De­pó­si­tos ban­cá­ri­os man­têm cres­ci­men­to

Ban­ca an­go­la­na re­si­li­en­te e em pro­ces­so de adap­ta­ção às exi­gên­ci­as do sec­tor

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

O peso dos de­pó­si­tos em mo­e­da na­ci­o­nal man­tém a ten­dên­cia de cres­ci­men­to, em de­tri­men­to da mo­e­da es­tran­gei­ra, pas­san­do a re­pre­sen­tar 69 por cen­to dos de­pó­si­tos to­tais, mais qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, nu­ma al­tu­ra em que a ban­ca so­ma per­das ava­li­a­das em 355,6 mil mi­lhões de kwan­zas (2,133 mil mi­lhões de dó­la­res) de cré­di­tos mal­pa­ra­dos. Os da­dos são da De­loit­te An­go­la.

O peso dos de­pó­si­tos em mo­e­da na­ci­o­nal man­tém a ten­dên­cia de cres­ci­men­to, em de­tri­men­to da mo­e­da es­tran­gei­ra, pas­san­do a re­pre­sen­tar 69 por cen­to dos de­pó­si­tos to­tais, mais qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, nu­ma al­tu­ra em que a ban­ca so­ma per­das ava­li­a­das em 355,6 mil mi­lhões de kwan­zas (2.133 mi­lhões de dó­la­res) de cré­di­tos mal­pa­ra­dos.

Os da­dos fo­ram re­ve­la­dos, se­gun­da-fei­ra, em Lu­an­da, pe­la con­sul­to­ra De­loit­te An­go­la, no es­tu­do “Ban­ca em aná­li­se 2016”, que ana­li­sa os re­sul­ta­dos dos re­la­tó­ri­os e con­tas apre­sen­ta­dos pu­bli­ca­men­te pe­los ban­cos que ope­ram em An­go­la.

O re­la­tó­rio re­ve­la que a cons­ti­tui­ção de pro­vi­sões pa­ra o cré­di­to dos ban­cos au­men­tou 107 por cen­to em 2015, ano em que, por sua vez, o va­lor dos ac­ti­vos agre­ga­dos das ins­ti­tui­ções atin­giu 7,512 mil mi­lhões de kwan­zas (45 mil mi­lhões de dó­la­res).

O va­lor to­tal dos de­pó­si­tos de cli­en­tes na ban­ca na­ci­o­nal foi de 6.094 mil mi­lhões de kwan­zas em 2015, re­pre­sen­tan­do um cres­ci­men­to de 12 por cen­to, fa­ce a 2014.

O cré­di­to lí­qui­do a cli­en­tes re­gis­tou tam­bém um au­men­to, em com­pa­ra­ção com o ano de 2014. Con­si­de­ran­do os ban­cos ana­li­sa­dos, o to­tal de cré­di­to lí­qui­do as­cen­deu a 2.736 mil mi­lhões de kwan­zas, o que re­pre­sen­ta um cres­ci­men­to de seis por cen­to, fa­ce a 2014, com o BPC (Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to), BAI (Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­tos) e o BIC (Ban­co In­ter­na­ci­o­nal de Cré­di­to) a li­de­ra­rem a lis­ta dos que mais cré­di­tos con­ce­dem.

Es­sa va­ri­a­ção in­cor­po­ra o efei­to da va­lo­ri­za­ção dos cré­di­tos con­ce­di­dos em mo­e­da es­tran­gei­ra ao câm­bio ofi­ci­al. O es­tu­do de­mons­tra ain­da que a cons­ti­tui­ção anu­al de pro­vi­sões pa­ra o cré­di­to dos ban­cos au­men­tou 107 por cen­to e, no que se re­fe­re ao rá­cio de cré­di­to ven­ci­do, es­te man­te­ve-se nos tre­ze.

Pa­ra a con­sul­to­ra, os ban­cos an­go­la­nos de­vem de­sen­vol­ver es­for­ços pa­ra adap­tar a ofer­ta de pro­du­tos e ser­vi­ços aos di­ver­sos seg­men­tos, com pro­pos­tas de va­lor dis­tin­tas e com fo­co na inovação.

Pa­ra o efei­to, a ban­ca an­go­la­na de­ve apos­tar na me­lho­ria dos pro­ces­sos de ne­gó­cio e na per­ma­nen­te ac­tu­a­li­za­ção tec­no­ló­gi­ca, em li­nha com as ten­dên­ci­as glo­bais. Nu­no Al­pen­dre, res­pon­sá­vel de con­sul­to­ria em ser­vi­ços fi­nan­cei­ros da De­loit­te em An­go­la, diz que “o cres­ci­men­to con­ti­nu­a­do da uti­li­za­ção dos mei­os elec­tró­ni­cos de pa­ga­men­to tem cri­a­do no­vas opor­tu­ni­da­des e de­sa­fi­os no sec­tor.”

