A pro­mo­ção da igual­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Na nos­sa Cons­ti­tui­ção fi­gu­ra um prin­cí­pio fun­da­men­tal que é o da igual­da­de. Diz es­te prin­cí­pio ( art 23º, nº 1) que “to­dos são iguais pe­ran­te a Cons­ti­tui­ção e a lei”. O nú­me­ro 2 do mes­mo ar­ti­go da nos­sa Lei Fun­da­men­tal dis­põe que “nin­guém po­de ser pre­ju­di­ca­do, pri­vi­le­gi­a­do, pri­va­do de qual­quer di­rei­to ou isen­to de qual­quer de­ver em ra­zão da sua as­cen­dên­cia, se­xo, ra­ça, et­nia, cor, de­fi­ci­ên­cia, lín­gua, lo­cal de nas­ci­men­to, re­li­gião, con­vic­ções po­lí­ti­cas, ide­o­ló­gi­cas ou fi­lo­só­fi­cas, grau de ins­tru­ção, con­di­ção eco­nó­mi­ca ou so­ci­al ou pro­fis­são”.

O prin­cí­pio da igual­da­de ,plas­ma­do na Cons­ti­tui­ção, tem de sus­ci­tar a ini­ci­a­ti­va do le­gis­la­dor or­di­ná­rio pa­ra, por via da lei, re­gu­lar uma sé­rie de si­tu­a­ções que ca­re­cem de re­gu­la­men­ta­ção, de mo­do a sal­va­guar­dar di­rei­tos, in­te­res­ses, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as de mui­tos ci­da­dãos.

O le­gis­la­dor or­di­ná­rio an­go­la­no en­ten­deu, e bem, na pers­pec­ti­va da con­cre­ti­za­ção do prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da igual­da­de, pro­du­zir le­gis­la­ção pa­ra a pro­tec­ção de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, grá­vi­das, obe­sos e ido­sos.

Não po­de­mos dei­xar de fa­zer re­fe­rên­cia a um im­por­tan­te ins­tru­men­to le­gal que pro­te­ge pes­so­as que se en­con­tram na­que­la con­di­ção. Tra­ta-se da lei das aces­si­bi­li­da­des, um di­plo­ma que vi­sa pro­te­ger a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

Te­mos de con­ti­nu­ar a lu­tar pa­ra ser­mos uma so­ci­e­da­de in­clu­si­va, que de­ve com­ba­ter a dis­cri­mi­na­ção de qual­quer es­pé­cie. Te­mos de cons­truir to­dos uma so­ci­e­da­de so­li­dá­ria em que ca­da um de nós de­ve ser sen­sí­vel a li­mi­ta­ções de na­tu­re­za fí­si­ca de mui­tos dos nos­sos com­pa­tri­o­tas. Não de­ve­mos per­der de vis­ta um ou­tro prin­cí­pio fun­da­men­tal da nos­sa Cons­ti­tui­ção que es­ta­be­le­ce que “An­go­la é uma Re­pú­bli­ca so­be­ra­na e in­de­pen­den­te, ba­se­a­da na dig­ni­da­de da pes­so­as hu­ma­na (...)”.

O res­pei­to pe­la pes­soa hu­ma­na de­ve ser uma prá­ti­ca rei­te­ra­da dos mem­bros da nos­sa so­ci­e­da­de e das nos­sas ins­ti­tui­ções. O le­gis­la­dor or­di­ná­rio fez a sua par­te ao pro­du­zir a lei das aces­si­bi­li­da­des. Im­por­ta ago­ra que as en­ti­da­des com­pe­ten­tes a apli­quem de mo­do a que as su­as nor­mas se­jam cum­pri­das e se tra­du­zam de fac­to em be­ne­fí­cio pa­ra to­dos os que te­nham de­fi­ci­ên­cia ou se­jam ido­sos, obe­sos e grá­vi­das.

Não de­ve­mos li­mi­tar-nos a fa­zer mui­tas bo­as leis. Te­mos de pas­sar a apli­cá-las de fac­to. Co­mo dis­se a se­cre­tá­ria de Es­ta­do da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al, Ma­ria da Luz, “o prin­cí­pio da in­clu­são pres­su­põe mu­dan­ça de men­ta­li­da­des, de ati­tu­des, de com­por­ta­men­tos”.

