Pro­pos­ta an­ti-imi­gra­ção re­jei­ta­da no Par­la­men­to

Jornal de Angola - - MUNDO -

O Par­la­men­to hún­ga­ro re­jei­tou on­tem a pro­pos­ta do Go­ver­no do pri­mei­ro-mi­nis­tro con­ser­va­dor Vik­tor Or­bán, de al­te­rar a Cons­ti­tui­ção pa­ra blo­que­ar qual­quer pla­no fu­tu­ro da União Eu­ro­peia de dis­tri­buir re­fu­gi­a­dos en­tre os Es­ta­dos-mem­bros.

Nu­ma ses­são trans­mi­ti­da em di­rec­to na te­le­vi­são, a pro­pos­ta re­co­lheu os vo­tos fa­vo­rá­veis de to­dos os 131 de­pu­ta­dos do par­ti­do no po­der, mas fi­cou a dois vo­tos de con­se­guir a mai­o­ria de dois ter­ços ne­ces­sá­ria pa­ra ser apro­va­da.

A pro­pos­ta do par­ti­do Fi­desz, de Or­ban, não ob­te­ve o apoio dos de­pu­ta­dos de es­quer­da nem dos da ex­tre­ma-di­rei­ta.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro con­ser­va­dor Vik­tor Or­ban de­ci­diu avan­çar com a pro­pos­ta, que tor­na­va ile­gal a re­lo­ca­li­za­ção de re­fu­gi­a­dos na Hungria por de­ci­são co­mu­ni­tá­ria, na sequên­cia de um re­fe­ren­do, re­a­li­za­do a 2 de Ou­tu­bro, no qu­al mais de 98 por cen­to dos elei­to­res apoi­a­ram a po­si­ção an­ti-imi­gra­tó­ria do Exe­cu­ti­vo.

No en­tan­to, a con­sul­ta foi in­va­li­da­da de­vi­do à ele­va­da abs­ten­ção.

Ain­da as­sim, Vik­tor Or­ban con­si­de­rou o re­sul­ta­do uma “vi­tó­ria es­ma­ga­do­ra” so­bre os “bu­ro­cra­tas de Bru­xe­las” e pro­me­teu mu­dar a Cons­ti­tui­ção da Hungria pa­ra “re­flec­tir a von­ta­de do po­vo”.

Uma se­ma­na de­pois, apre­sen­tou pes­so­al­men­te uma pro­pos­ta de al­te­ra­ção da Cons­ti­tui­ção pa­ra proi­bir a ins­ta­la­ção de imi­gran­tes sem a apro­va­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal e das au­to­ri­da­des lo­cais. A re­jei­ção de on­tem no Par­la­men­to é um ra­ro re­vés pa­ra o lí­der po­pu­lis­ta, que es­tá ha­bi­tu­a­do a con­se­guir o que quer des­de que ga­nhou as elei­ções de 2010 com uma es­ma­ga­do­ra mai­o­ria e vol­tou a ga­nhar em 2014.

Ob­ser­va­do­res cal­cu­lam que es­ta vo­ta­ção pode abrir es­pa­ço pa­ra um cres­cen­te combate po­lí­ti­co en­tre o par­ti­do Fi­desz e o Job­bik, na opo­si­ção, até às pró­xi­mas elei­ções ge­rais, em 2018. O par­ti­do an­ti-imi­gra­ção Job­bik foi um ali­a­do na­tu­ral de Vik­to Or­ban no ob­jec­ti­vo de im­pe­dir a ins­ta­la­ção re­fu­gi­a­dos em lar­ga es­ca­la, mas no iní­cio do mês deu uma re­vi­ra­vol­ta.

Ao de­tec­tar uma opor­tu­ni­da­de ra­ra de ga­nhar in­fluên­cia, o lí­der do Job­bik, Ga­bor Vo­na, anun­ci­ou que o par­ti­do só vo­ta­ria a favor da pro­pos­ta de Or­ban se o Go­ver­no de­sis­tis­se do con­tro­ver­so es­que­ma do ti­po dos "'vis­tos gold", di­ri­gi­do es­pe­ci­al­men­te a ci­da­dãos ri­cos pro­ve­ni­en­tes da Rús­sia, Chi­na e do Mé­dio Ori­en­te.

Job­bik de­fen­deu que o es­que­ma re­pre­sen­ta­va um ris­co pa­ra a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal que pode ser ex­plo­ra­do pe­los is­la­mi­tas do Es­ta­do Islâmico. O pri­mei­ro-mi­nis­tro con­se­va­dor Vik­tor Or­ban foi apa­nha­do des­pre­ve­ni­do pe­lo ul­ti­ma­to e co­me­çou por di­zer que vai con­si­de­rar a pro­pos­ta, mas aca­bou por anun­ci­ar no Par­la­men­to que o Go­ver­no “não ce­de à chan­ta­gem”.

Após a vo­ta­ção, os de­pu­ta­dos do do par­ti­do Job­bik exi­bi­ram um car­taz no qu­al se lia: “O trai­dor é aque­le que dei­xa en­trar ter­ro­ris­tas por di­nhei­ro”, com o sím­bo­lo do Fi­desz com le­tras ára­bes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.