Foi des­man­te­la­da na Ale­ma­nha re­de ter­ro­ris­ta do Es­ta­do Islâmico

Sus­pei­tos re­cru­ta­vam mem­bros pa­ra o Es­ta­do Islâmico

Jornal de Angola - - PARTADA -

A jus­ti­ça ale­mã anun­ci­ou on­tem a de­ten­ção de cin­co sus­pei­tos de mon­ta­rem uma “re­de sa­la­fis­ta-jiha­dis­ta” no país e de re­cru­ta­rem pa­ra o gru­po Es­ta­do Islâmico pe­lo me­nos uma fa­mí­lia, que de­pois par­tiu pa­ra a Sí­ria.

O pre­su­mí­vel lí­der do gru­po é um ira­qui­a­no de 32 anos, iden­ti­fi­ca­do co­mo Ah­mad Ab­du­la­ziz Ab­dul­lah A. e co­nhe­ci­do co­mo 'Abou Wa­laa'.

Os seus qua­tro pre­su­mí­veis cúm­pli­ces são um tur­co de 50 anos, Ha­san C., um ger­ma­no-sér­vio de 36 anos, Bo­ban S., um ale­mão de 27 anos, Ma­moud O., e um ca­ma­ro­nês de 26 anos, Ah­med F. Y.

“O ob­jec­ti­vo da re­de (de Abou Wa­laa) era en­vi­ar re­cru­tas pa­ra o Es­ta­do Islâmico”, in­for­mou a Pro­cu­ra­do­ria Fe­de­ral, en­car­re­ga­da dos ca­sos de ter­ro­ris­mo, num co­mu­ni­ca­do.

Pa­ra is­so, os sus­pei­tos or­ga­ni­za­vam cur­sos de ára­be e so­bre te­ses is­la­mi­tas ra­di­cais.

“Es­tá pro­va­do que a re­de de Ab­du­la­ziz Ab­dul­lah A. en­vi­ou pa­ra o EI na Sí­ria pe­lo me­nos um jo­vem e to­da a sua fa­mí­lia”, acres­cen­tou a mes­ma fon­te. Os cin­co sus­pei­tos vão ser le­va­dos hoje di­an­te do juiz de ins­tru­ção. A jus­ti­ça ale­mã nun­ca re­ve­la os ape­li­dos dos sus­pei­tos durante a fa­se de ins­tru­ção.

Se­gun­do números apre­sen­ta­dos em Maio pe­los ser­vi­ços de in­for­ma­ção ale­mães, um to­tal de 820 is­la­mi­tas dei­xou a Ale­ma­nha com des­ti­no à Sí­ria e ao Ira­que. Cer­ca de um ter­ço já re­gres­sou e ou­tros 140 fo­ram mor­tos, pe­lo que se es­ti­ma que cer­ca de 420 es­te­jam ain­da em ter­ri­tó­rio sí­rio ou ira­qui­a­no. AA­le­ma­nha tem si­do pou­pa­da a gran­des ata­ques do EI, co­mo os que atin­gi­ram Pa­ris ou Bru­xe­las, mas vá­ri­os ata­ques fo­ram co­me­ti­dos re­cen­te­men­te por pes­so­as iso­la­das, no­me­a­da­men­te re­fu­gi­a­dos che­ga­dos no aflu­xo mi­gra­tó­rio de 2015.

Acu­sa­ção da Tur­quia

O mi­nis­tro tur­co dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Me­vlüt Ça­vu­so­glu, acu­sou on­tem a Ale­ma­nha de to­le­rar os ini­mi­gos da Tur­quia ao re­ce­ber tan­to mem­bros do pros­cri­to Par­ti­do de Tra­ba­lha­do­res do Cur­dis­tão (PKK) co­mo do gru­po do pre­ga­dor is­la­mi­ta exi­la­do nos Es­ta­dos Uni­dos, Fethul­lah Gü­len. “Pe­di­mos à Ale­ma­nha a ex­tra­di­ção de qua­tro mil mem­bros do PKK e não nos en­tre­ga­ram nem um só. Mes­mo sa­ben­do que es­tas pes­so­as re­co­lhem di­nhei­ro (pa­ra fi­nan­ci­ar as for­ças da guer­ri­lha) ali”, dis­se o mi­nis­tro.

“A Ale­ma­nha to­le­ra os ini­mi­gos da Tur­quia”, dis­se Ça­vu­so­glu, nu­ma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em An­ca­ra.

O mi­nis­tro afir­mou que “não é ca­su­a­li­da­de” que dois de­pu­ta­dos do HDP, o par­ti­do da es­quer­da pró­cur­da, que têm man­da­to de bus­ca e cap­tu­ra des­de a se­ma­na pas­sa­da, es­te­jam na Ale­ma­nha.

“Nem é ca­su­a­li­da­de que mui­tos dos mem­bros do FETÖ (a con­fra­ria de Gü­len, que é acu­sa­do de ins­ti­gar o fra­cas­sa­do gol­pe de Es­ta­do de Ju­lho) te­nham fu­gi­do à Ale­ma­nha”, in­sis­tiu o mi­nis­tro.

AFP

Po­lí­cia ale­mã pren­deu mi­li­tan­tes de vá­ri­as na­ci­o­na­li­da­des li­ga­dos ao gru­po ra­di­cal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.