Es­ti­lo di­fe­ren­te da Pre­mi­er di­fi­cul­ta vi­da a Ibrahi­mo­vic

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Con­tra­ta­do pa­ra ser uma das gran­des es­tre­las da era Jo­sé Mou­ri­nho no Man­ches­ter Uni­ted, Ibrahi­mo­vic as­su­miu a ca­mi­so­la 9 da equi­pa, es­ta­be­le­ceu-se co­mo ti­tu­lar ab­so­lu­to des­de o co­me­ço da épo­ca, mas ain­da não mos­trou as cre­den­ci­ais que o tor­na­ram um dos me­lho­res jo­ga­do­res do mun­do.

E o su­e­co dei­xou a vai­da­de de la­do ao fa­zer uma aná­li­se dos pri­mei­ros me­ses no clu­be, ad­mi­tin­do que pode me­lho­rar o seu de­sem­pe­nho e atri­buin­do a di­fi­cul­da­de ao es­ti­lo di­fe­ren­te da Pre­mi­er Le­a­gue.

“Acho que po­dia ter mar­ca­do al­guns go­los a mais do que fiz. Per­di opor­tu­ni­da­des mui­to bo­as que eu não me via a per­der. Mas é um jo­go di­fe­ren­te aqui (na In­gla­ter­ra). É di­fe­ren­te com­pa­ra­do às ou­tras de an­tes. Quan­do você jo­ga aqui, não há uma equi­pa que con­tro­la. É ataque e de­fe­sa, ataque e de­fe­sa, ataque e de­fe­sa. É as­sim que o jo­go é, você tem que se acos­tu­mar com is­so. Es­tou fe­liz com o meu de­sem­pe­nho. Sei que pos­so fa­zer mais, sei que a equi­pa pode dar mais e qu­e­ro e irei dar mais”, dis­se à “In­si­de Uni­ted”, re­vis­ta ofi­ci­al do clu­be in­glês.

Ibra che­gou a fi­car mais de um mês sem balançar as re­des, des­per­tan­do no úl­ti­mo do­min­go, quan­do mar­cou dois go­los na vi­tó­ria, por 3-1, so­bre o Swan­sea - que tam­bém deu fim à sequên­cia de qua­tro jo­gos sem vi­tó­ria do Uni­ted. O se­gun­do go­lo do as­tro foi o 400.º da sua car­rei­ra por clu­bes - e o seu oi­ta­vo em 17 jo­gos pe­los Di­a­bos Ver­me­lhos.

O su­e­co tam­bém co­men­tou o mo­men­to de di­fi­cul­da­de vi­vi­do pe­la equi­pa sob o co­man­do de Jo­sé Mou­ri­nho, que es­tá a ser pres­si­o­na­do por conta da sex­ta po­si­ção do Cam­pe­o­na­to In­glês e a dis­tân­cia de seis pon­tos pa­ra o Ar­se­nal, quar­to co­lo­ca­do e úl­ti­mo da zo­na de clas­si­fi­ca­ção pa­ra a Li­ga dos Cam­peões. Ibra mos­trou-se ani­ma­do pa­ra o res­tan­te da épo­ca.

“Te­mos uma mes­cla de ida­des, jo­ga­do­res ex­pe­ri­en­tes e jo­vens. A qua­li­da­de es­tá nis­so. Acho que po­de­mos al­can­çar gran­des ob­jec­ti­vos. Eu dis­se de­pois do jo­go con­tra o Li­ver­po­ol e já ti­nha di­to an­tes que ape­nas pre­ci­sa­mos de en­con­trar o “click” que nos di­fe­ren­cia dos ou­tros. A ca­da dia que pas­sa mais co­nhe­ce­mos os ou­tros e is­so tor­na-nos uma fa­mí­lia. sa­be­mos do que pre­ci­sa­mos. Sei o que eu pre­ci­so fa­zer pa­ra ti­rar o má­xi­mo dos meus com­pa­nhei­ros eé a mes­ma coi­sa do ou­tro la­do. Eles sa­bem o que pre­ci­sam ti­rar de mim. As pe­ças es­tão lá, nós só pre­ci­sa­mos jun­tar o que­bra-ca­be­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.