Lun­da Nor­te quer cri­ar ri­que­za fo­ra da ex­plo­ra­ção de di­a­man­tes

Lun­da Nor­te cria con­di­ções pa­ra dei­xar de de­pen­der ape­nas da ex­plo­ra­ção de di­a­man­tes

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO SAPALO |

O Go­ver­no da Lun­da Nor­te, em co­or­de­na­ção com as es­tru­tu­ras cen­trais do Exe­cu­ti­vo, es­tu­da me­ca­nis­mos que vi­sam de­sen­vol­ver pro­gra­mas e po­lí­ti­cas efi­ca­zes pa­ra a pro­mo­ção e ex­plo­ra­ção das po­ten­ci­a­li­da­des tu­rís­ti­cas da pro­vín­cia, dis­se o go­ver­na­dor Er­nes­to Mu­an­ga­la.

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al te­ceu tais con­si­de­ra­ções durante um en­con­tro, no fi­nal de se­ma­na, com a ca­ra­va­na tu­rís­ti­ca “Clu­be de Ami­gos da Pi­ca­da”, que no âm­bi­to da quar­ta edi­ção do pro­jec­to “Rai­de An­go­la”, atra­vés de mo­to­ri­za­das e vi­a­tu­ras a todo-o-ter­re­no, per­cor­re o país, com a fi­na­li­da­de de mos­trar ao mun­do os pro­gres­sos as­si­na­la­dos por An­go­la des­de o al­can­ce da paz, em 2002.

Er­nes­to Mu­an­ga­la dis­se que a che­ga­da do “Raid An­go­la” à Lun­da Nor­te é mo­ti­vo de sa­tis­fa­ção e or­gu­lho pa­ra os ha­bi­tan­tes, por ser uma pro­vín­cia com gran­de po­ten­ci­al tu­rís­ti­co, que ca­re­ce de ex­plo­ra­ção.

“Na Lun­da Nor­te es­tão a ser cri­a­das as con­di­ções pa­ra que as ac­ções vol­ta­das à re­du­ção da fo­me e po­bre­za, por via do combate ao de­sem­pre­go, so­bre­tu­do no seio da ju­ven­tu­de, não de­pen­dam úni­ca e ex­clu­si­va­men­te do sec­tor di­a­man­tí­fe­ro”, dis­se Er­nes­to Mu­an­ga­la, pa­ra acres­cen­tar: “O Go­ver­no da Lun­da Nor­te en­ca­ra o tu­ris­mo co­mo um for­te me­ca­nis­mo de cri­a­ção de mais em­pre­gos pa­ra a ju­ven­tu­de.” Ape­sar de a pro­vín­cia ser uma re­gião po­ten­ci­al­men­te di­a­man­tí­fe­ra, as au­to­ri­da­des es­tão en­ga­ja­das em tra­ba­lhar pa­ra a im­ple­men­ta­ção de vá­ri­os pro­jec­tos eco­nó­mi­cos, fo­ra do sec­tor mi­nei­ro, com vis­ta a im­pul­si­o­nar o cres­ci­men­to so­ci­al, in­for­mou o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al.

Er­nes­to Mu­an­ga­la ex­pli­cou aos ex­cur­si­o­nis­tas que a Lun­da Nor­te, além do di­a­man­te, é uma das pro­vín­ci­as do país que pos­sui uma gran­de quan­ti­da­de de re­cur­sos na­tu­rais, co­mo fer­ro, mag­né­sio, pra­ta, már­mo­re, gra­ni­to e ma­dei­ra, bem co­mo re­cur­sos hí­dri­cos e cul­tu­rais inex­plo­ra­dos, que re­que­rem a sua iden­ti­fi­ca­ção e va­lo­ri­za­ção.

A pro­vín­cia, afir­mou Er­nes­to Mu­an­ga­la, apre­sen­ta van­ta­gens ex­cep­ci­o­nais que per­mi­tem trans­for­mar o tu­ris­mo num sec­tor es­tra­té­gi­co, que pos­sa con­tri­buir na ace­le­ra­ção eco­nó­mi­ca e de­sen­vol­vi­men­to do seu te­ci­do so­ci­al.

