Par­la­men­ta­res vo­tam o re­la­tó­rio da pro­pos­ta de Lei do OGE/2017

Exe­cu­ti­vo de­fi­ne li­mi­tes no do­cu­men­to pa­ra man­ter as con­tas pú­bli­cas em ní­veis sus­ten­tá­veis

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁ­CIO |

Os de­pu­ta­dos da pri­mei­ra e quin­ta co­mis­sões es­pe­ci­a­li­za­das da As­sem­bleia Na­ci­o­nal vo­tam hoje, na ge­ne­ra­li­da­de, o re­la­tó­rio-pa­re­cer da pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017. A reu­nião con­jun­ta an­te­ce­de a dis­cus­são do do­cu­men­to na ge­ne­ra­li­da­de, mar­ca­da pa­ra o pró­xi­mo dia 17.

A pro­pos­ta de Lei, que já foi agen­da­da pa­ra a dis­cus­são na es­pe­ci­a­li­da­de, pre­vê um vo­lu­me glo­bal de re­cei­tas na or­dem dos 7,3 tri­liões de kwan­zas (o ac­tu­al é de 6.9 tri­liões), sen­do cer­ca de qua­tro tri­liões em re­cei­tas fis­cais e três de fi­nan­ci­a­men­to. Tal co­mo no Or­ça­men­to de 2016, a pro­pos­ta de 2017 con­ti­nua a pri­o­ri­zar o sec­tor so­ci­al, que ul­tra­pas­sa os dois tri­liões de kwan­zas.

Ou­tros in­di­ca­do­res não me­nos re­le­van­tes da pro­pos­ta de Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano es­ta­be­le­cem o dé­fi­ce fis­cal em 5,9 por cen­to e a ta­xa de cres­ci­men­to da eco­no­mia es­ti­ma­da em 2,1 por cen­to. O pre­ço de re­fe­rên­cia do bar­ril de pe­tró­leo es­tá es­ti­ma­do em 46 dó­la­res.

Na pro­pos­ta de Or­ça­men­to exis­tem li­mi­tes de­fi­ni­dos pe­lo pró­prio Exe­cu­ti­vo pa­ra man­ter as con­tas pú­bli­cas em ní­veis sus­ten­tá­veis, co­mo o dé­fi­ce fis­cal na or­dem dos 5.9 por cen­to, que tem em conta o ní­vel de en­di­vi­da­men­to que o Exe­cu­ti­vo se pro­põe atin­gir em ter­mos de ava­li­a­ção da sus­ten­ta­bi­li­da­de de dí­vi­da pú­bli­ca. O Exe­cu­ti­vo pre­vê o cres­ci­men­to da eco­no­mia na or­dem dos 2,1 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, con­tan­do com uma con­tri­bui­ção mai­or do sec­tor não­pe­tro­lí­fe­ro.

A apos­ta que es­tá a ser fei­ta no sec­tor pro­du­ti­vo, com a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia no to­po da agen­da, ani­ma o Exe­cu­ti­vo a con­si­de­rar for­tes pro­ba­bi­li­da­des de me­lho­ria no cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, que é a so­ma de to­da a ri­que­za pro­du­zi­da no país durante o ano.

Pa­ra que o do­cu­men­to se­ja apro­va­do até De­zem­bro, as co­mis­sões es­pe­ci­a­li­za­das da As­sem­bleia Na­ci­o­nal agen­da­ram pa­ra o pró­xi­mo dia 18 o iní­cio da dis­cus­são na es­pe­ci­a­li­da­de da pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do.

Os par­la­men­ta­res ini­ci­am o de­ba­te com um en­con­tro de aus­cul­ta­ção aos par­cei­ros so­ci­ais pa­ra con­tri­bui­ção e en­ri­que­ci­men­to do do­cu­men­to. Es­tá tam­bém mar­ca­do um en­con­tro com as or­ga­ni­za­ções fe­mi­ni­nas pa­ra a con­tri­bui­ção à pro­pos­ta de Lei do OGE na pers­pec­ti­va do gé­ne­ro, com os mi­nis­tros res­pon­sá­veis pe­lo sec­tor so­ci­al, ór­gãos de de­fe­sa na­ci­o­nal, se­gu­ran­ça e or­dem in­ter­na, re­la­ções ex­te­ri­o­res e ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Lo­cal do Es­ta­do.

Pa­ra a me­lho­ria do do­cu­men­to, os par­la­men­ta­res têm agen­da­dos en­con­tros com os ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção da Jus­ti­ça e com equi­pa eco­nó­mi­ca do Go­ver­no. Na se­ma­na pas­sa­da, durante a en­tre­ga do do­cu­men­to à As­sem­bleia na­ci­o­nal, o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, dis­se ser um or­ça­men­to que tem em con­si­de­ra­ção a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal. Ape­sar da con­jun­tu­ra de cri­se que o país vi­ve, re­sul­tan­te da bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, o mi­nis­tro dis­se tra­tar-se de um or­ça­men­to que ga­ran­te o de­sem­pe­nho da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca e das ac­ti­vi­da­des so­ci­ais do Es­ta­do.

Com ba­se nes­te con­tex­to e em fun­ção de o país ser ain­da uma eco­no­mia mo­no pro­du­to­ra e mo­no ex­por­ta­do­ra, Ar­cher Man­guei­ra sa­li­en­tou que o or­ça­men­to ti­nha de ter em conta es­tes fac­to­res, daí o OGE pre­ver um cres­ci­men­to de 2,1 por cen­to, sen­do 1,8 pa­ra o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro e 2,3 pa­ra o não pe­tro­lí­fe­ro.

O mi­nis­tro su­bli­nhou que ape­sar do OGE ser ela­bo­ra­do com ba­se nos im­pos­tos a ar­re­ca­dar, o or­ça­men­to pa­ra 2017 não so­bre­car­re­ga as fa­mí­li­as e as em­pre­sas, por­que o dé­fi­ce es­ti­ma­do de 5,9 por cen­to é co­ber­to com re­cur­so ao fi­nan­ci­a­men­to in­ter­no e ex­ter­no. “Tam­bém par­ti­mos do pres­su­pos­to de que é um dé­fi­ce sus­ten­tá­vel, ten­do em conta o po­ten­ci­al da nos­sa eco­no­mia”, ar­gu­men­tou.

Se­gun­do o mi­nis­tro, ten­do em conta a “si­tu­a­ção es­pe­ci­al” que o país vi­ve, o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano pre­vê um con­jun­to de me­di­das pa­ra sua sus­ten­ta­bi­li­da­de, co­mo a me­lho­ria da qua­li­da­de da des­pe­sa pú­bli­ca.

KINDALA MA­NU­EL

Par­la­men­ta­res da quin­ta co­mis­são da As­sem­bleia Na­ci­o­nal de­ram luz ver­de ao di­plo­ma que con­ti­nua a pri­o­ri­zar o sec­tor so­ci­al

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.