Dois di­as an­tes co­mo hoje

Jornal de Angola - - PARTADA -

Era uma cor­re­ria in­ten­sa e o po­vo em ca­da mo­men­to com as vei­as ple­nas de tran­se que fa­zia fer­vi­lhar os co­ra­ções e ima­gi­nar o que acon­te­ce­ria de­pois em tempo es­cas­so e o som da in­só­nia.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Era co­mo se as nar­ra­ti­vas ti­ves­sem pa­ra­do, que An­go­la não exis­tia e se exis­tia ia re­nas­cer nos ba­tu­ques guar­da­dos pa­ra a fes­ta, de­pois de tan­tos e tan­tos mor­tos, em tão pou­co tempo, ago­ra, sem con­tar com as ví­ti­mas das guer­ras de re­sis­tên­cia, o as­sas­si­na­to dos so­bas pa­ra pas­sar o com­boio, os con­tra­ta­dos e a mul­ti­dão dos que ti­nham si­dos le­va­dos co­mo es­cra­vos pe­lo in­va­sor. Era qual­quer coi­sa que os ba­tu­ques que­ri­am res­ga­tar.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Ha­via fo­me, não ha­via co­mi­da, a gen­te do ma­to co­me­ça­va a no­ma­di­zar por cau­sa do ti­ro­teio. Ha­via pro­fa­na­ção de ca­dá­ve­res. Me­ni­nos far­da­dos mar­chan­do com paus nos om­bros brin­can­do com a guer­ra. Ha­via a luz do sol e gen­te a fu­gir de­pres­sa pa­ra os bair­ros, lu­ga­res de la­bi­rin­tos e ca­mi­nhos es­trei­tos. E, à noi­te, os ris­cos das ba­las tra­ce­jan­tes. Es­tá­va­mos a ser in­va­di­dos por com­pa­tri­o­tas mais os blin­da­dos de Mo­bu­tu e so­nhá­va­mos a in­de­pen­dên­cia co­mo a con­quis­ta da li­ber­da­de.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Nas reu­niões o ner­vo­so miu­di­nho mas fin­gía­mos es­tar cal­mos co­mo Agos­ti­nho Ne­to. Vi­e­ram ami­gos de ou­tros paí­ses dar con­se­lhos so­bre ali­an­ças tác­ti­cas, adi­a­men­to da da­ta da in­de­pen­dên­cia. Na­da. Ía­mos pro­cla­má-la a sós. E co­mo os por­tu­gue­ses, de­pois do úl­ti­mo ataque à Vi­la Ali­ce con­tra gen­te de­sar­ma­da, co­me­ça­ram a la­var as mãos a tu­do que acon­te­ces­se. Pen­sá­mos em to­das as va­ri­an­tes.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

De uma coi­sa de­vía­mos ter a cer­te­za. Não dei­xa­ría­mos o ini­mi­go en­trar em Lu­an­da. O com­bus­tí­vel dos blin­da­dos te­ri­am de acabar, os mo­to­ris­tas não co­nhe­ci­am Lu­an­da, aí co­lo­ca­va a hi­pó­te­se de co­que­tei­es Mo­lo­tov a lan­çar pa­ra den­tro dos blin­da­dos.

Mes­mo as­sim, dan­ça­va-se, can­ta­vam-se os hi­nos an­ti­gos e in­ven­ta­vam-se no­vas can­ti­gas .