“Pre­ten­de-se atin­gir o de­sen­vol­vi­men­to, apos­tan­do em ou­tras ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, co­mo agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria, pes­ca, indústria e tu­ris­mo, por se­rem áre­as fér­teis e que apre­sen­tam um gran­de po­ten­ci­al”, afir­mou o go­ver­na­dor.

Ao fa­lar das prin­ci­pais áre­as tu­rís­ti­cas da pro­vín­cia, que pre­ci­sam de in­ves­ti­do­res, Er­nes­to Mu­an­ga­la des­ta­cou a La­goa de Ca­rum­bo, elei­ta co­mo uma das “Sete Ma­ra­vi­lhas de An­go­la”.

O go­ver­na­dor sa­li­en­tou que a La­goa de Ca­rum­bo é um “gi­gan­te ador­me­ci­do”, que, em fun­ção do seu va­lor em ter­mos de bi­o­di­ver­si­da­de, ca­re­ce de ex­plo­ra­ção, pa­ra es­tar en­tre os me­lho­res e con­cei­tu­a­dos lu­ga­res de atrac­ção tu­ris­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros. O go­ver­na­dor Er­nes­to Mu­an­ga­la ga­ran­tiu que o go­ver­no lo­cal es­tá a cri­ar as con­di­ções pa­ra me­lho­rar o aces­so à La­goa de Ca­rum­bo, com vis­ta a atrair in­ves­ti­do­res, in­ves­ti­ga­do­res e aca­dé­mi­cos in­te­res­sa­dos na sua ex­plo­ra­ção.

“Con­vi­do zoó­lo­gos, bió­lo­gos, am­bi­en­ta­lis­tas e ou­tros in­ves­ti­ga­do­res a vi­si­ta­rem a La­goa de Ca­rum­bo, pa­ra que en­trem em con­tac­to com a di­ver­si­da­de de es­pé­ci­es ve­ge­tais e ani­mais exis­ten­tes na­que­le acam­pa­men­to tu­rís­ti­co.” Com uma ex­ten­são de 200 mil hec­ta­res, a La­goa de Ca­rum­bo, a mai­or la­goa do in­te­ri­or do país, dis­põe de 195 es­pé­ci­es de aves iden­ti­fi­ca­das, 13 das qu­ais con­si­de­ra­das ra­ras.

O Mu­seu Re­gi­o­nal do Dun­do, con­si­de­ra­do um dos mai­o­res em Áfri­ca, a Es­ta­ção Ar­que­o­ló­gi­ca do Ba­la-Ba­la, os edi­fí­ci­os da ar­qui­tec­tu­ra co­lo­ni­al e Ro­tun­da do Obe­lis­co são al­gu­mas das atrac­ções tu­rís­ti­cas men­ci­o­na­das pe­lo go­ver­na­dor.

Da­dos for­ne­ci­dos pe­la Di­rec­ção Pro­vin­ci­al do Co­mér­cio, Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo re­ve­lam que em 2015 fo­ram cri­a­dos 781 no­vos pos­tos de tra­ba­lho nes­te sec­tor a ní­vel da Lun­da Nor­te. O Pro­jec­to Rai­de An­go­la foi lan­ça­do pe­lo Clu­be de Ami­gos da Pi­ca­da, agre­mi­a­ção fun­da­da a 5 de Agos­to de 2006, com o ob­jec­ti­vo de per­cor­rer o país por es­tra­da, atra­vés de uma ex­cur­são mo­to­ri­za­da, ex­pli­cou o seu Pre­si­den­te de Me­sa da As­sem­bleia-Ge­ral, Jor­ge Al­mei­da.

Em ca­da ano, dis­se, a ex­cur­são co­me­ça a 2 de No­vem­bro e ter­mi­na no dia 11 do mes­mo mês, co­mo for­ma de pres­tar tri­bu­to à In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Além das pro­vín­ci­as de An­go­la o Clu­be de Ami­gos da Pi­ca­da já per­cor­rer tam­bém lo­ca­li­da­des de 12 paí­ses afri­ca­nos.

BEN­JA­MIN CÂNDIDO|DUN­DO

Go­ver­na­dor Er­nes­to Mu­an­ga­la (ao cen­tro) deu a co­nhe­cer aos mem­bros do pro­jec­to Rai­de An­go­la as po­ten­ci­a­li­da­des tu­rís­ti­cas da re­gião

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.