Tra­ba­lho e or­ga­ni­za­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O am­bi­en­te de ne­gó­ci­os em An­go­la tem me­lho­ra­do con­si­de­ra­vel­men­te, o que tem per­mi­ti­do que mui­tos an­go­la­nos cri­em em­pre­sas em vá­ri­os pon­tos do país e re­a­li­zem ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas de di­ver­sa na­tu­re­za. É no­tá­vel o tra­ba­lho que se re­a­li­za em vá­ri­as par­tes do nos­so país, em par­ti­cu­lar nas zo­nas ru­rais. Te­mos hoje gran­de ne­ces­si­da­de de uni­da­des pro­du­ti­vas no país, pa­ra fa­zer a eco­no­mia cres­cer, e é bom que se cri­em opor­tu­ni­da­des pa­ra que to­dos os an­go­la­nos com ini­ci­a­ti­vas e von­ta­de co­lo­quem em­pre­sas de pro­du­ção de bens e ser­vi­ços a fun­ci­o­nar.

É pre­ci­so que se per­ce­ba que o nos­so país tem de avan­çar pa­ra uma in­ten­sa ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va, pa­ra au­men­tar os ní­veis de pro­du­ção, a fim de que se­ja­mos au­to-su­fi­ci­en­tes em ali­men­tos di­ver­sos. Te­mos ter­ras fér­teis e es­tas po­dem pro­por­ci­o­nar aos an­go­la­nos ali­men­tos em gran­de quan­ti­da­de e qua­li­da­de. Os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos com mui­ta ex­pe­ri­ên­cia têm-se evi­den­ci­a­do pe­las su­as po­si­ções op­ti­mis­tas em re­la­ção às po­ten­ci­a­li­da­des de An­go­la no do­mí­nio agrí­co­la. Eles acre­di­tam na nos­sa ca­pa­ci­da­de de pro­du­zir no cam­po o su­fi­ci­en­te pa­ra abas­te­cer o mer­ca­do in­ter­no e até pa­ra ter­mos ex­ce­den­tes pa­ra ex­por­tar.

De­ve­mos or­gu­lhar-nos do es­for­ço que é em­pre­en­di­do por mui­tos an­go­la­nos que no cam­po tu­do têm fei­to pa­ra pro­du­zir e abas­te­cer o mer­ca­do. Tra­ta-se de um es­for­ço que vai no sen­ti­do do combate à po­bre­za e ao de­sem­pre­go nas áre­as ru­rais. As zo­nas ru­rais têm con­di­ções, se as ter­ras fo­rem bem apro­vei­ta­das, de ab­sor­ver mui­ta mão-de-obra, fa­zen­do com que mui­tas fa­mí­li­as pos­sam ter ren­di­men­tos .

É ne­ces­sá­rio des­ta­car nes­te es­for­ço o pa­pel das mu­lhe­res. Sa­be-se que uma par­te con­si­de­rá­vel da nos­sa po­pu­la­ção vi­ve no cam­po e faz sen­ti­do que se pres­te es­pe­ci­al aten­ção às em­pre­sá­ri­as e tra­ba­lha­do­ras das zo­nas ru­rais. É po­si­ti­vo o fac­to de mui­tas mu­lhe­res das zo­nas ru­rais es­ta­rem en­vol­vi­das em ne­gó­ci­os, o que pode fa­zer cres­cer con­si­de­ra­vel­men­te o nú­me­ro de em­pre­en­di­men­tos no cam­po. Mui­tas mu­lhe­res an­go­la­nas são che­fes de fa­mí­lia e pode-se ima­gi­nar a sua ele­va­da res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo sus­ten­to de mi­lha­res de an­go­la­nos .

O mun­do de ne­gó­ci­os exi­ge en­tre­tan­to al­gum co­nhe­ci­men­to, e é opor­tu­na a exe­cu­ção no país do pro­jec­to “Mu­lhe­res em­pre­en­de­do­ras” por par­te de uma Or­ga­ni­za­ção Não Go­ver­na­men­tal, des­ti­na­do a do­tá-las de com­pe­tên­ci­as pa­ra ge­ri­rem ca­da vez me­lhor a sua ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va. Que as mu­lhe­res an­go­la­nas que que­rem abra­çar a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al te­nham sem­pre em vis­ta que de­vem au­men­tar cons­tan­te­men­te os seus co­nhe­ci­men­tos.

