CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO MEN­DON­ÇA OLGA MAR­TINS FRANCISCA TEI­XEI­RA

Pre­ço dos bens

É ex­pec­ta­ti­va de to­dos que os pre­ços de bens e ser­vi­ços co­nhe­çam uma es­ta­bi­li­za­ção que per­mi­ta às fa­mí­li­as, pes­so­as e em­pre­sas a me­lhor pro­gra­ma­rem as su­as vi­das. A mu­dan­ça dos pre­ços dos prin­ci­pais pro­du­tos de con­su­mo, in­de­pen­den­te­men­te de ser nor­mal em qual­quer eco­no­mia de mer­ca­do, é sem­pre de ma­nei­ra mais ou me­nos pre­vi­sí­vel. Não é bom que sai­a­mos à rua to­dos os di­as com no­vi­da­des so­bre a mu­dan­ça de pre­ços das coi­sas na me­di­da em que nem se­quer é com­por­tá­vel a vi­da nes­tes mol­des. De­pois de uma su­bi­da tres­lou­ca­da dos pre­ços de bens e ser­vi­ços por ra­zões, al­gu­mas das qu­ais já co­nhe­ci­das, es­tes vol­ta­ram a co­nhe­cer uma des­ci­da e es­ta­bi­li­za­ção.

E lo­go mui­tos vi­e­ram a pú­bli­co pa­ra “fes­te­jar” a des­ci­da mais ou me­nos ge­ne­ra­li­za­da dos pre­ços dos prin­ci­pais bens de con­su­mo um pou­co por todo o país. Em todo o ca­so, jul­go ina­de­qua­do fa­zer-se “fes­ta” so­bre a des­ci­da dos pre­ços de bens e ser­vi­ços aten­den­do, pri­mei­ro, que vi­ve­mos nu­ma eco­no­mia de mer­ca­do; se­gun­do, por­que se tra­ta do nor­mal que po­de­mos es­pe­rar. Não faz sen­ti­do que as pes­so­as, sin­gu­la­res ou co­lec­ti­vas, fi­quem a van­glo­ri­ar-se so­bre si­tu­a­ções que são das mais nor­mais nu­ma eco­no­mia de mer­ca­do co­mo a nos­sa. Tu­do is­to por­que, in­de­pen­den­te­men­te do fac­to de ser um ga­nho pa­ra as fa­mí­li­as mais ca­ren­ci­a­das, a mai­or ba­ta­lha que te­mos pe­la fren­te re­su­me-se na ne­ces­si­da­de de gran­de par­te dos bens que con­su­mi­mos vi­rem a ser pro­du­zi­dos em An­go­la. Nu­ma si­tu­a­ção co­mo es­ta, sim, é que te­re­mos ra­zões pa­ra fes­te­jar, por­que, as­sim, po­de­re­mos ter ga­ran­ti­as de mai­or sus­ten­ta­bi­li­da­de do mer­ca­do. Acho que as ins­ti­tui­ções do Es­ta­do se em­pe­nham pa­ra que o país ve­nha a co­nhe­cer es­ta re­a­li­da­de por­que, co­mo de­mons­tra a ex­pe­ri­ên­cia re­cen­te, con­tar­mos ape­nas com bens de con­su­mo mai­o­ri­ta­ri­a­men­te im­por­ta­dos não as­se­gu­ra o con­tro­lo ou a sus­ten­ta­bi­li­da­de dos pre­ços no mer­ca­do.

Fu­mo de ci­gar­ros

Sou an­ti-ta­ba­gis­ta as­su­mi­do e con­fes­so que as ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das de­vi­am adop­tar ac­ções mais enér­gi­cas pa­ra res­trin­gi­rem o fu­mo de ci­gar­ro. As pro­pri­e­da­des can­ce­rí­ge­nas do ta­ba­co de­vi­am ser da­das a co­nhe­cer à po­pu­la­ção, fu­man­tes e não fu­man­tes, pa­ra que fos­se tan­gí­vel a cons­ci­ên­cia so­bre os ma­les do ta­ba­co.

Em­bo­ra as pes­so­as se­jam li­vres de fu­mar, não de­vi­am ser des­cui­da­das a fa­zê-lo on­de qui­ses­sem, so­bre­tu­do ao la­do dos não fu­man­tes. Na ver­da­de, te­mos em An­go­la uma le­gis­la­ção que cui­da des­te as­pec­to e é mui­to cla­ra re­la­ti­va­men­te à proi­bi­ção do fu­mo de ci­gar­ro em re­cin­tos fe­cha­dos de lo­cais pú­bli­cos.

Pro­du­tos de­te­ri­o­ra­dos

Há di­as, uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca li­ga­da à ins­pec­ção che­gou à con­clu­são, de­pois de um es­tu­do apu­ra­do, que a mai­o­ria dos pro­du­tos pe­re­cí­veis co­mer­ci­a­li­za­dos pe­las vá­ri­as ca­sas co­mer­ci­ais não pos­sui con­di­ções nor­mais pa­ra o con­su­mo. Tra­ta-se so­bre­tu­do de car­nes, con­ge­la­das e aba­ti­das e que aca­bam co­mer­ci­a­li­za­das em gran­des su­per­fí­ci­es, su­per­mer­ca­dos e mer­ca­dos, sen­do es­tes úl­ti­mos os que mai­or ex­po­si­ção à in­sa­lu­bri­da­de apre­sen­tam. Em mi­nha opi­nião, tra­ta-se de uma im­por­tan­te in­ves­ti­ga­ção que ape­nas pe­ca por tar­dia na me­di­da em que mui­tos an­go­la­nos e an­go­la­nas têm mui­tas re­ser­vas so­bre as car­nes im­por­ta­das que são co­mer­ci­a­li­za­das em todo o país. Sem pre­ten­der pôr em cau­sa os im­por­ta­do­res ou for­ne­ce­do­res, não há dú­vi­das de que exis­tem mui­to pou­cas ga­ran­ti­as de que tais pro­du­tos se­jam pre­pa­ra­dos e acon­di­ci­o­na­dos de acor­do com os pa­drões de qua­li­da­de exi­gi­dos pa­ra a saú­de hu­ma­na.

De­fen­do que es­sa in­ves­ti­ga­ção se­ja cons­tan­te e en­vol­va ou­tros ti­pos de bens de con­su­mo, por exem­plo as be­bi­das açu­ca­ra­das cu­jas con­di­ções de pre­pa­ra­ção le­van­tam igual­men­te mui­tas dú­vi­das. Fa­lo con­cre­ta­men­te de su­mos e ga­so­sas, cu­jos co­ran­tes, con­ser­van­tes e ou­tros adi­ti­vos de­vi­am me­re­cer um mai­or e cons­tan­te es­cru­tí­nio da par­te das ins­ti­tui­ções de di­rei­to.

AR­MAN­DO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.