aná­li­se e a re­co­men­da­ção da adu­ba­ção e ca­la­gem de­vem es­tar em mãos an­tes da pri­mei­ra eta­pa de pre­pa­ro do so­lo.

Pa­ra plan­ti­os con­ven­ci­o­nais que pos­sam re­que­rer ca­la­gem, re­co­men­da-se co­lec­tar 120 di­as an­tes do plan­tio.

Os pon­tos on­de não po­dem ser re­a­li­za­das co­lec­tas são aque­les que exis­tem a pre­sen­ça de sa­la­lé, for­mi­gas ou que te­nham si­nais cla­ros de ac­ti­vi­da­de ani­mal, áre­as de de­pó­si­to de adu­bos e cal­cá­rio, pró­xi­mo de ins­ta­la­ções, es­tra­das e tri­lhas.

A em­pre­sa man­tém o seu pró­prio vi­vei­ro, on­de são ava­li­a­das as es­pé­ci­es de ca­na-de-açú­car mais ade­qua­das às con­di­ções cli­má­ti­cas e de so­lo da re­gião. O vi­vei­ro de mu­das pré­bro­ta­das da Bi­o­com tem por ob­jec­ti­vo ace­le­rar, atra­vés de mul­ti­pli­ca­ção rá­pi­da, as va­ri­e­da­des com al­to po­ten­ci­al de pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la e al­ta qua­li­da­de da ma­té­ria-pri­ma.

Pi­o­nei­ra no uso de téc­ni­cas avan­ça­das de ma­ne­jo, a em­pre­sa co­me­çou es­te ano a pul­ve­ri­za­ção agrí­co­la, pa­ra con­tro­lo de pra­ga e adu­ba­ção, com o uso de ae­ro­na­ve.

Tér­cia Ben­to, 37 anos, tra­ba­lha há oi­to anos na Bi­o­com na área do la­bo­ra­tó­rio de pro­du­ção in­dus­tri­al. Na­tu­ral de Ma­lan­je, dis­se que es­tá sa­tis­fei­ta com o tra­ba­lho que faz. A téc­ni­ca vi­ve com um fi­lho de dois anos, con­tou que o seu so­nho sem­pre foi tra­ba­lhar em la­bo­ra­tó­ri­os. “Fiz um cur­so no Bra­sil de seis me­ses, on­de apren­di qua­se tu­do que sei hoje. Sin­to-me sa­tis­fei­ta pe­lo que ga­nho aqui, dá pa­ra sus­ten­tar a mim e o meu fi­lho”.

Pro­gra­ma de pro­du­ti­vi­da­de

A Bi­o­com es­tá em­pe­nha­da na apli­ca­ção de um pro­gra­ma de pro­du­ti­vi­da­de que tem co­mo me­ta con­quis­tar a efi­ci­ên­cia a par­tir da cons­ci­en­ci­a­li­za­ção dos seus qua­dros, ges­tos sim­ples co­mo a ma­nu­ten­ção da lim­pe­za e or­ga­ni­za­ção no lo­cal de tra­ba­lho, são exem­plos de ati­tu­des que con­tri­bu­em pa­ra ge­rar a efi­ci­ên­cia, que é si­no­ni­mo de pro­du­ti­vi­da­de.

Na área agrí­co­la, quan­do um in­te­gran­te se man­tém aten­to às ocor­rên­ci­as que ge­ram per­das e co­mu­ni­ca es­se fac­to ao seu lí­der, ele es­tá a ser pro­du­ti­vo. Na indústria é fun­da­men­tal ob­ser­var o fun­ci­o­na­men­to das má­qui­nas. Os in­te­gran­tes da área ad­mi­nis­tra­ti­va de­vem pri­mar pe­la pon­tua-

li­da­de, as­si­dui­da­de e agi­li­da­de. A em­pre­sa cum­pre to­dos re­qui­si­tos im­pos­tos pe­la Lei Ge­ral do Tra­ba­lho, no­me­a­da­men­te o abo­no de fa­mí­lia.

Re­ce­bem ho­ras ex­tra­or­di­ná­ri­as to­dos aque­les que não es­tão no tur­no ro­ta­ti­vo e tra­ba­lham en­tre as 20h00 e as 6h00, o va­lor adi­ci­o­nal é de 20 por cen­to por ca­da ho­ra de tra­ba­lho.

