Or­ça­men­to tem re­cur­sos pa­ra ala­van­car a in­dús­tria

Do­cu­men­to vai a de­ba­te e vo­ta­ção na ses­são par­la­men­tar da pró­xi­ma quin­ta-fei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - ADE­LI­NA INÁ­CIO |

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, as­se­gu­rou on­tem que o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra o pró­xi­mo ano é de­ci­si­vo pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e in­dus­tri­a­li­za­ção do país, já que di­rec­ci­o­na re­cur­sos pa­ra pro­jec­tos ge­ra­do­res de in­ves­ti­men­to sus­ten­tá­vel, me­lho­ria da cir­cu­la­ção mer­can­til, ex­pan­são da pro­du­ção in­ter­na e pro­mo­ção das ex­por­ta­ções. Ar­cher Man­guei­ra, que fa­la­va du­ran­te a reu­nião que apro­vou o re­la­tó­rio pa­re­cer con­jun­to da pri­mei­ra e quin­ta co­mis­sões da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, des­ta­cou tam­bém a re­mo­ção de cons­tran­gi­men­tos e as ope­ra­ções fun­da­men­tais das em­pre­sas, em par­ti­cu­lar as uni­da­des agrí­co­las. O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano pre­vê re­cei­tas fis­cais na or­dem de 3.667.8 mi­lhões de kwan­zas e des­pe­sas fis­cais fi­xa­das em 4.807 mi­lhões de kwan­zas, cor­res­pon­den­do a 18,6 e 24,6 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), re­sul­tan­do num dé­fi­ce glo­bal de 1.139, 8 mi­lhões de kwan­zas.

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano é de­ci­si­vo pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca e in­dus­tri­a­li­za­ção do país, já que es­ta­be­le­ce re­cur­sos pa­ra pro­jec­tos ge­ra­do­res de in­ves­ti­men­to sus­ten­tá­vel, me­lho­ria da cir­cu­la­ção mer­can­til, ex­pan­são da pro­du­ção in­ter­na e pro­mo­ção das ex­por­ta­ções, dis­se o mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Em de­cla­ra­ções on­tem, na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, du­ran­te a reu­nião que apro­vou o re­la­tó­rio pa­re­cer con­jun­to da pri­mei­ra e quin­ta co­mis­sões, Ar­cher Man­guei­ra des­ta­cou tam­bém a re­mo­ção de cons­tran­gi­men­tos e as ope­ra­ções fun­da­men­tais das em­pre­sas, em par­ti­cu­lar as uni­da­des agrí­co­las.

Além dis­so, su­bli­nhou as me­di­das pa­ra a apli­ca­ção eco­nó­mi­ca dos re­cur­sos das fa­mí­li­as, au­men­to da efi­ci­ên­cia das ins­ti­tui­ções, pa­ra ga­ran­tir se­gu­ran­ça co­mer­ci­al, re­du­zir cus­tos das tran­sac­ções e con­so­li­dar um sis­te­ma fi­nan­cei­ro que ga­ran­ta a es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra.

Ar­cher Man­guei­ra as­se­gu­rou que o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do vai ga­ran­tir a sus­ten­ta­bi­li­da­de e a es­ta­bi­li­da­de dos gran­des agre­ga­dos e equi­lí­bri­os ma­cro­e­co­nó­mi­cos e so­ci­ais. O re­la­tó­rio con­jun­to re­ce­beu 19 vo­tos a fa­vor e qua­tro abs­ten­ções, du­ran­te a reu­nião em que es­ti­ve­ram pre­sen­tes os mi­nis­tros do Pla­ne­a­men­to e De­sen­vol­vi­men­to Ter­ri­to­ri­al, dos As­sun­tos Par­la­men­ta­res, o go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Or­ça­men­to.

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano pre­vê re­cei­tas fis­cais na or­dem de 3.667.8 mi­lhões de kwan­zas e des­pe­sas fis­cais fi­xa­das em 4.807 mi­lhões de kwan­zas, cor­res­pon­den­do a 18,6 e 24,6 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, re­sul­tan­do num dé­fi­ce glo­bal de 1.139, 8 mi­lhões de kwan­zas.