Qu­an­to mais co­nhe­ci­men­to as nos­sas mu­lhe­res em­pre­sá­ri­as ti­ve­rem, mais prós­pe­ros se­rão os seus ne­gó­ci­os, e é dis­so que o país pre­ci­sa. An­go­la pre­ci­sa de mui­tos homens e mu­lhe­res em­pre­en­de­do­res. Um res­pon­sá­vel da Or­ga­ni­za­ção Não Go­ver­na­men­tal que vi­si­tou a re­gião an­go­la­na em que es­tá a ser exe­cu­ta­do o pro­jec­to “Mu­lhe­res em­pre­en­de­do­ras”, dis­se que “as mu­lhe­res e ou­tras fran­jas da so­ci­e­da­de an­go­la­na têm ener­gia e for­ça aní­mi­ca pa­ra pros­pe­rar. O que fal­ta são apoi­os e aces­sos a opor­tu­ni­da­des”.

Que es­ta ener­gia se­ja po­ten­ci­a­da pe­lo co­nhe­ci­men­to pa­ra que o país te­nha homens e mu­lhe­res de ne­gó­ci­os com ca­pa­ci­da­de pa­ra le­var por di­an­te os seus pro­jec­tos pro­du­ti­vos. Te­mos de co­me­çar a dar os in­cen­ti­vos de que pre­ci­sam os nos­sos com­pa­tri­o­tas com vo­ca­ção pa­ra a ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al. Te­mos no país pes­so­as com inú­me­ras ini­ci­a­ti­vas em­pre­sa­ri­ais e va­le a pe­na aju­dá-las nos seus es­for­ços pa­ra ini­ci­ar e con­so­li­dar ne­gó­ci­os. O êxi­to des­tes nos­sos com­pa­tri­o­tas em­pre­en­de­do­res é be­né­fi­co pa­ra a so­ci­e­da­de. A nos­sa so­ci­e­da­de ne­ces­si­ta de pes­so­as dis­pos­tas a tra­ba­lhar no sen­ti­do de ter­mos um país bom pa­ra se vi­ver. Os em­pre­sá­ri­os cons­ti­tu­em uma fran­ja da nos­sa so­ci­e­da­de a não su­bes­ti­mar. Os em­pre­sá­ri­os cri­am em­pre­gos e ri­que­za.

É de lou­var o fac­to de ha­ver ban­cos co­mer­ci­ais a fi­nan­ci­ar ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas, o que mos­tra que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras ban­cá­ri­as es­tão em­pe­nha­das em par­ti­ci­par no pro­ces­so de cons­tru­ção do cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la.

Os ban­cos co­mer­ci­ais são ins­ti­tui­ções im­por­tan­tes nu­ma eco­no­mia, so­bre­tu­do na nos­sa em que os em­pre­sá­ri­os ou po­ten­ci­ais em­pre­sá­ri­os pre­ci­sam de cré­di­to pa­ra re­a­li­zar os seus ne­gó­ci­os. É bom que a ban­ca co­mer­ci­al es­te­ja per­ma­nen­te­men­te sen­sí­vel aos pro­ble­mas da nos­sa eco­no­mia , que pre­ci­sa de cres­cer pa­ra que pos­sa­mos atin­gir o bem-es­tar. Sem cres­ci­men­to da eco­no­mia não há de­sen­vol­vi­men­to. E é o de­sen­vol­vi­men­to que pro­por­ci­o­na boa qua­li­da­de de vi­da.

Os ban­cos de­vem es­tar tam­bém aten­tos à for­ça e à ener­gia dos nos­sos em­pre­sá­ri­os e não de­vem he­si­tar em jun­tar-se ao gran­de es­for­ço que es­ta­mos a fa­zer pa­ra ala­van­car a nos­sa eco­no­mia. Os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos, homens e mu­lhe­res, de­vem con­ti­nu­ar a acre­di­tar que é pos­sí­vel, com tra­ba­lho, avan­çar pa­ra o pro­gres­so da nos­sa ter­ra. Po­de­mos, com em­pe­nho, acabar com os pro­ble­mas eco­nó­mi­cos que te­mos. Não de­ve­mos te­mer as di­fi­cul­da­des. Te­mos é de ar­ran­jar for­ças pa­ra as su­pe­rar, em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as. Os pro­ble­mas re­sol­vem-se com tra­ba­lho, mui­ta dis­ci­pli­na e or­ga­ni­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.