Pa­ra ga­ran­tir os di­rei­tos so­ci­ais e a Se­gu­ran­ça So­ci­al de ca­da tra­ba­lha­dor, a Bi­o­com pa­ga uma ta­xa de 11 por cen­to ao INSS e é des­con­ta­do ao in­te­gran­te três por cen­to to­dos os me­ses. O im­pos­to So­bre o Ren­di­men­to de Tra­ba­lho é des­con­ta­do nu­ma per­cen­ta­gem que va­ria de acor­do com o sa­lá­rio. É tam­bém pa­go o sub­sí­dio de alei­ta­men­to pa­ra os fi­lhos en­tre os ze­ro e os três anos.

Pro­ces­so de trans­for­ma­ção

A co­lhei­ta da ca­na é 100 por cen­to me­ca­ni­za­da. De­pois de co­lhi­da na la­vou­ra, ela pas­sa por vá­ri­as eta­pas, até ser trans­for­ma­da em açú­car e eta­nol, que da quei­ma do ba­ga­ço ain­da é ge­ra­da a ener­gia eléc­tri­ca. Bar­to­lo­meu Zum­ba, lí­der de pro­du­ção do açú­car, ex­pli­cou à re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la que o trans­por­te até à indústria é fei­to por 20 ca­miões, de­pois a ca­na é pi­ca­da e des­fi­bra­da até chegar à mo­a­gem. A ca­na pas­sa pe­lo di­fu­sor on­de é ex­traí­do o cal­do pa­ra a fa­bri­ca­ção de açú­car e eta­nol e nes­ta eta­pa o ba­ga­ço é se­pa­ra­do.

Na­tu­ral do Cu­an­za Nor­te, Bar­to­lo­meu Zum­ba dis­se que na fa­se se­guin­te o ba­ga­ço é pro­ces­sa­do nas cal­dei­ras pa­ra ge­rar va­por, en­vi­a­do pa­ra as tur­bi­nas de ge­ra­do­res de elec­tri­ci­da­de. De­pois do cal­do ser cla­ri­fi­ca­do pas­sa por eva­po­ra­do­res que re­mo­vem gran­de par­te da água e o trans­for­mam em um “xa­ro­pe”. Es­se lí­qui­do é bom­be­a­do pa­ra os ta­chos de co­zi­men­to pa­ra a cris­ta­li­za­ção do açú­car (sa­ca­ro­se).

As cen­tri­fu­ga­do­ras se­pa­ram os cris­tais de açú­car do lí­qui­do açu­ca­ra­do, de­no­mi­na­do me­la­do, con­tou. Em se­gui­da, o açú­car pas­sa no se­ca­dor pa­ra re­ti­rar a hu­mi­da­de con­ti­da nos cris­tais. Na saí­da do se­ca­dor o pro­du­to é en­vi­a­do até ao si­lo ou ar­ma­zém de on­de é fei­to o en­sa­ca­men­to ou ex­pe­di­ção a gra­nel. “Di­a­ri­a­men­te pro­du­zi­mos en­tre oi­to a dez mil sa­cos de 50 qui­los”, dis­se.

Após a fer­men­ta­ção a le­ve­du­ra é se­pa­ra­da do vi­nho e re­cu­pe­ra­da por meio da cen­tri­fu­ga­ção, de­pois se­gue pa­ra o apa­re­lho de des­ti­la­ção on­de o ál­co­ol é se­pa­ra­do, con­cen­tra­do e pu­ri­fi­ca­do até 99,6 por cen­to pa­ra a pro­du­ção do eta­nol ani­dro (isen­to de água), por úl­ti­mo o bi­o­com­bus­tí­vel é ar­ma­ze­na­do em gran­des tan­ques ou re­ser­va­tó­ri­os, on­de di­a­ri­a­men­te po­dem pro­du­zir até 20 mil li­tros.

A área de pro­du­ção conta com 25 má­qui­nas co­lhe­do­ras, dez plan­ta­do­ras, com qua­tro dis­tri­bui­do­ra de ca­na. Só no mês de Ou­tu­bro, no sec­tor pro­du­ti­vo fo­ram con­su­mi­dos um mi­lhão e 400 li­tros de com­bus­tí­vel, com uma mé­dia diá­ria de 46 mil li­tros.

