Mi­lha­res fo­gem to­dos os di­as do Su­dão do Sul

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

Da­dos de Ou­tu­bro, di­vul­ga­dos na se­gun­da-fei­ra pe­la Agên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos (ACNUR), in­di­cam que, a ca­da dia, em mé­dia, 3,5 mil pes­so­as fo­gem do Su­dão do Sul pa­ra paí­ses vi­zi­nhos e de­mons­tram que o con­fli­to no país mais jo­vem do mun­do, que agra­vou pa­ra uma das mai­o­res cri­ses hu­ma­ni­tá­ri­as no mun­do, con­ti­nua a cau­sar so­fri­men­to e fu­ga das po­pu­la­ções.

AA­gên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos anun­ci­ou que a mai­o­ria des­tes des­lo­ca­dos fo­ge pa­ra o Ugan­da, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Etió­pia e Su­dão, paí­ses que ten­tam cri­ar con­di­ções pa­ra os re­cém-che­ga­dos, dos qu­ais no­ve em ca­da 10 são mu­lhe­res e cri­an­ças.

Os re­fu­gi­a­dos re­cém-che­ga­dos, ad­ver­te a Agên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos, têm de­nun­ci­a­do as­sé­dio a ci­vis por par­te de gru­pos ar­ma­dos, mor­tes e tor­tu­ra de pes­so­as sus­pei­tas de apoi­a­rem fac­ções ri­vais, as­sim co­mo vi­o­lên­cia se­xu­al a mu­lhe­res e me­ni­nas e re­cru­ta­men­to for­ça­do de homens e me­ni­nos.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, se­gun­do a agên­cia, re­fu­gi­a­dos têm usa­do ca­da vez mais pon­tos in­for­mais de tra­ves­sia de fron­tei­ras, por a pre­sen­ça de homens ar­ma­dos im­pe­dir que as pes­so­as usem as prin­ci­pais es­tra­das.

Mui­tos re­fu­gi­a­dos con­ta­ram ter an­da­do pe­lo ma­to por di­as, mui­tas ve­zes sem co­mi­da ou água.

O aler­ta do Agên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos é fei­to após uma in­ves­ti­ga­ção in­de­pen­den­te con­cluir que a Mis­são das Na­ções Uni­das no Su­dão do Sul (Un­miss) “não res­pon­deu de for­ma ade­qua­da” pa­ra con­tro­lar a vi­o­lên­cia que as­so­lou a ca­pi­tal sul-su­da­ne­sa, Ju­ba, en­tre os di­as oi­to e 25 de Ju­lho.

Fra­cas­so da ONU

Os re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção cons­tam de um re­la­tó­rio pre­pa­ra­do por uma equi­pa cri­a­da pa­ra in­ves­ti­gar in­ci­den­tes ocor­ri­dos na­que­le pe­río­do, e su­ge­rem que a res­pos­ta ine­fi­ci­en­te de­veu-se “à fal­ta de li­de­ran­ça, pre­pa­ra­ção e in­te­gra­ção dos in­te­gran­tes da mis­são”. A equi­pa con­cluiu, tam­bém, que os sis­te­mas de con­tro­lo e co­man­do fo­ram ina­de­qua­dos e os sol­da­dos “pre­fe­ri­ram não to­mar ac­ção pa­ra evi­tar co­me­ter er­ros”.

Durante três di­as, é re­fe­ri­do no re­la­tó­rio in­de­pen­den­te, pe­lo me­nos 73 pes­so­as fo­ram mor­tas, en­tre as qu­ais mais de 20 des­lo­ca­dos in­ter­nos que es­ta­vam nas áre­as de pro­tec­ção de ci­vis. Tam­bém mor­re­ram dois sol­da­dos das tro­pas de paz e vá­ri­os fi­ca­ram fe­ri­dos.

