Fer­di­nan­do Mar­cos pode ser en­ter­ra­do co­mo he­rói na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O ex-di­ta­dor fi­li­pi­no Fer­di­nand Mar­cos pode ser en­ter­ra­do no ce­mi­té­rio re­ser­va­do aos he­róis da na­ção, anun­ci­ou o Su­pre­mo Tri­bu­nal das Filipinas, nu­ma de­ci­são po­lé­mi­ca pe­los cri­mes de guer­ra atri­buí­dos ao fa­le­ci­do go­ver­nan­te.

A prin­ci­pal ju­ris­di­ção do país apro­vou por gran­de mai­o­ria a de­ci­são do pre­si­den­te fi­li­pi­no Ro­dri­go Du­ter­te de per­mi­tir a mu­dan­ça do cai­xão de Fer­di­nand Mar­cos (1917-1989) pa­ra o “Ce­mi­té­rio dos He­róis” de Ma­ni­la, anun­ci­ou o por­ta-voz do Tri­bu­nal, The­o­do­re Te.

O cor­po em­bal­sa­ma­do de Mar­cos en­con­tra-se ac­tu­al­men­te nu­ma crip­ta na re­si­dên­cia da fa­mí­lia na pro­vín­cia de Ilo­cos Nor­te, re­gião nor­te das Filipinas.

“Ne­nhu­ma lei proí­be es­te en­ter­ro”, afir­mou Te ao ler um re­su­mo da de­ci­são, que pro­vo­cou ce­nas de co­me­mo­ra­ção en­tre cen­te­nas de sim­pa­ti­zan­tes e par­ti­dá­ri­os de Mar­cos reu­ni­dos di­an­te da se­de do Su­pre­mo Tri­bu­nal.

Fer­di­nand Mar­cos, elei­to pre­si­den­te em 1965 e re­e­lei­to em 1969, de­cre­tou a lei mar­ci­al em 1972, ale­gan­do o perigo de uma re­be­lião co­mu­nis­ta.

A par­tir de en­tão go­ver­nou o país com mão de fer­ro até à re­vo­lu­ção de 1986, que o obri­gou a dei­xar o po­der e a fu­gir pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos com a fa­mí­lia.

Com o apoio dos Es­ta­dos Uni­dos, Mar­cos re­pri­miu com vi­o­lên­cia a opo­si­ção, in­clu­si­ve a mo­de­ra­da, sim­bo­li­za­da pe­lo se­na­dor Be­nig­no Aqui­no, cu­jo as­sas­si­na­to em 1983, quan­do re­gres­sa­vaa do exí­lio nos Es­ta­dos Uni­dos, pro­vo­cou a mo­bi­li­za­ção que cul­mi­nou com o fim da di­ta­du­ra.

Ao mes­mo tempo, os mei­os de co­mu­ni­ca­ção da­vam es­pa­ço ao cul­to da per­so­na­li­da­de do di­ta­dor e da sua es­po­sa Imel­da, co­nhe­ci­da pe­la vi­da lu­xu­o­sa e ex­tra­va­gan­te num país de ex­tre­ma po­bre­za. “O go­ver­no de Mar­cos foi de uma ex­cep­ci­o­nal vi­o­lên­cia”, es­cre­veu o pes­qui­sa­dor ame­ri­ca­no Al­fred McCoy.

Durante o go­ver­no de Fer­di­nand Mar­cos, as for­ças de se­gu­ran­ça ma­ta­ram 3.257 pes­so­as. Mui­tas ve­zes os cor­pos eram dei­xa­dos nas ru­as pa­ra ater­ro­ri­zar a po­pu­la­ção.

Além dis­so, 35 mil pes­so­as fo­ram tor­tu­ra­das e 70 mil so­fre­ram com a pri­são ar­bi­trá­ria, des­ta­cou McCoy.

Mar­cos, tam­bém acu­sa­do de se ter apro­pri­a­do de 10 mil mi­lhões de dó­la­res per­ten­cen­tes ao Es­ta­do, fa­le­ceu três anos mais tar­de, em 28 de Se­tem­bro de 1989, no Ha­vai.

De­pois da mor­te de Fer­di­nand Mar­cos, a fa­mí­lia foi au­to­ri­za­da a re­gres­sar às Filipinas e anos de­pois re­to­mou as ac­ti­vi­da­des po­lí­ti­cas.

Imel­da Mar­cos, viú­va de ex-di­ta­dor, nas­ci­da em 1929, foi elei­ta de­pu­ta­da em 1995. De­pois de uma pau­sa foi elei­ta no­va­men­te de­pu­ta­da em 2010 e re­e­lei­ta em Maio pas­sa­do pa­ra um ter­cei­ro man­da­to.

Imee Mar­cos, fi­lha do ca­sal, foi elei­ta go­ver­na­do­ra de Ilo­cos Nor­te. O fi­lho, Fer­di­nand Mar­cos Jr., foi de­pu­ta­do e se­na­dor.

Há vá­ri­os anos a fa­mí­lia Mar­cos or­ga­ni­za uma cam­pa­nha pa­ra que o pa­tri­ar­ca se­ja en­ter­ra­do no ce­mi­té­rio dos he­róis da na­ção, pe­di­do re­jei­ta­do pe­los pre­si­den­tes an­te­ri­o­res.

Mas a si­tu­a­ção mu­dou com o no­vo pre­si­den­te, Ro­dri­go Du­ter­te, elei­to em Maio com o apoio po­lí­ti­co e fi­nan­cei­ro do clã Mar­cos.

Ape­sar dos seus dis­cur­sos con­tra a cor­rup­ção, Du­ter­te sem­pre afir­mou que Fer­di­nand Mar­cos foi o me­lhor pre­si­den­te da his­tó­ria das Filipinas.

Fer­di­nand Mar­cos é con­si­de­ra­do o se­gun­do go­ver­nan­te mais cor­rup­to de to­dos os tem­pos pe­la or­ga­ni­za­ção Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal.

Em Agos­to, a Co­mis­são His­tó­ri­ca Na­ci­o­nal das Filipinas, um or­ga­nis­mo go­ver­na­men­tal, pro­nun­ci­ou­se con­tra a ideia da tras­la­da­ção.

“Mar­cos men­tiu so­bre as me­da­lhas ame­ri­ca­nas que di­zia ter re­ce­bi­do e o seu cur­ri­cu­lum mi­li­tar es­tá re­ple­to de mi­tos e in­co­e­rên­ci­as”, afir­mou a Co­mis­são.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.