O vo­lu­me de ac­ti­vos agre­ga­dos das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras an­go­la­nas in­cluí­das na 11ª edi­ção do es­tu­do “Ban­ca em aná­li­se”, da De­loit­te, fi­xou-se nos 7.512 mil mi­lhões de kwan­zas, em 2015. O re­sul­ta­do lí­qui­do to­tal dos ban­cos em aná­li­se re­gis­tou um cres­ci­men­to de cer­ca de 19 por cen­to, no mes­mo pe­río­do, pa­ra os 116.512 mi­lhões de kwan­zas, va­lor que não con­si­de­ra as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras com iní­cio de ac­ti­vi­da­de em 2015, mas que in­cor­po­ra a va­lo­ri­za­ção dos ac­ti­vos e passivos em mo­e­da es­tran­gei­ra ao câm­bio ofi­ci­al.

Na po­si­ção re­la­ti­va en­tre os cin­co mai­o­res ban­cos do mer­ca­do an­go­la­no, que não tem em conta as de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras re­la­ti­vas ao exer­cí­cio de 2015 do Ban­co Eco­nó­mi­co, BAI Mi­cro Fi­nan­ças e Kwan­za In­vest, o BPC con­ti­nua a li­de­rar a lis­ta com um ac­ti­vo to­tal de 1.339 mil mi­lhões de kwan­zas, se­gui­do pe­lo BFA, BAI, BIC e BPA.

Os cin­co mai­o­res ban­cos (BFA Ban­co de Fo­men­to An­go­la, BAI, BIC e BPA - Ban­co Por­tu­guês do Atlân­ti­co) re­pre­sen­tam 69 por cen­to do to­tal do ac­ti­vo dos ban­cos em es­tu­do que, no pre­sen­te ca­so, re­gis­ta um au­men­to de 12 por cen­to, fa­ce ao ano an­te­ri­or.

O pre­si­den­te da De­loit­te em An­go­la, Rui Santos Silva, re­al­ça que, “no con­tex­to eco­nó­mi­co ac­tu­al, é de des­ta­car que o sec­tor fi­nan­cei­ro an­go­la­no re­gis­tou em 2015 um cres­ci­men­to dos ac­ti­vos e de­pó­si­tos en­tre os ban­cos co­mer­ci­ais ana­li­sa­dos, o que de­mons­tra a re­si­li­ên­cia das ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as do país.” Pa­ra Rui Santos Silva, é tam­bém im­por­tan­te as­si­na­lar que, pe­la pri­mei­ra vez, fo­ram co­mer­ci­a­li­za­dos tí­tu­los de dí­vi­da so­be­ra­na an­go­la­na no mer­ca­do fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal. “Es­ta emis­são foi um pas­so im­por­tan­te pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to dos agen­tes eco­nó­mi­cos”, sa­li­en­tou. Jo­sé Ba­ra­ta, só­cio e lí­der do sec­tor de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros da De­loit­te em An­go­la, dis­se que em 2015 se as­sis­tiu ao au­men­to do nú­me­ro de ban­cos co­mer­ci­ais em ac­ti­vi­da­de, por si um si­nal da re­si­li­ên­cia do mer­ca­do.

“Pa­ra­le­la­men­te, em vir­tu­de do au­men­to das exi­gên­ci­as re­gu­la­men­ta­res que in­ci­dem no sec­tor ban­cá­rio, pers­pec­ti­va-se que os ban­cos an­go­la­nos te­nham im­por­tan­tes de­sa­fi­os na me­lho­ria dos ní­veis de con­tro­lo in­ter­no e na adop­ção das nor­mas in­ter­na­ci­o­nais de con­ta­bi­li­da­de e re­la­to fi­nan­cei­ro (IFRS), que im­pli­cam a im­ple­men­ta­ção de no­vos mo­de­los de cál­cu­lo de per­das pa­ra im­pa­ri­da­de de cré­di­to e a con­se­quen­te me­lho­ria nos pro­ces­sos de acom­pa­nha­men­to e re­cu­pe­ra­ção do ris­co de cré­di­to”, ana­li­sou Jo­sé Ba­ra­ta.

Adi­ci­o­nal­men­te, Jo­sé Ba­ra­ta des­ta­ca a re­le­vân­cia que tem a as­si­na­tu­ra do Acor­do in­ter­go­ver­na­men­tal en­tre An­go­la e os Es­ta­dos Uni­dos, pa­ra a im­ple­men­ta­ção do Fo­reign Ac­count Tax Com­pli­an­ce Act (FATCA), “que se­rá mais um fac­tor que de­ve con­tri­buir pa­ra a ne­ces­sá­ria me­lho­ria dos pro­ces­sos de com­pli­an­ce e do combate ao bran­que­a­men­to de ca­pi­tais.”

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Cré­di­to lí­qui­do a cli­en­tes re­gis­tou um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo nos úl­ti­mos dois anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.