Sam­ba Do­min­gos, ope­ra­do­ra de má­qui­na co­lhe­do­ra, re­cor­da co­mo foi di­fí­cil e ao mes­mo tempo en­ri­que­ce­dor o iní­cio da sua car­rei­ra no cam­po, prin­ci­pal­men­te pe­lo fac­to de ser mu­lher. Vi­ve em Ma­lan­je e pa­ra chegar a ho­ras ao tra­ba­lho tem de acor­dar às 5h00, e lar­ga às 15h20.

“Sin­to or­gu­lho por fa­zer par­te des­te pro­jec­to, an­tes so­fria dis­cri­mi­na­ção, os co­le­gas de­sin­cen­ti­va­vam a di­zer que es­te não era tra­ba­lho pa­ra mim, mas es­ta con­tra­ri­e­da­de deu-me mais for­ça pa­ra apren­der e su­pe­rar as ex­pec­ta­ti­vas e hoje fa­ço o tra­ba­lho nor­mal­men­te sem so­bres­sal­tos”, re­ve­lou.

Mai­or in­ves­ti­men­to

A Bi­o­com re­pre­sen­ta ac­tu­al­men­te o mai­or in­ves­ti­men­to pri­va­do em An­go­la, fo­ra do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, e é um im­por­tan­te ac­ti­vo de de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal.

Lo­ca­li­za­da no Pó­lo Agro-In­dus­tri­al de Ka­pan­da, ocu­pa uma área to­tal de 81.201 hec­ta­res, dos qu­ais 70.106 são cul­ti­vá­veis e 11.095 re­ser­va­dos à pre­ser­va­ção da fau­na e flo­ra lo­cal. As ac­ti­vi­da­des da em­pre­sa en­glo­bam du­as áre­as de pro­du­ção agrí­co­la e in­dus­tri­al.

Os tra­ba­lhos na área agrí­co­la fun­ci­o­nam durante todo o ano e in­clu­em a pre­pa­ra­ção do so­lo, plan­tio e re­plan­tio e co­lhei­ta da ca­na­de-açú­car, que es­te ano te­ve iní­cio em Ju­nho e ter­mi­nou em Ou­tu­bro.

O ter­re­no uti­li­za­do pa­ra o plan­tio e re­plan­tio pre­ci­sa de cor­rec­ções e nu­tri­en­tes que per­mi­tem mai­or pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la. Nes­ta pri­mei­ra fa­se, a plan­ta­ção de ca­na-de-açú­car es­tá a ser fei­ta nu­ma área de 42.500 hec­ta­res, dos qu­ais 15 mil já plan­ta­dos.

A ac­ti­vi­da­de in­dus­tri­al fun­ci­o­na em tempo in­te­gral durante todo o pe­río­do de co­lhei­ta, pro­du­zin­do açú­car, eta­nol e ener­gia.

Nos de­mais me­ses do ano, a indústria ope­ra com a pro­du­ção de ener­gia atra­vés da quei­ma de ca­va­co de ma­dei­ra oriun­da do pro­ces­so de su­pres­são ve­ge­tal das áre­as da fa­zen­da. Es­te pe­río­do tam­bém é apro­vei­ta­do pa­ra pro­ce­der à ma­nu­ten­ção de to­dos os equi­pa­men­tos da indústria.

Es­te re­gi­me de ope­ra­ção é tí­pi­co da indústria de ál­co­ol pro­ve­ni­en­te da ca­na-de-açú­car em qual­quer par­te do Mun­do e de­cor­re da im­pos­si­bi­li­da­de de co­lhei­ta no pe­río­do de chu­va.

Con­su­mo de açú­car

O açú­car pro­du­zi­do pe­la Bi­o­com é des­ti­na­do ao mer­ca­do in­ter­no. Já o eta­nol hi­dra­ta­do tem ser­vi­do a indústria na­ci­o­nal de pro­du­tos de lim­pe­za e de be­bi­das es­pi­ri­tu­o­sas, ten­do re­du­zi­do em mais de 60 por cen­to as im­por­ta­ções. A ener­gia eléc­tri­ca é ne­go­ci­a­da com a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Ener­gia de An­go­la (RNT), es­tan­do ac­tu­al­men­te a for­ne­cer ao mu­ni­cí­pio de Ca­cu­so e par­te de Lu­an­da.

