Re­sol­ver os pro­ble­mas

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Co­me­mo­ra­mos ho­je o 41º ani­ver­sá­rio da nos­sa in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, con­quis­ta­da a 11 de No­vem­bro de 1975 em cir­cuns­tân­ci­as di­fí­ceis , em que mi­lha­res de an­go­la­nos ti­ve­ram de pa­gar com a vi­da a de­fe­sa da nos­sa li­ber­da­de e do nos­so Es­ta­do so­be­ra­no, de­pois de uma lon­ga lu­ta ar­ma­da con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês.

Os an­go­la­nos não se es­que­ce­rão dos mo­men­tos dra­má­ti­cos por que pas­sa­ram na­que­les di­as que an­te­ce­de­ram a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal por par­te do Fun­da­dor da Na­ção, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to . Pro­cla­ma­da a in­de­pen­dên­cia, cen­te­nas de pa­tri­o­tas an­go­la­nos en­tre­ga­ram-se à lu­ta de re­sis­tên­cia a for­ças es­tran­gei­ras que que­ri­am des­truir o Es­ta­do so­be­ra­no e in­de­pen­den­te . Fo­ram mui­tos os sa­cri­fí­ci­os con­sen­ti­dos en­tão pe­los an­go­la­nos pa­ra de­fen­der a Pá­tria ame­a­ça­da por for­ças que que­ri­am no­va­men­te sub­ju­gar o po­vo an­go­la­no, que ti­nha aca­ba­do de se li­ber­tar do co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês.

Não po­de­mos dei­xar de re­cor­dar, quan­do co­me­mo­ra­mos a con­quis­ta da in­de­pen­dên­cia, os com­ba­ten­tes que ou­sa­ram en­fren­tar to­dos os pe­ri­gos pa­ra de­fen­der o po­vo e pre­ser­var a nos­sa li­ber­da­de. Ho­je, 11 de No­vem­bro, te­mos a obrigação de pres­tar ho­me­na­gem a to­dos os nos­sos com­pa­tri­o­tas que an­tes e de­pois da­que­la his­tó­ri­ca da­ta não he­si­ta­ram em lu­tar pe­la dig­ni­da­de do po­vo an­go­la­no e em se opor com de­ter­mi­na­ção à opres­são.

É jus­to que, ao co­me­mo­rar­mos os 41 anos de in­de­pen­dên­cia, se exal­tem os fei­tos pro­ta­go­ni­za­dos por vá­ri­os an­go­la­nos , vi­vos ou mor­tos, que , de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne, com­ba­te­ram in­tran­si­gen­te­men­te pe­la Pá­tria. É im­por­tan­te que sai­ba­mos to­dos nós, an­go­la­nos, qu­an­to cus­tou a li­ber­da­de.

Es­ta­mos in­de­pen­den­tes, e im­por­ta va­lo­ri­zar to­do o es­for­ço que foi fei­to pa­ra que An­go­la che­gas­se aon­de che­gou. Ho­je es­ta­mos a tri­lhar os ca­mi­nhos que nos po­dem le­var ao pro­gres­so e à pros­pe­ri­da­de. É in­ques­ti­o­ná­vel que An­go­la tem re­gis­ta­do avan­ços no­tá­veis, em vá­ri­os do­mí­ni­os, des­de o fim da guer­ra que du­rou mui­to tem­po. Uma das áre­as que mui­to se de­sen­vol­veu foi o sec­tor da edu­ca­ção, com o au­men­to con­si­de­rá­vel de es­co­las de di­fe­ren­tes ní­veis e da po­pu­la­ção es­tu­dan­til,do en­si­no pri­má­rio ao su­pe­ri­or. Foi de fac­to gi­gan­tes­co o in­ves­ti­men­to re­a­li­za­do pe­las au­to­ri­da­des no sec­tor da edu­ca­ção, que é vi­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do país.

As au­to­ri­da­des per­ce­be­ram que era ne­ces­sá­rio apos­tar na edu­ca­ção, que é a via pa­ra se po­ten­ci­a­rem sec­to­res da ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va. É ver­da­de que nem tu­do é um mar de ro­sas no sec­tor da edu­ca­ção, mas é evi­den­te a von­ta­de das au­to­ri­da­des de pro­ce­der a pro­fun­das mu­dan­ças nu­ma área que tem de es­tar ali­nha­da com os pla­nos de cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to do país. Te­mos de ter uma edu­ca­ção efi­ci­en­te e or­ga­ni­za­da pa­ra que es­ta pos­sa ser­vir con­ve­ni­en­te­men­te as co­mu­ni­da­des.

