Re­du­ção de cus­tos au­men­ta as re­cei­tas

Pe­tro­lí­fe­ra anun­cia pou­pan­ças mi­li­o­ná­ri­as com a trans­for­ma­ção dos me­ca­nis­mos de ges­tão

Jornal de Angola - - PARTADA -

A Sonangol pou­pa 240 mi­lhões de dó­la­res por ano mer­cê das me­di­das apro­va­das pe­lo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da pe­tro­lí­fe­ra nos pri­mei­ros cin­co me­ses do seu man­da­to.

A Sonangol pou­pa 240 mi­lhões de dó­la­res (mais de 40 mil mi­lhões de kwan­zas) por ano mer­cê das me­di­das apro­va­das pe­lo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção nos pri­mei­ros cin­co me­ses do seu man­da­to, no­ti­ci­ou a An­gop.

Um co­mu­ni­ca­do da com­pa­nhia in­di­ca que o prog­nós­ti­co des­ta pou­pan­ça é ine­ren­te às des­pe­sas e de­cor­re de um pro­ces­so de trans­for­ma­ção que es­tá a ser re­a­li­za­do pe­la pe­tro­lí­fe­ra an­go­la­na pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os do ac­tu­al con­tex­to da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra.

O do­cu­men­to afir­ma que, pa­ra re­du­zir os cus­tos e ma­xi­mi­zar a ren­ta­bi­li­da­de, a nova ad­mi­nis­tra­ção de­ci­diu can­ce­lar con­tra­tos de "ship­ping" não pri­o­ri­tá­ri­os, op­ti­mi­za­ção do nú­me­ro de na­vi­os re­bo­ca­do­res e de ca­bo­ta­gem e iní­cio da dis­tri­bui­ção de de­ri­va­dos do pe­tró­leo por com­boio en­tre o Lo­bi­to e Lu­e­na.

A em­pre­sa de­ci­diu ne­go­ci­ar ou can­ce­lar con­tra­tos a ní­vel cen­tral e nas sub­si­diá­ri­as, re­ver os mo­de­los de operação e ra­ci­o­na­li­zar gas­tos e con­su­mos con­si­de­ra­dos su­pér­flu­os, as­sim co­mo re­a­va­li­ar os in­ves­ti­men­tos na Re­fi­na­ria do Lo­bi­to e no Ter­mi­nal Oceâ­ni­co do Dan­de.

A me­di­da vai per­mi­tir as­se­gu­rar a vi­a­bi­li­da­de dos in­ves­ti­men­tos a lon­go pra­zo e a con­ti­nu­a­ção do es­for­ço de in­ves­ti­men­to na ex­plo­ra­ção, de­sen­vol­vi­men­to e pro­du­ção fei­to pe­la Sonangol e ou­tros ope­ra­do­res da in­dús­tria an­go­la­na de pe­tró­leo.

A Sonangol as­se­gu­ra a con­ti­nui­da­de do pro­ces­so de re­du­ção de cus­tos de pro­du­ção e a sua op­ti­mi­za­ção às no­vas exi­gên­ci­as, vi­san­do a com­pe­ti­ti­vi­da­de in­ter­na­ci­o­nal do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro an­go­la­no, no qua­dro de um “pro­fun­do” pro­ces­so de trans­for­ma­ção pa­ra res­pon­der aos de­sa­fi­os co­lo­ca­dos pe­lo ac­tu­al con­tex­to do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro an­go­la­no e in­ter­na­ci­o­nal.

No co­mu­ni­ca­do, a ges­tão da em­pre­sa pro­põe-se a au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de da em­pre­sa e os di­vi­den­dos pa­ra o ac­ci­o­nis­ta, as­se­gu­rar a trans­pa­rên­cia na ges­tão e a apli­ca­ção de stan­dards in­ter­na­ci­o­nais de re­por­te e de go­ver­na­ção.

O no­vo Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Sonangol ga­ran­te que abra­çou o de­sa­fio de trans­for­ma­ção com en­tu­si­as­mo e com o com­pro­mis­so de me­lho­rar a efi­ci­ên­cia, au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de, a trans­pa­rên­cia da ges­tão e pre­pa­rar a em­pre­sa pa­ra um no­vo mo­de­lo do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro an­go­la­no.

Me­lho­rar a re­la­ção com os for­ne­ce­do­res e os res­tan­tes par­cei­ros do sec­tor, nu­ma pers­pec­ti­va de mé­dio e lon­go pra­zo e de­sen­vol­ver as com­pe­tên­ci­as e os per­fis das equi­pas da Sonangol em li­nha com os me­lho­res ope­ra­do­res cons­tam tam­bém dos ob­jec­ti­vos da ins­ti­tui­ção, a par da pro­mo­ção da res­pon­sa­bi­li­da­de com a co­mu­ni­da­de e re­co­nhe­cer o pa­pel-cha­ve da Sonangol na so­ci­e­da­de an­go­la­na.

