Ban­da Ma­ra­vi­lha no Bra­sil

Jornal de Angola - - CULTURA - ROQUE SILVA |

A Ban­da Ma­ra­vi­lha é o con­jun­to an­go­la­no convidado pa­ra o con­cer­to de hoje, em Sal­va­dor, ca­pi­tal do es­ta­do da Bahia, no Bra­sil, pa­ra ce­le­brar os 41 anos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e os 17 anos da Ca­sa de An­go­la lo­cal, a as­si­nar-se na sex­ta-fei­ra.

O con­cer­to ao ar li­vre re­a­li­za-se no Lar­go Te­re­za Ba­tis­ta, no bair­ro Pe­lou­ri­nho, lo­ca­li­za­do na co­nhe­ci­da ci­da­de mais ne­gra do mun­do fo­ra de Áfri­ca, e tem a par­ti­ci­pa­ção do mú­si­co bra­si­lei­ro Edu Ca­sa­no­va.

Con­si­de­ra­do um dos con­jun­tos an­go­la­nos mais pro­fis­si­o­nais da ac­tu­a­li­da­de, o gru­po que além das su­as cri­a­ções se as­su­me com uma ex­ce­len­te ban­da de acom­pa­nha­men­to e in­ter­pre­ta­ção de te­mas de ou­tros ar­tis­tas, con­cen­tra a per­for­man­ce no seu re­per­tó­rio, as­sen­te no sem­ba.

Mo­rei­ra Fi­lho (bai­xo e voz), Ma­ri­to Fur­ta­do (ba­te­ria), Mi­quei­as Ra­mi­ro (te­cla­dos e voz) e Isaú Bap­tis­ta (gui­tar­ra e voz), for­ma­ção ac­tu­al da Ban­da Ma­ra­vi­lha, le­va ao Bra­sil uma mão-cheia de su­ces­sos en­tre os qu­ais “Meu amor da rua 11”, “Pa­la­me” e “Re­bi­ta”, do ál­bum An­go­la Ma­ra­vi­lha (1997), “Ngui­ta­bué” e “Ngu­xi”, de Sem­ba Lu­an­da (2001).

A mu­si­ca­li­da­de da Ban­da Ma­ra­vi­lha é co­nhe­ci­da pe­los bra­si­lei­ros, so­bre­tu­do os re­si­den­tes da Bahía, pois a sua pre­sen­ça es­tá lon­ge de ser uma es­treia. Os “Em­bai­xa­do­res do Sem­ba” es­ti­ve­ram es­te ano em Sal­va­dor, durante a di­gres­são que o gru­po re­a­li­zou no Bra­sil, por al­tu­ra dos Jo­gos Olím­pi­cos. A ban­da re­a­li­zou um con­cer­to no mes­mo es­pa­ço que se vai apre­sen­tar hoje, durante a qu­al es­te­ve acom­pa­nha­da de Ki­zua Gour­gel.

O se­gun­do dis­co da ban­da “Sem­ba Lu­an­da” foi um dos mais ven­di­dos em 2002, mo­ti­vo que le­vou ao re­co­nhe­ci­men­to da pro­du­ção do Top dos Mais Qu­e­ri­dos nes­te mes­mo ano, com uma men­ção hon­ro­sa.

O Pré­mio Na­ci­o­nal de Cul­tu­ra e Ar­tes 2005, na ca­te­go­ria de Mú­si­ca, é o mais im­por­tan­te tro­féu na­ci­o­nal con­quis­ta­do pe­la ban­da. “Zun­guei­ra” (2005), com par­ti­ci­pa­ção dos mú­si­cos bra­si­lei­ros Mar­ga­reth Me­ne­zes, Ser­gi­nho Trom­bo­ne, De­me­trio Be­zer­ra e o sa­xo­fo­nis­ta Leo Gan­del­menn e “A Ma­ra­vi­lha e os Kam­bas” (2006), com par­ti­ci­pa­ção de Ti­to Pa­ris.

A Ban­da Ma­ra­vi­lha sur­giu em 1993, da jun­ção de con­sa­gra­dos mú­si­cos, que se en­con­tra­vam dis­per­sos na sequên­cia do con­fli­to ci­vil de 1992. A ban­da pas­sou por vá­ri­as me­ta­mor­fo­ses, com a saí­da de al­guns co-fun­da­do­res e a in­clu­são e pas­sa­gem jo­vens ar­tis­tas.

PAULINO DAMIÃO

Ban­da Ma­ra­vi­lha dá o con­cer­to des­ta noi­te ba­se­a­do no seu vas­to re­per­tó­rio as­sen­te no sem­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.