His­tó­ria do Rei­no do Con­go em ex­po­si­ção

Jornal de Angola - - CULTURA - MA­NU­EL AL­BA­NO |

As ex­ce­len­tes re­la­ções de ir­man­da­de exis­ten­tes há mais de 500 anos, des­de o sé­cu­lo XVI en­tre an­go­la­nos e por­tu­gue­ses, fo­ram des­ta­ca­das, on­tem, em Lu­an­da, pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra co­mo um dos tes­te­mu­nhos im­por­tan­tes dos do­cu­men­tos exis­ten­tes so­bre o Rei­no do Con­go, em pos­se do Arquivo Na­ci­o­nal de An­go­la.

Cor­né­lio Ca­ley, que fa­la­va du­ran­te a inau­gu­ra­ção de uma ex­po­si­ção “Mos­tra Do­cu­men­tal da Cor­res­pon­dên­cia do Rei­no do Con­go”, no Arquivo Na­ci­o­nal de An­go­la, por oca­sião do 41.º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, ar­gu­men­tou que a do­cu­men­ta­ção pre­ser­vam “a ideia de re­la­ção de igual­da­de e res­pei­to exis­ten­tes na épo­ca en­tre os dois po­vos”.

Par­te des­se arquivo, de­fen­deu, de­ve ser es­tu­da­do pe­los pes­qui­sa­do­res e his­to­ri­a­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais, por for­mas a aju­da­rem a me­lho­rar os co­nhe­ci­men­tos so­bre o pas­sa­do his­tó­ri­co no país.

Es­sa ri­que­za ma­te­ri­al so­bre a do­cu­men­ta­ção do Rei­no do Con­go, de acor­do co­mo o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra, de­ve me­re­cer uma mai­or di­vul­ga­ção no país e no es­tran­gei­ro, por con­ser­var ne­les con­teú­dos im­por­tan­tes que “pro­vam as ex­ce­len­tes re­la­ções de fra­ter­ni­da­de e res­pei­to”, exis­ten­tes na épo­ca na cor­res­pon­dên­cia tro­ca­da en­tre os So­be­ra­nos do Rei­no do Con­go e de Por­tu­gal.

A mos­tra, pa­ten­te até ao fi­nal do ano, é um apoio à candidatura do Cen­tro His­tó­ri­co da Ci­da­de de Mban­za Con­go à lis­ta de Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, dis­se, a di­rec­to­ra do Arquivo Na­ci­o­nal de An­go­la (ANA).

Ou­tro dos ob­jec­ti­vos, ex­pli­cou, vi­sa tor­nar o pro­gra­ma ex­pan­si­vo aos cen­tros aca­dé­mi­cos do país em 2017, co­mo for­ma de in­cen­ti­var à pes­qui­sa e au­men­tar o co­nhe­ci­men­to dos es­tu­dan­tes so­bre a His­tó­ria de An­go­la.

Na ex­po­si­ção, Ale­xan­dra Apa­rí­cio, es­tão pa­ten­tes do­cu­men­tos so­bre o Rei­no do Con­go exis­ten­tes nos vá­ri­os ar­qui­vos e bi­bli­o­te­cas em Por­tu­gal, co­mo no Arquivo Na­ci­o­nal Tor­re do Tom­bo, Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal de Lis­boa, Arquivo e Bi­bli­o­te­ca da Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, Bi­bli­o­te­ca e Ar­qui­vos da Uni­ver­si­da­de e Mu­ni­ci­pal de Évo­ra. Dis­se que se en­con­tram igual­men­te do­cu­men­tos es­pa­lha­dos nos Arquivo Se­cre­tos e Bi­bli­o­te­ca do Va­ti­ca­no e no Arquivo da Con­gre­ga­ção de Pro­pa­gan­da FIDE, que abor­dam a di­ver­sas cor­res­pon­dên­cia tro­ca­das en­tre os So­be­ra­nos do Rei­no do Con­go e Por­tu­gal e o Va­ti­ca­no en­tre 1493 a 1657, em Itá­lia.

