Cu­ba adop­ta po­lí­ti­cas de combate ao en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO - SA­RA GÓMEZ AR­MAS |

Sob a ame­a­ça de se tor­nar o no­no país mais en­ve­lhe­ci­do do mun­do em 2050 e o pri­mei­ro da Amé­ri­ca La­ti­na, Cu­ba en­ca­ra o du­plo de­sa­fio de estimular a fer­ti­li­da­de e pres­tar aten­di­men­to mé­di­co e as­sis­ten­ci­al aos ido­sos, que já su­pe­ram 20 por cen­to dos 11,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes.

A pro­vín­cia de Ci­en­fu­e­gos, uma das mais afec­ta­das por es­te fe­nó­me­no, é re­fe­rên­cia nes­ta es­tra­té­gia na­ci­o­nal, já que pos­sui um dos três cen­tros de reprodução as­sis­ti­da do país, além de con­tar com a re­de mais am­pla de aten­di­men­to a ido­sos, com 31 cen­tros durante o dia e cin­co la­res pa­ra per­ma­nen­tes de­sem­pa­ra­dos.

Com mais de 400 nas­ci­men­tos des­de a sua aber­tu­ra, em 2010, o cen­tro de reprodução as­sis­ti­da de Ci­en­fu­e­gos - apro­va­do pe­la Or­ga­ni­za­ção Pan-Ame­ri­ca­na da Saú­de (OPAS) - atende anu­al­men­te cer­ca de três mil ca­sais com di­fi­cul­da­des pa­ra ter fi­lhos e, des­de o fi­nal de 2014, ofe­re­ce de gra­ça téc­ni­cas de al­ta tec­no­lo­gia co­mo a fer­ti­li­za­ção in vi­tro.

Após no­ve anos a tes­tar sem sucesso di­fe­ren­tes tra­ta­men­tos de fer­ti­li­da­de, “um pro­ces­so de­ses­pe­ra­dor”, Ke­nia Co­ba, de 31 anos, con­se­guiu fi­car grá­vi­da com a téc­ni­ca in vi­tro e o seu be­bé, Mar­co An­to­nio, já re­pou­sa com qua­se dois qui­los nu­ma in­cu­ba­do­ra do cen­tro após nas­cer pre­ma­tu­ro, mas sau­dá­vel, no dia 23 de Se­tem­bro.

“Es­ta­va há anos a ten­tar e já pen­sa­va que nun­ca fi­ca­ria grá­vi­da. Não po­dia acre­di­tar até fa­zer o ul­tras­som das oi­to se­ma­nas”, con­tou emo­ci­o­na­da Ke­nia, que não se se­pa­ra do be­bé.

Em pou­co mais de um ano, es­sa téc­ni­ca foi apli­ca­da a 173 pa­ci­en­tes do cen­tro, que já viu nas­cer no­ve be­bés, “um re­sul­ta­do que en­che to­dos aqui de ale­gria”, dis­se Prá­xe­des Ro­jas, di­rec­to­ra da ins­ta­la­ção, lo­ca­li­za­da no Hos­pi­tal Ge­ral Gustavo Al­de­re­guía.

“Es­ta­mos a dar os pri­mei­ros pas­sos co­mo cen­tro. Mas des­de o nos­so iní­cio fo­mos au­men­tan­do o nú­me­ro de nas­ci­men­tos em ca­da ano e me­lho­ran­do a saú­de re­pro­du­ti­va de Cu­ba, on­de até 20 por cen­to dos ca­sais so­fre com a in­fer­ti­li­da­de”, afir­mou a mé­di­ca.

A cri­se eco­nó­mi­ca, a emi­gra­ção e a eman­ci­pa­ção da mu­lher - que atra­sa a ida­de da ma­ter­ni­da­de - em Cu­ba são al­gu­mas das cau­sas pa­ra que os ní­veis de fer­ti­li­da­de no país se man­te­nham des­de o fi­nal dos anos 70 com o país a re­gis­tar um cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co qua­se nu­lo nos úl­ti­mos anos.

O ou­tro la­do da mo­e­da des­te fe­nó­me­no é o pre­ci­pi­ta­do en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção, já que os mai­o­res de 60 anos su­pe­ra­rão a par­ce­la de 30 por cen­to até 2030, uma gra­ve per­da de po­pu­la­ção eco­no­mi­ca­men­te ac­ti­va, que se­gun­do números ofi­ci­ais cai­rá pa­ra 133 mil pes­so­as. “O en­ve­lhe­ci­men­to é uma con­quis­ta da Re­vo­lu­ção. É o re­sul­ta­do do de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al que per­mi­tiu o sis­te­ma de saú­de cu­ba­no gra­tui­to e uni­ver­sal. Mas im­pli­ca ago­ra um de­sa­fio mui­to gran­de”, co­men­tou a di­rec­to­ra do hos­pi­tal, Ma­ri­xa Ro­drí­guez.

Se­gun­do ela, além de in­cen­ti­var a na­ta­li­da­de, o de­sa­fio foi “ge­ri­a­tri­zar” des­de os ní­veis de aten­di­men­to pri­má­rio to­dos os ser­vi­ços de saú­de, al­go no qu­al tam­bém é “re­fe­rên­cia” o hos­pi­tal pro­vin­ci­al de Ci­en­fu­e­gos, on­de mais de 50 por cen­to dos in­ter­na­men­tos são de ido­sos.

En­tre as po­lí­ti­cas so­ci­ais de as­sis­tên­cia, Cu­ba ha­bi­li­tou por todo o país cen­tros nos qu­ais os ido­sos pas­sam o dia com aten­di­men­to es­pe­ci­a­li­za­do en­quan­to os pa­ren­tes tra­ba­lham, além de re­si­dên­ci­as pa­ra abri­gar aban­do­na­dos.

“Aqui sou me­lhor cui­da­do. A fa­mí­lia não tem que pen­sar em mim, se an­do pe­la rua. Sa­bem que es­tou aqui e não têm ne­nhu­ma pre­o­cu­pa­ção”, re­la­tou Al­fre­do, de 94 anos, que fi­ca ins­ta­la­do no cen­tro Pun­ta Gor­da, um dos 31 da pro­vín­cia nos qu­ais mais de 700 ido­sos são as­sis­ti­dos.

Por uma quan­tia sim­bó­li­ca, eles re­ce­bem as re­fei­ções bá­si­cas, aten­di­men­to mé­di­co e pas­sam o dia acom­pa­nha­dos de pes­so­as na mes­ma si­tu­a­ção.

“Após des­je­ju­ar, fa­ze­mos exer­cí­ci­os, se não dói is­to ou ou­tra coi­sa. E to­dos os di­as vem uma en­fer­mei­ra pa­ra me­dir a pres­são an­tes e de­pois do exer­cí­cio”, con­tou Ai­da, de 82 anos.

Ma­ri Car­men Cho­vi­a­no, de 70 anos, que não tem fa­mí­lia pa­ra fi­car com ela, ven­deu a ca­sa e mu­dou-se pa­ra a re­si­dên­cia Ri­ta Suá­rez, um dos cin­co la­res de ido­sos de­sam­pa­ra­dos em Ci­en­fu­e­gos com 400 va­gas, on­de se sen­te “mais se­gu­ra e acom­pa­nha­da”.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.