Or­dem dos Ad­vo­ga­dos quer ci­da­dãos in­for­ma­dos

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

A Or­dem dos Ad­vo­ga­dos na pro­vín­cia do Na­mi­be es­tá apos­ta­da na edu­ca­ção ju­rí­di­ca da po­pu­la­ção, co­mo for­ma dos ci­da­dãos co­nhe­ce­rem os seus di­rei­tos, in­for­mou on­tem, em Mo­çâ­me­des, o co­or­de­na­dor in­te­ri­no do con­se­lho da ins­ti­tui­ção.

An­tó­nio Vaz de­cla­rou à An­gop que a apos­ta re­cai na re­a­li­za­ção de pa­les­tras e de­ba­tes, que têm con­tri­buí­do pa­ra a re­du­ção de ca­sos de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e fu­ga à pa­ter­ni­da­de no seio das fa­mí­li­as.

O juíz re­co­nhe­ceu que a Lei so­bre Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca, já apro­va­da pe­la As­sem­bleia Na­ci­o­nal, tem con­tri­buí­do, de for­ma po­si­ti­va, pa­ra com­ba­ter cri­mes, que afec­tam na mai­o­ria as cri­an­ças. “Hoje as pes­so­as já sa­bem que a vi­o­lên­cia é con­si­de­ra­da um cri­me pú­bli­co, e não par­ti­cu­lar”, dis­se, sa­li­en­tan­do que os ca­sos mais fre­quen­tes que dão en­tra­da na ins­ti­tui­ção têm si­do os pe­di­dos de re­co­nhe­ci­men­to de união de fac­to por mor­te e os con­fli­tos la­bo­rais.

No mer­ca­do lo­cal, re­fe­riu, as­sis­te-se com frequên­cia à pro­cu­ra dos ser­vi­ços de ad­vo­ca­cia, fac­to que exi­ge mai­or de­di­ca­ção e hu­ma­nis­mo por par­te da clas­se.

Pa­ra o pró­xi­mo ano, adi­an­tou, a ins­ti­tui­ção vai alar­gar os ser­vi­ços jun­to das po­pu­la­ções do in­te­ri­or, com a en­tra­da no mer­ca­do de tra­ba­lho de mais 15 ad­vo­ga­dos, nes­te mo­men­to em es­tá­gio.

AFON­SO COS­TA

Sé­rie de pa­les­tras com a so­ci­e­da­de ci­vil de­cor­re na ci­da­de de Mo­çâ­me­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.