Can­cro da ma­ma con­ti­nua a ser pre­o­cu­pa­ção

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

O can­cro da ma­ma con­ti­nua a ser uma gran­de pre­o­cu­pa­ção, por pro­vo­car uma gran­de ta­xa de mor­ta­li­da­de, prin­ci­pal­men­te em mu­lhe­res, de­cla­rou on­tem, em Lu­an­da, a on­co­lo­gis­ta Al­ber­ti­na Ma­na­ça.

A mé­di­ca, que tra­ba­lha no Ins­ti­tu­to An­go­la­no do Con­tro­lo do Can­cro, dis­se, em de­cla­ra­ções à An­gop, que, di­a­ri­a­men­te, são di­ag­nos­ti­ca­dos seis no­vos ca­sos e aler­tou que a pre­ven­ção ain­da con­ti­nua a ser a cha­ve pri­mor­di­al. A do­en­ça, acres­cen­tou, pode ser di­ag­nos­ti­ca­da com ape­nas um au­to-exa­me.

As mu­lhe­res em ida­de fér­til de­vem efec­tu­ar o au­to-exa­me da ma­ma uma vez por mês, três a cin­co di­as de­pois do apa­re­ci­men­to da mens­tru­a­ção, a fim de ser iden­ti­fi­ca­da ra­pi­da­men­te qual­quer ano­ma­lia.

A mé­di­ca sa­li­en­tou que o au­to­e­xa­me pode ser fei­to di­an­te do es­pe­lho e com os bra­ços ao lon­go do cor­po, po­den­do a mu­lher re­pa­rar se há mo­di­fi­ca­ções no con­tor­no dos sei­os.

Durante o ba­nho, de pre­fe­rên­cia, e em pé, a mu­lher de­ve des­li­zar as mãos so­bre as ma­mas, co­mo tam­bém pode fi­car dei­ta­da, com uma al­mo­fa­da de­bai­xo do om­bro, pa­ra ve­ri­fi­car se pa­de­ce ou não da do­en­ça. Nu­ma des­sas po­si­ções, a mu­lher pode no­tar sin­to­mas co­mo dor, ca­ro­ço, saí­da de lí­qui­do no ma­mi­lo, al­te­ra­ção na pe­le e ín­gua.

“A fal­ta de co­nhe­ci­men­tos faz com que mui­tas mu­lhe­res te­nham um di­ag­nós­ti­co tar­dio, quan­do atra­vés de um to­que sim­ples a do­en­ça pode ser di­ag­nos­ti­ca­da”, afir­mou a mé­di­ca, pa­ra qu­em o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de cu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.