O co­mu­ni­ca­do ex­pli­ca que, nos pri­mei­ros cin­co me­ses de man­da­to do no­vo Con­se­lho da Ad­mi­nis­tra­ção, a con­ces­si­o­ná­ria na­ci­o­nal diz ter al­can­ça­do im­por­tan­tes con­quis­tas, as­sen­tes em qua­tro pi­la­res fun­da­men­tais, no­me­a­da­men­te ri­gor, ren­ta­bi­li­da­de, trans­pa­rên­cia e ex­ce­lên­cia. Em Se­tem­bro, a pre­si­den­te da pe­tro­lí­fe­ra an­go­la­na afir­mou, nu­ma en­tre­vis­ta à CNBC Itá­lia, que a em­pre­sa re­du­ziu os cus­tos de pro­du­ção do bar­ril pa­ra 12 dó­la­res, quan­do num en­con­tro re­a­li­za­do em Ju­nho com re­pre­sen­tan­tes das pe­tro­lí­fe­ras que ope­ram em An­go­la, o pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va da Sonangol, Pau­li­no Je­ró­ni­mo, afir­mou que es­ses cus­tos eram de 14 dó­la­res e que a me­ta era bai­xá­los até aos oi­to dó­la­res.

O pro­gra­ma do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da com­pa­nhia pro­põe­se ain­da au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de da em­pre­sa e os di­vi­den­dos pa­ra o ac­ci­o­nis­ta – o Es­ta­do -, as­se­gu­rar a trans­pa­rên­cia na ges­tão e a apli­ca­ção de pa­drões in­ter­na­ci­o­nais de re­por­te e de go­ver­na­ção.

Ges­to­ra dis­po­ní­vel

A pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Sonangol, Isa­bel dos San­tos, ma­ni­fes­tou, na quar­ta­fei­ra, dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra es­cla­re­cer, nos ór­gãos ju­di­ci­ais an­go­la­nos, a sua no­me­a­ção pa­ra a li­de­ran­ça da com­pa­nhia. Nu­ma de­cla­ra­ção emi­ti­da em Lu­an­da, Isa­bel dos San­tos afir­ma que tem “o de­ver de cum­prir a lei” e es­tá “dis­po­ní­vel pa­ra pres­tar os de­vi­dos es­cla­re­ci­men­tos aos ór­gãos ju­rí­di­cos”, fa­ce “aos mo­vi­men­tos” que con­tes­tam a sua no­me­a­ção pa­ra pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Sonangol.

A em­pre­sá­ria de­plo­ra os ar­gu­men­tos de tais mo­vi­men­tos e con­si­de­ra que ques­ti­o­nar a sua com­pe­tên­cia pro­fis­si­o­nal pa­ra o exer­cí­cio do car­go “não tem qual­quer fun­da­men­to”, enu­me­ran­do a sua li­cen­ci­a­tu­ra em En­ge­nha­ria Elec­tro­téc­ni­ca pe­la Uni­ver­si­da­de de Lon­dres e 20 anos de ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal co­mo lí­der de em­pre­sas. “An­tes da mi­nha no­me­a­ção pa­ra PCA da Sonangol, ocu­pei car­gos de ges­tão de to­po em em­pre­sas cu­jo uni­ver­so en­glo­ba mi­lha­res de co­la­bo­ra­do­res e exer­ci car­gos de ad­mi­nis­tra­ção em em­pre­sas de te­le­co­mu­ni­ca­ções, ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e em­pre­sas co­ta­das na bol­sa eu­ro­peia”, diz a de­cla­ra­ção de Isa­bel dos San­tos que ex­pli­cou que a “es­sên­cia” da “ten­ta­ti­va in­fun­da­da” de ques­ti­o­nar a sua no­me­a­ção é ba­se­a­da num “es­que­ma de in­tri­gas po­lí­ti­cas num pe­río­do pré-elei­to­ral” e na de­vas­sa da sua vi­da pri­va­da, per­se­guin­do a de­ses­ta­bi­li­za­ção.

“A mi­nha pri­o­ri­da­de é con­cen­trar­me no de­sa­fio que re­pre­sen­ta a re­es­tru­tu­ra­ção da Sonangol e na sua con­ti­nui­da­de en­quan­to em­pre­sa lí­der e pi­lar es­tra­té­gi­co da eco­no­mia an­go­la­na”, as­se­gu­ra a pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da com­pa­nhia, que tam­bém se afir­ma de­ter­mi­na­da em con­du­zir com su­ces­so a mis­são que lhe foi con­fi­a­da. Uma pro­vi­dên­cia cau­te­lar es­tá a ser ana­li­sa­da no Tri­bu­nal Su­pre­mo, in­ter­pos­ta em Ju­nho por um gru­po de ad­vo­ga­dos, lo­go após a no­me­a­ção da em­pre­sá­ria pa­ra a pre­si­dên­cia da pe­tro­lí­fe­ra es­ta­tal.

MO­TA AM­BRÓ­SIO

A nova ges­tão da em­pre­sa re­viu os mo­de­los de operação e ao mes­mo tem­po ra­ci­o­na­li­zou os gas­tos e con­su­mos con­si­de­ra­dos su­pér­flu­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.