A apos­ta for­te em re­cur­sos hu­ma­nos e es­tru­tu­ras fí­si­cas tem con­tri­buí­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te pa­ra a con­ti­nu­a­ção da pro­du­ção agrí­co­la, es­tu­dos, pes­qui­sas de la­bo­ra­tó­rio, equi­pa­men­tos de pon­ta e mão-de-obra qua­li­fi­ca­da.

A em­pre­sa man­tém o seu pró­prio vi­vei­ro, on­de são ava­li­a­das as es­pé­ci­es de ca­na-de-açú­car mais ade­qua­das às con­di­ções cli­má­ti­cas e de so­lo da re­gião. O vi­vei­ro de mu­das pré-bro­ta­das da Bi­o­com tem por ob­jec­ti­vo ace­le­rar, atra­vés da mul­ti­pli­ca­ção rá­pi­da, as va­ri­e­da­des com al­to po­ten­ci­al de pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la e al­ta qua­li­da­de da ma­té­ria-pri­ma. São 36 as va­ri­e­da­des de ca­na-de­a­çú­car im­por­ta­das da Áfri­ca do Sul, Bra­sil e Ín­dia, das qu­ais dez já se en­con­tram plan­ta­das.

A pro­du­ção em Ma­lan­je é mul­ti­fa­ce­ta­da. Homens e má­qui­nas ti­ram par­ti­do do po­ten­ci­al de de­sen­vol­vi­men­to. No to­tal, 2.047 tra­ba­lha­do­res dão su­por­te ao pro­jec­to.

O es­pa­ço on­de exer­cem a ac­ti­vi­da­de cor­ren­te cor­res­pon­den­te a 50 cam­pos de fu­te­bol.

To­da a pro­du­ção agrí­co­la tem co­mo ob­jec­ti­vo ali­men­tar a indústria ins­ta­la­da nu­ma área de 17 mil hec­ta­res pa­ra a pro­du­ção de açú­car, eta­nol e ener­gia eléc­tri­ca.

Pro­jec­to so­ci­al

O in­cen­ti­vo ao de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e sus­ten­tá­vel pa­ra a pro­mo­ção de ren­da faz par­te da po­lí­ti­ca so­ci­al da em­pre­sa. Mais de 300 fa­mí­li­as be­ne­fi­ci­am de um pro­gra­ma de agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, on­de to­dos os pro­du­tos são ven­di­dos di­rec­ta­men­te à Bi­o­com. Exis­te tam­bém a fa­bri­ca­ção de sa­bão neu­tro a par­tir do óleo de co­zi­nha usa­do. Mais de 20 mu­lhe­res da co­mu­ni­da­de de Ca­cu­so be­ne­fi­ci­am do pro­gra­ma e têm a opor­tu­ni­da­de de se de­sen­vol­ve­rem pro­fis­si­o­nal­men­te e con­tri­buir pa­ra o sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as.

Exis­te tam­bém um pro­gra­ma de des­por­to, edu­ca­ção, cul­tu­ra e la­zer que be­ne­fi­cia cen­te­nas de pes­so­as. A es­co­la Pa­lan­cas Ne­gras, agre­ga­da ao pro­jec­to, ofe­re­ce au­las de ju­do, jiu-jit­su e ac­ti­vi­da­des cul­tu­rais pa­ra de­ze­nas de cri­an­ças e jo­vens da re­gião de Ca­cu­so.

JO­SÉ SO­A­RES

Com o au­men­to dos ní­veis de pro­du­ção no pro­jec­to agro-in­dus­tri­al Bi­o­com em Ma­lan­je a ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ção de açú­car vai so­frer em bre­ve for­te re­du­ção

JO­SÉ SO­A­RES

A pro­du­ção do açú­car da Bi­o­com nes­ta pri­mei­ra fa­se é des­ti­na­da ao mer­ca­do na­ci­o­nal e o eta­nol hi­dra­ta­do vai aten­der a indústria de be­bi­das

JO­SÉ SO­A­RES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.