De­pois de 41 anos de in­de­pen­dên­cia, im­por­ta fa­zer re­fle­xões so­bre o que fi­ze­mos e tra­çar pla­nos que evi­tem er­ros do pas­sa­do. É pre­ci­so que ha­ja , co­mo dis­se há di­as um mem­bro do Go­ver­no, mu­dan­ças de men­ta­li­da­des , com­por­ta­men­tos e ati­tu­des. Quem tem de to­mar de­ci­sões ao ní­vel do Es­ta­do de­ve fa­zê-lo sem­pre no in­te­res­se pú­bli­co. A de­fe­sa do in­te­res­se pú­bli­co de­ve ser sem­pre um ob­jec­ti­vo de qual­quer ser­vi­dor do Es­ta­do.

Te­mos de aca­bar com prá­ti­cas ne­ga­ti­vas rei­te­ra­das e já co­nhe­ci­das de to­dos. Quem não é ca­paz de ser­vir a co­mu­ni­da­de não de­ve as­su­mir car­gos de res­pon­sa­bi­li­da­de no Es­ta­do. O Es­ta­do de­ve do­tar-se de qua­dros, não só de ele­va­da com­pe­tên­cia téc­ni­ca, mas tam­bém de al­to sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­da­de, a fim de dar um tra­ta­men­to ade­qua­do e jus­to aos pro­ble­mas que lhe são co­lo­ca­dos pe­los ci­da­dãos.

Ne­nhum ser­vi­dor do Es­ta­do de­ve pen­sar que es­tá a fa­zer um fa­vor aos ci­da­dãos quan­do pres­ta um ser­vi­ço pú­bli­co. Ser­vir bem os ci­da­dãos é uma obrigação de qual­quer ser­vi­dor do Es­ta­do. Da­qui a no­ve anos co­me­mo­ra­re­mos meio sé­cu­lo de in­de­pen­dên­cia. Já é al­tu­ra de aca­bar­mos com si­tu­a­ções que im­pe­dem o pro­gres­so de vá­ri­os sec­to­res da nos­sa vi­da na­ci­o­nal. É pre­ci­so não con­des­cen­der com ac­tos le­si­vos dos in­te­res­ses das co­mu­ni­da­des. Que se­jam os me­lho­res a ser­vir as po­pu­la­ções em qual­quer pon­to do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Te­mos de va­lo­ri­zar o mé­ri­to das pes­so­as.

Há em to­do o nos­so país an­go­la­nos de ele­va­da ca­pa­ci­da­de pro­fis­si­o­nal e com dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra ser­vir bem as po­pu­la­ções. Que os cri­té­ri­os de se­lec­ção pa­ra car­gos de res­pon­sa­bi­li­da­de no Es­ta­do se­jam ob­jec­ti­vos , ou se­ja, que aten­dam às re­ais e múl­ti­plas qua­li­da­des aos qua­dros, na pers­pec­ti­va sem­pre de me­lho­ria das nos­sas ins­ti­tui­ções e da pres­ta­ção de ser­vi­ços aos ci­da­dãos.

As co­me­mo­ra­ções da nos­sa in­de­pen­dên­cia de­vem ser­vir es­te ano pa­ra que se re­flic­ta so­bre o pa­pel do nos­so ser­vi­dor pú­bli­co, que é uma fi­gu­ra im­por­tan­te na nos­sa vi­da na­ci­o­nal. An­go­la, pa­ra pro­gre­dir, de­ve ter tam­bém bons ser­vi­do­res pú­bli­cos, a fim de as ins­ti­tui­ções se­rem ca­da vez mais for­tes e po­de­rem con­tri­buir pa­ra que os ci­da­dãos re­sol­vam mui­tos dos seus pro­ble­mas. Va­le a pe­na re­cor­dar es­ta fra­se do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, Agos­ti­nho Ne­to, pou­co tem­po an­tes da sua mor­te: “O mais im­por­tan­te é re­sol­ver os pro­ble­mas do po­vo”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.