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Em Por­tu­gal al­vi­tra­va-se fa­zer de An­go­la dois paí­ses ou es­ta­dos fe­de­ra­dos. Gri­tá­va­mos a palavra de or­dem UM SÓ PO­VO UMA SÓ NA­ÇÃO que eco­a­va co­mo se fos­se um ver­sí­cu­lo de um tex­to sa­gra­do. Agos­ti­nho Ne­to, nes­sa reu­nião em que anun­ci­ou a aju­da do po­vo cu­ba­no, não es­con­deu o seu es­ta­do de ale­gria que nos con­ta­gi­ou. E em­bo­ra não en­ten­dês­se­mos ou não es­ti­vés­se­mos de posse de ou­tros ele­men­tos tí­nha­mos a con­vic­ção de que era pre­ci­so co­me­çar a cri­ar e mu­dar mui­tas coi­sas.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Eram só qua­ren­ta e oi­to ho­ras o tempo que fal­ta­va pa­ra a Di­pan­da, o pa­lá­cio aban­do­na­do pe­los por­tu­gue­ses que, de­pois de afun­da­rem, na baía de Lu­an­da, bar­cos que nos po­de­ri­am ser­vir, dei­xa­ram o pa­lá­cio e, num bar­co da sua ma­ri­nha de guer­ra fo­ram pa­ra o al­to-mar pa­ra as­sis­ti­rem ao in­su­ces­so da Di­pan­da. Fi­cou com­bi­na­do que não ía­mos re­ce­ber a in­de­pen­dên­cia mas pro­cla­má-la, A bandeira por­tu­gue­sa não se­ria ar­re­a­da. Só a nos­sa se­ria iça­da. Fo­mos pa­ra pôr o pa­lá­cio em or­dem mas já es­ta­va. Por mor da sua hon­ra­dez os em­pre­ga­dos que ser­vi­am os go­ver­na­do­res e co­mis­sá­ri­os guar­da­ram e pre­pa­ra­ram tu­do pa­ra a che­ga­da de AGOS­TI­NHO NE­TO. Gu­ar­da­vam o Pa­lá­cio co­mo se fos­se de­les, co­mo se fos­se do Po­vo. Na­que­le mo­men­to, não sei se al­gum de nós se lem­brou de agra­ci­ar es­ses co­tas, era tan­to em que pen­sar…

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Era mai­or a pres­sa e a an­si­e­da­de do que fa­zer o que fal­ta­va. O Hi­no. De­pois en­sai­a­do por cri­an­ças que o iri­am en­to­ar na en­tão pra­ça 1º de Maio. E era pre­ci­so uma bandeira pa­ra içar. As cos­tu­rei­ras da pri­mei­ra bandeira, por ner­vo­sis­mo por aque­la coi­sa no­va e nos­sa, fi­ze­ram mal o ver­so e re­ver­so. Al­guém foi lá fo­ra man­dar fa­zer e vol­tar com ban­dei­ras.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

E to­dos es­pe­ra­vam pa­ra irem à pra­ça on­de a in­de­pen­dên­cia se­ria a pro­cla­ma­da. Os cren­tes ora­vam nas di­fe­ren­tes igre­jas e Nos­sa Se­nho­ra da Mu­xi­ma era a qu­em se fa­zi­am mais pro­mes­sas.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

A in­va­são que vi­nha do Nor­te, de com­pa­tri­o­tas nos­sos apoi­a­dos pe­los blin­da­dos de Mo­bu­tu, era pre­o­cu­pan­te, avan­çan­do qua­se até às por­tas de Lu­an­da. So­nhá­va­mos com o sol, o mar, o ven­to e as es­tre­las a nos­so favor. Por­que es­tá­va­mos do la­do da ter­ra pa­ra rein­ven­tar o di­rei­to a vi­ver na ter­ra que era nos­sa. Sa­bía­mos ser­mos ví­ti­mas da “guer­ra fria,” da di­vi­são sur­da e mais cru­el que a Con­fe­rên­cia de Ber­lim que di­vi­di­ra Áfri­ca a ré­gua e es­qua­dro. Sa­bía­mos da fir­me­za ne­ces­sá­ria pa­ra não nos dei­xar­mos en­ga­nar ou ven­der por cau­sa dos nos­sos re­cur­sos mi­ne­rais.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

E os so­nhos, ve­lo­zes co­mo so­bres­sal­tos, in­có­mo­dos co­mo pe­sa­de­los nem da­vam pe­los mi­nu­tos com que o tempo se con­ta­va, por cau­sa das es­co­las, dos hos­pi­tais, das es­tra­das, dos ri­os e das fon­tes. E ain­da me­di­tá­va­mos que in­de­pen­dên­cia é co­mo a vi­da, só se vi­ve uma vez. O res­to é co­me­mo­rá-la.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

E tí­nha­mos a cer­te­za da ne­ces­si­da­de de não co­me­ter­mos mui­tos er­ros pa­ra que as pes­so­as fos­sem de­fi­ni­ti­va e ca­da vez mais li­vres, com di­rei­to ao amor à ver­da­de e o res­pei­to pe­la li­ber­da­de dos ou­tros. Mais a fe­li­ci­da­de.

Dois di­as an­tes co­mo hoje.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.