Lei das Aces­si­bi­li­da­des ga­ran­te dig­ni­da­de

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ANA PAU­LO |

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do do Mi­nis­té­rio da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al re­al­çou on­tem a im­por­tân­cia da Lei das aces­si­bi­li­da­des pa­ra as pes­so­as portadoras de de­fi­ci­ên­cia, grá­vi­das, obe­sos e ido­sos.

Ma­ria da Luz, que fa­la­va durante a pri­mei­ra ses­são ple­ná­ria ex­tra­or­di­ná­ria de divulgação da lei, afir­mou que as pes­so­as com de­fi­ci­ên­ci­as fí­si­cas vão be­ne­fi­ci­ar de me­lho­res con­di­ções de lo­co­mo­ção e aco­mo­da­ção nas es­tra­das, re­si­dên­ci­as, trans­por­tes pú­bli­cos e ou­tras in­fra-es­tru­tu­ras ar­qui­tec­tó­ni­cas do país.

A Lei, pu­bli­ca­da em Diá­rio da Re­pú­bli­ca no dia 27 de Ju­lho des­te ano e que en­trou em vi­gor a 27 de Ou­tu­bro, as­sen­ta em al­guns prin­cí­pi­os co­mo o res­pei­to pe­la dig­ni­da­de hu­ma­na, não dis­cri­mi­na­ção e o exer­cí­cio dos di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais. “O prin­cí­pio da in­clu­são pres­su­põe mu­dan­ça de men­ta­li­da­des, de ati­tu­des e de com­por­ta­men­tos”, re­fe­riu Ma­ria da Luz, pa­ra qu­em a Lei das Aces­si­bi­li­da­des pode ser con­si­de­ra­da co­mo uma das mais abran­gen­tes en­tre os paí­ses que as­si­na­ram a Con­ven­ção dos Di­rei­tos das Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia.

Um dos be­ne­fí­ci­os da Lei das Aces­si­bi­li­da­des é as­se­gu­rar os di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as de to­da a po­pu­la­ção, com­ba­ten­do os es­tig­mas, os es­te­reó­ti­pos e os pre­con­cei­tos, ru­mo a uma so­ci­e­da­de mais sã, mais co­e­sa e fe­liz. “Com a Lei das Aces­si­bi­li­da­des, pro­mo­ve-se a igual­da­de, a par­ti­ci­pa­ção, as opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, edu­ca­ção, pro­tec­ção so­ci­al e a saú­de, ta­re­fa es­ta dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos, or­ga­nis­mos pú­bli­cos, Exe­cu­ti­vo, igre­jas e so­ci­e­da­de ci­vil, e, por con­se­guin­te, trans­ver­sal, por as­so­ci­ar-se a áre­as co­mo a saú­de, for­ma­ção, em­pre­go, aces­so à in­for­ma­ção, trans­por­tes, ha­bi­ta­ção, des­por­to e la­zer.”

Cer­ca de 180 mil pes­so­as vi­vem com de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca em An­go­la, se­gun­do da­dos da Fe­de­ra­ção das Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia (FAPED). Va­le­ri­a­no Da­vid, se­cre­tá­rio pa­ra a Ad­mi­nis­tra­ção e Fi­nan­ças da FAPED, in­for­mou que a ins­ti­tui­ção con­ti­nua a tra­ba­lhar no ca­das­tra­men­to de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, pa­ra que no se­gun­do se­mes­tre do pró­xi­mo ano ha­ja um nú­me­ro de­fi­ni­ti­vo.

Até ao mo­men­to, as prin­ci­pais di­fi­cul­da­des exis­ten­tes em pes­so­as portadoras de de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca são as bar­rei­ras ar­qui­tec­tó­ni­cas e a ati­tu­de ne­ga­ti­va de al­guns ci­da­dãos na via pú­bli­ca. Ao elo­gi­ar a Lei das Aces­si­bi­li­da­des, Va­le­ri­a­no Da­vid apro­vei­tou a oca­sião pa­ra pe­dir que se te­nha mais aten­ção em re­la­ção às pes­so­as portadoras de de­fi­ci­ên­cia. “Es­pe­ra­mos que, fu­tu­ra­men­te, as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca con­gé­ni­ta tam­bém pos­sam be­ne­fi­ci­ar de sub­sí­di­os do Es­ta­do, por­que mui­tos de­les de­pen­dem de fa­mi­li­a­res e ou­tros con­ti­nu­am a men­di­gar pe­las ru­as dos país. Es­ta­mos a lu­tar pa­ra que a lei por nós pro­pos­ta (pa­ra pes­so­as com de­fi­ci­ên­ci­as fí­si­cas con­gé­ni­tas) tam­bém se­ja apro­va­da, pa­ra po­de­rem tam­bém ser be­ne­fi­ciá­ri­os de sub­sí­dio do Es­ta­do”, dis­se.

Va­le­ri­a­no Da­vid ape­lou à po­pu­la­ção pa­ra que te­nha mais pa­ci­ên­cia e amor pa­ra com as pes­so­as portadoras de de­fi­ci­ên­ci­as fí­si­cas, que se­gun­do ele têm so­fri­do mui­tas in­jus­ti­ças. “Mui­tas ve­zes so­mos mal­tra­ta­dos e re­jei­ta­dos”, la­men­tou.

CONTREIRAS PIPAS

Se­cre­tá­ria de Es­ta­do do Mi­nis­té­rio da Rein­ser­ção So­ci­al re­al­çou os be­ne­fi­ci­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.