As re­cei­tas fis­cais pre­vis­tas es­tão na or­dem de 4.164, 36 mi­lhões de kwan­zas, sen­do que as re­cei­tas glo­bais es­tão ava­li­a­das em 7.307. 89 mi­lhões de kwan­zas. Pa­ra equi­li­brar as con­tas, o en­di­vi­da­men­to es­tá ava­li­a­do em 3.142,44 mi­lhões de kwan­zas. As pre­vi­sões apon­tam pa­ra uma me­lho­ria do de­sem­pe­nho da eco­no­mia na­ci­o­nal em 2017, com uma ta­xa de cres­ci­men­to re­al de 2,1 por cen­to, de­ven­do o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro cres­cer 1,8 por cen­to e o não pe­tro­lí­fe­ro 2,3 por cen­to. O Or­ça­men­to tem co­mo pon­to de re­fe­rên­cia um pre­ço mé­dio de pe­tró­leo de 46 dó­la­res por bar­ril e de­fi­ne uma ta­xa de in­fla­ção de 15,8 por cen­to. As prin­ci­pais di­nâ­mi­cas sec­to­ri­ais, pre­vis­tas pa­ra 2017 são: No sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, a pro­du­ção vai si­tu­ar-se em 662,2 mi­lhões de bar­ris que cor­res­pon­de a uma pro­du­ção mé­dia diá­ria de 1.814,3 mi­lhões de bar­ris. As pers­pec­ti­vas de cres­ci­men­to pa­ra o sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro re­sul­tam da com­bi­na­ção do cres­ci­men­to po­si­ti­vo es­pe­ra­do nos sec­to­res da Ener­gia, com 40,2 por cen­to, Agri­cul­tu­ra, com 7,3 por cen­to, Pes­cas, 2,3 por cen­to, Cons­tru­ção, com 2,3 por cen­to, e In­dús­tria Trans­for­ma­do­ra, com 4 por cen­to.

Des­pe­sas com o sec­tor so­ci­al

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças re­al­çou que a des­pe­sa com o sec­tor so­ci­al e com o eco­nó­mi­co per­fa­zem 55,2 por cen­to das des­pe­sas to­tais, fi­xan­do-se em cer­ca de 2.739,99 mil mi­lhões de kwan­zas, en­quan­to as res­tan­tes per­fa­zem 44,8 por cen­to da des­pe­sa to­tal.

Nas des­pe­sas por fun­ção, os Ser­vi­ços Pú­bli­cos ge­rais con­tam com 24,52 por cen­to, o sec­tor So­ci­al com 38,54 por cen­to, pa­ra o sec­tor eco­nó­mi­co 16,61 por cen­to, De­fe­sa, Se­gu­ran­ça e Or­dem Pú­bli­ca com 20,33 por cen­to.

Ar­cher Man­guei­ra jus­ti­fi­cou o pe­so do sec­tor so­ci­al com a im­por­tân­cia da ma­nu­ten­ção e fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções dos ser­vi­ços pú­bli­cos de Saú­de, Edu­ca­ção, As­sis­tên­cia So­ci­al à cri­an­ça e ido­sos.

Ao com­pa­rar com o OGE de 2016, o mi­nis­tro adi­an­tou que o do pró­xi­mo ano re­flec­te um ce­ná­rio mais op­ti­mis­ta, pre­ven­do um cres­ci­men­to da des­pe­sa to­tal no va­lor de 7,2 por cen­to. O OGE pre­vê uma re­du­ção de 19,3 por cen­to das des­pe­sas com sub­sí­di­os aos pre­ços dos com­bus­tí­veis com­pa­ra­ti­va­men­te ao OGE re­vis­to de 2016.

O do­cu­men­to, que vai a vo­ta­ção no dia 17, tem co­mo pre­mis­sas a es­ta­bi­li­za­ção, di­na­mi­za­ção e sus­ten­ta­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal. Ar­cher Man­guei­ra lem­brou ain­da que as linhas de ori­en­ta­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país es­tão de­fi­ni­das na “Es­tra­té­gia - An­go­la 25”, cu­ja im­ple­men­ta­ção é fei­ta atra­vés da pros­se­cu­ção das me­tas de­fi­ni­das no Pla­no Anu­al de De­sen­vol­vi­men­to pa­ra o pe­río­do 2013-2017.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças afir­mou que, ape­sar da con­jun­tu­ra res­tri­ti­va, as op­ções or­ça­men­tais pa­ra 2017 con­gre­gam um con­jun­to de pro­gra­mas e pro­jec­tos ajus­ta­dos em li­nha com o pre­vis­to no Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to.

SAN­TOS PE­DRO

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças pres­tou es­cla­re­ci­men­tos aos de­pu­ta­dos da pri­mei­ra e quin­ta co­mis­são da As­sem­bleia Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.