Ma­ria da Luz quis cha­mar a aten­ção pa­ra que se olhe pa­ra as pes­so­as que ca­re­cem de pro­tec­ção es­pe­ci­al, por vir­tu­de das su­as li­mi­ta­ções fí­si­cas. Há ain­da no país em­pre­sas, por exem­plo, que não con­tra­tam pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, mes­mo que te­nham com­pe­tên­ci­as pro­fis­si­o­nais pa­ra re­a­li­zar es­ta ou aque­la ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va .

Há inú­me­ros exem­plos no mun­do de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia que aju­dam em­pre­sas a con­se­guir bons re­sul­ta­dos. O que acon­te­ce no nos­so país é que há em­pre­sas que ain­da vêem os nos­sos com­pa­tri­o­tas com de­fi­ci­ên­cia co­mo um far­do.

Por is­so, não bas­ta ter­mos a lei das aces­si­bi­li­da­des. É im­por­tan­te que ha­ja mu­dan­ças no tra­ta­men­to que se dá aos nos­sos com­pa­tri­o­tas com de­fi­ci­ên­cia. Ma­ria da Luz su­bli­nha que “com a lei das aces­si­bi­li­da­des, pro­mo­ve-se a igual­da­de, a par­ti­ci­pa­ção, as opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, edu­ca­ção, pro­tec­ção so­ci­al e a saú­de, ta­re­fa es­ta dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos, or­ga­nis­mos pú­bli­cos , Exe­cu­ti­vo, igre­jas e so­ci­e­da­de ci­vil”.

Ten­do em con­ta a im­por­tân­cia da lei das aces­si­bi­li­da­des, con­vém que es­te di­plo­ma le­ga­do se­ja am­pla­men­te di­vul­ga­do, em par­ti­cu­lar em em­pre­sas (pú­bli­cas e pri­va­das). O nú­me­ro de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia em An­go­la jus­ti­fi­ca que se le­ve a lei ao co­nhe­ci­men­to de mui­tas pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas. A Lei Fun­da­men­tal dis­põe, a pro­pó­si­to, que o Es­ta­do adop­ta po­lí­ti­cas vi­san­do a sen­si­bi­li­za­ção da so­ci­e­da­de em re­la­ção aos de­ve­res de in­clu­são, res­pei­to e so­li­da­ri­e­da­de em re­la­ção aos ci­da­dãos com de­fi­ci­ên­cia.

Sa­be-se que cer­ca de 180 mil pes­so­as vi­vem com de­fi­ci­ên­cia no país, se­gun­do da­dos da Fe­de­ra­ção das Pes­so­as com De­fi­ci­ên­cia (FAPED). Va­le­ri­a­no David, se­cre­tá­rio pa­ra a Ad­mi­nis­tra­ção e Fi­nan­ças da FAPED, dis­se que es­ta ins­ti­tui­ção con­ti­nu­a­rá a tra­ba­lhar no ca­das­tra­men­to de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, pa­ra que no se­gun­do se­mes­tre do pró­xi­mo ano ha­ja um nú­me­ro de­fi­ni­ti­vo.

É bom que se sai­ba o nú­me­ro re­al de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, pa­ra que mais an­go­la­nos nes­sa con­di­ção pos­sam usu­fruir de di­rei­tos que a lei das aces­si­bi­li­da­des lhes con­fe­re. Es­ta­mos a cons­truir uma so­ci­e­da­de que vi­sa a pros­pe­ri­da­de. Es­te pro­ces­so de­ve tam­bém con­tar com o con­tri­bu­to dos nos­sos com­pa­tri­o­tas com de­fi­ci­ên­cia. É pre­ci­so que se com­ba­tam per­ma­nen­te­men­te ac­tos de dis­cri­mi­na­ção de pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia. Nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção (art 83º), “o Es­ta­do adop­ta uma po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de pre­ven­ção, tra­ta­men­to, re­a­bi­li­ta­ção e in­te­gra­ção dos ci­da­dãos com de­fi­ci­ên­cia, de apoio às su­as fa­mí­li­as e de re­mo­ção de obs­tá­cu­los à sua mo­bi­li­da­de”.

Qui­sa­ca e ve­ne­no

Em tem­pos, a so­ci­e­da­de fi­cou cho­ca­da com in­for­ma­ções so­bre a mor­te de mem­bros de uma fa­mí­lia na ci­da­de de Ca­xi­to por cau­sa de in­to­xi­ca­ção ali­men­tar.

Aven­tou-se a hi­pó­te­se de os mes­mos te­rem ale­ga­da­men­te mor­ri­do em con­sequên­cia de su­pos­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.