Além dis­so, 182 ins­ta­la­ções na área da Ca­sa da ONU em Ju­ba fo­ram atin­gi­das por ti­ros, mor­tei­ros e gra­na­das, re­fe­ri­ram os in­ves­ti­ga­do­res, que re­co­men­da­ram “o afas­ta­men­to ime­di­a­to” do co­man­dan­te da for­ça mi­li­tar da Un­miss, ge­ne­ral John­son On­di­e­ki. Os in­ves­ti­ga­do­res acres­cen­ta­ram que sol­da­dos e po­lí­ci­as da mis­são das Na­ções Uni­das re­lu­ta­vam em se­guir o man­da­to pa­ra pro­te­ger os ci­vis. “Ha­via uma fal­ta de co­nhe­ci­men­to so­bre o man­da­to da ONU, so­bre as re­gras de con­tac­to e uso de ar­mas de fo­go e da for­ça”, afir­mou o che­fe da equi­pa, ge­ne­ral Pa­trick Cam­ma­ert.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral ces­san­te da ONU exo­ne­rou o co­man­dan­te da for­ça da or­ga­ni­za­ção no Su­dão do Sul, co­mo re­co­men­dou o re­la­tó­rio.

Re­tó­ri­ca de ódio

Tam­bém em Ou­tu­bro, o al­to co­mis­sa­ri­a­do da ONU pa­ra Di­rei­tos Hu­ma­nos aler­tou pa­ra “um au­men­to alar­man­te" no dis­cur­so de ódio e in­ci­ta­men­to à vi­o­lên­cia con­tra cer­tos gru­pos ét­ni­cos no Su­dão do Sul, que, se não for con­tro­la­do por lí­de­res co­mu­ni­tá­ri­os e po­lí­ti­cos “nos ní­veis mais al­tos”, pode in­cen­ti­var “atro­ci­da­des em mas­sa”.

Na al­tu­ra, um co­mu­ni­ca­do do al­to co­mis­sa­ri­a­do re­fe­riu que nas úl­ti­mas du­as se­ma­nas, cartas com aler­tas grá­fi­cos de vi­o­lên­cia a pes­so­as da re­gião de Equa­tó­ria fo­ram dei­xa­das per­to de ins­ti­tui­ções hu­ma­ni­tá­ri­as em Aweil Oes­te, no nor­des­te do país.

As cartas, atri­buí­das à co­mu­ni­da­de Din­ka, que do­mi­na po­lí­ti­ca e eco­no­mi­ca­men­te o Su­dão do Sul, exor­ta­vam os equa­to­ri­a­nos a “saí­rem ou se­rem eli­mi­na­dos” de­pois que do as­sas­si­na­to de um nú­me­ro não con­fir­ma­do de ci­vis da et­nia que vi­a­ja­vam de au­to­car­ro pa­ra Ju­ba em 8 de Ou­tu­bro, dois di­as an­tes de um ataque a três au­to­car­ros.

A re­tó­ri­ca de ódio no Su­dão do Sul, se ex­plo­ra­da por pro­pó­si­tos po­lí­ti­cos, pode ter con­sequên­ci­as ar­ra­sa­do­ras pa­ra co­mu­ni­da­des in­tei­ras e se tor­nar um ci­clo de ata­ques de vin­gan­ça, aler­tou o al­to co­mis­sá­rio da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Zeid Al Hus­sein ins­tou o Pre­si­den­te sul-su­da­nês, Sal­va Ki­ir, e os lí­de­res po­lí­ti­cos e co­mu­ni­tá­ri­os a con­de­nar o in­ci­ta­men­to à vi­o­lên­cia “ur­gen­te­men­te e de for­ma inequí­vo­ca” e to­mar me­di­das rá­pi­das pa­ra re­du­zir as ten­sões. “Um pas­so im­por­tan­te era in­ves­ti­gar de for­ma rá­pi­da e trans­pa­ren­te a vi­o­lên­cia dos di­as 8 e 10 de Ou­tu­bro e res­pon­sa­bi­li­zar cri­mi­nal­men­te os res­pon­sá­veis”, con­cluiu Zeid Al Hus­sein.

AFP

Agên­cia da ONU pa­ra os Re­fu­gi­a­dos aler­ta que no­ve em ca­da dez sul-su­da­ne­ses que fo­gem pa­ra paí­ses vi­zi­nhos são mu­lhe­res e cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.