Ale­xan­dra Apa­rí­cio dis­se que os ar­qui­vos tra­tam de vá­ri­os as­sun­tos co­mo a com­pra de ma­te­ri­ais a pe­di­do da cor­te do Con­go, o en­vio de jo­vens da no­bre­za pa­ra es­tu­da­rem em Por­tu­gal, as inú­me­ras re­cla­ma­ções do com­por­ta­men­to dos mis­si­o­ná­ri­os e de por­tu­gue­ses no Rei­no do Con­go e a tro­ca de em­bai­xa­do­res.

Es­ta do­cu­men­ta­ção e ou­tras exis­ten­tes em có­pi­as di­gi­ta­li­za­das no ANA, e os ori­gi­nais es­pa­lha­dos, dis­se, es­tão a aguar­dar por mais es­tu­dos e in­ter­pre­ta­ção cui­da­do­sa pa­ra se re­co­lhe­rem mais in­for­ma­ções úteis so­bre a vi­da des­te an­ti­go Rei­no, es­cla­re­cen­do-se vá­ri­as dú­vi­das ain­da exis­ten­te so­bre a His­tó­ria.

Es­ta­tu­e­ta Lwe­na

Uma ex­po­si­ção iti­ne­ran­te de­di­ca­da à es­ta­tu­e­ta “Lwe­na” es­tá pa­ten­te des­de on­tem, no Mu­seu Na­ci­o­nal da An­tro­po­lo­gia, em Lu­an­da. O di­rec­tor do Mu­seu da An­tro­po­lo­gia, Ál­va­ro Ge­or­ge, dis­se que a pe­ça é co­nhe­ci­da en­tre os Lu­va­le (sua zo­na de ori­gem) e pe­la mai­o­ria dos po­vos do Les­te de An­go­la co­mo “Ka­ponya wa Pwo”.

A es­ta­tu­e­ta Lwe­na, ex­pli­cou, é uma fi­gu­ra an­tro­po­mór­fi­ca fei­ta de ma­dei­ra, re­pre­sen­tan­do uma mu­lher de pé, com o pen­te­a­do tí­pi­co e um ori­fí­cio na ca­be­ça pa­ra fi­xar um chi­fre que con­tém me­di­ca­men­tos. “Ela apre­sen­ta os sei­os e as du­as mãos so­bre o ab­dó­men ta­tu­a­do na par­te mais bai­xa. Tra­ta-se de uma es­ta­tu­e­ta usa­da nos ri­tos li­ga­dos à adi­vi­nha­ção”, ar­gu­men­ta.

A pe­ça, dis­se, foi re­co­lhi­da pe­lo an­ti­go con­ser­va­dor por­tu­guês do Mu­seu do Dun­du, Jo­sé Re­di­nha, em 1939, na re­gião de Lum­ba­la (Al­to Zam­be­ze), pro­vín­cia de Moxico. “Ka­ponya wa pwo” fez par­te do con­jun­to de co­lec­ções do Mu­seu do Dun­du trans­fe­ri­do ao De­pó­si­to Cen­tral do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral, em Lu­an­da e fez tam­bém par­te do acer­vo que fa­ci­li­tou a inau­gu­ra­ção do Mu­seu Na­ci­o­nal de An­tro­po­lo­gia a 13 de No­vem­bro de 1976.

De­pois de um tra­ba­lho de ve­ri­fi­ca­ção do in­ven­tá­rio no De­pó­si­to Cen­tral, em 1978, foi cons­ta­ta­do o de­sa­pa­re­ci­men­to des­ta es­ta­tu­e­ta. A mes­ma foi des­co­ber­ta por oca­sião de um lei­lão na ci­da­de fran­ce­sa de Saint Ger­main-en-Laye, aos 24 de Mar­ço de 1996. A iden­ti­fi­ca­ção foi pos­sí­vel pe­la in­ter­ven­ção da an­tro­pó­lo­ga bel­ga Ma­rie Louis Bas­tin que es­tu­dou a pe­ça em 1956 e con­sa­grou o seu tra­ba­lho ao pa­tri­mó­nio an­go­la­no. Ela in­for­mou o Go­ver­no an­go­la­no e o ICOM na sequên­cia da pu­bli­ca­ção da obra “Cent Ob­jets Dis­pa­rus. Pil­la­ge en Afri­que”.

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

Cor­né­lio Ca­ley enal­te­ce as bo­as re­la­ções en­tre os so­be­ra­nos do Rei­no do Con­go e de Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.