San­to­cas mo­bi­li­zou as mas­sas com can­ções de in­ter­ven­ção

“As mi­nhas ac­tu­a­ções aju­da­ram sen­si­bi­li­zar os jo­vens pa­ra as fren­tes de com­ba­te”

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL ALBANO |

As can­ções de San­to­cas sem­pre ti­ve­ram co­mo ob­jec­ti­vo a mo­bi­li­za­ção, não ape­nas a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção po­lí­ti­ca, mas tam­bém a in­ter­ven­ção so­ci­al. Fi­gu­ra his­tó­ri­ca da mú­si­ca ur­ba­na an­go­la­na, dis­se que pre­ten­dia man­ter os in­dí­ge­nas in­for­ma­dos so­bre o es­ta­do em que o país se en­con­tra­va, ain­da co­mo pro­vín­cia ul­tra­ma­ri­na de Por­tu­gal.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções do 11 de No­vem­bro, Dia da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, An­tó­nio Se­bas­tião Vi­cen­te “San­to­cas”con­tou o quan­to as su­as can­ções fo­ram de­ter­mi­nan­tes pa­ra a con­quis­ta da au­to­de­ter­mi­na­ção do po­vo an­go­la­no.

Era ne­ces­sá­rio in­for­mar, cons­ci­en­ci­a­li­zar, des­per­tar e mo­bi­li­zar as pes­so­as, em par­ti­cu­lar os jo­vens, pa­ra in­gres­sa­rem nas fi­lei­ras das FAPLA. “Não sei se me con­si­de­ro um can­tor de in­ter­ven­ção, mas acre­di­to que o meu tra­ba­lho aju­dou a sen­si­bi­li­zar o po­vo pa­ra as vá­ri­as fren­tes”, afir­mou.

San­to­cas con­si­de­ra que a con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia de An­go­la con­se­guiu apa­gar as más re­cor­da­ções de mui­tos an­ti­gos com­ba­ten­tes pe­lo que pas­sa­ram nas ma­tas e fren­tes de com­ba­te.

As su­as can­ções ti­ve­ram um for­te po­der mo­bi­li­za­dor, re­cor­da. Tan­to que ain­da ho­je é in­ter­pe­la­do na rua. Al­guns fa­zem-no pa­ra o felicitar, ou­tros “cul­pam-no” pe­los ca­mi­nhos que tri­lha­ram.

Ago­ra com 62 anos, San­to­cas co­me­çou a sua car­rei­ra na dé­ca­da de 60, a abor­dar ce­nas do quo­ti­di­a­no. Nes­sa al­tu­ra, can­ta­va a vi­da so­ci­al dos bair­ros e mus­se­ques, o Car­na­val e tu­do o que se re­la­ci­o­na­va com a cul­tu­ra lu­an­den­se.

Al­guns dos te­mas de San­to­cas vi­sa­ram de­nun­ci­ar a si­tu­a­ção vi­vi­da pe­los an­go­la­nos, pa­ra a qual ga­nha­va cons­ci­ên­cia ao con­ver­sar com vá­ri­os na­ci­o­na­lis­tas, com os quais ou­via o pro­gra­ma de rá­dio “An­go­la Com­ba­ten­te”, do MPLA.

Ex­pe­ri­ên­ci­as po­si­ti­vas

O fac­to de ter vi­vi­do no en­tão Bair­ro In­dí­ge­na, ho­je Ne­li­to So­a­res, de on­de saí­ram três pri­mei­ros­mi­nis­tros - Lo­po do Nas­ci­men­to, Fran­ça Van-Dú­nem e Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos “Nan­dó” re­sul­tou em ex­pe­ri­ên­ci­as po­si­ti­vas pa­ra a sua car­rei­ra mu­si­cal.

Além des­sas fi­gu­ras, ci­tou ou­tros po­lí­ti­cos e na­ci­o­na­lis­tas co­mo Ga­bri­el Lei­tão, Aris­ti­des Van-Dú­nem e o mú­si­coVum-Vum, que na épo­ca do­mi­na­va o pa­no­ra­ma ar­tís­ti­co, que in­flu­en­ci­a­ram a sua car­rei­ra.

“Va­ló­dia”, “Mas­sa­cres de Ki­fan­gon­do” e “Po­der Po­pu­lar”, en­tre ou­tras can­ções de mo­ti­va­ção po­lí­ti­ca e so­ci­al, fi­ze­ram de San­to­cas uma voz re­co­nhe­ci­da no mer­ca­do mu­si­cal an­go­la­no, en­quan­to te­mas co­mo “Bair­ro In­dí­ge­na” e “Mar­çal” es­pe­lham acon­te­ci­men­tos, lu­ga­res e pes­so­as.

A can­ção “Bair­ro In­dí­ge­na” de­nun­ci­a­va a for­ma co­mo os an­go­la­nos eram tra­ta­dos. “Fo­mos re­ti­ra­dos do bair­ro pa­ra um lo­cal de me­nor qua­li­da­de na­que­la al­tu­ra, o Cas­se­quel. Ha­via a pro­mes­sa que re­gres­sa­ría­mos às nos­sas ca­sas de­pois da re­qua­li­fi­ca­ção. Trin­ta anos de­pois, na­da se al­te­rou e sur­giu en­tão no lo­cal a Ci­da­de­la. Ins­pi­rei-me em tu­do is­so e com­pus a can­ção”, nar­rou.

“Mar­çal” foi uma can­ção di­ri­gi­da aos fi­lhos e na­tos da­que­le bair­ro. “A men­sa­gem era ex­ten­si­va a to­dos os bair­ros que vi­vi­am na mes­ma si­tu­a­ção. Ape­nas ten­tei cha­mar a aten­ção da­que­les que vi­vi­am nos mus­se­ques lu­an­den­ses e de­pois aca­ba­ram por es­que­cer as ori­gens. To­dos os te­mas con­ti­nu­am ac­tu­ais”, ga­ran­tiu.

Após dei­xar o Bair­ro In­dí­ge­na, San­to­cas mu­dou-se pa­ra a Vi­la Ali­ce, on­de pas­sou a re­si­dir sob cus­tó­dia do ma­lo­gra­do Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra, im­por­tan­te fi­gu­ra do na­ci­o­na­lis­mo e das le­tras an­go­la­nas. “Sem­pre exis­ti co­mo can­tor, mas as pes­so­as que­ri­am co­nhe­cer qu­em com­pu­nha te­mas com li­nhas ori­en­ta­do­ras na épo­ca. Nun­ca as­so­ci­a­ram as can­ções à mi­nha pes­soa. Até ser des­co­ber­to, já ti­nha fei­to vá­ri­as com­po­si­ções de pen­dor po­lí­ti­co”, afir­mou.

Além da vi­da nos bair­ros lu­an­den­ses, on­de re­si­di­am im­por­tan­tes fi­gu­ras li­ga­das à lu­ta de li­ber­ta­ção, al­gu­mas das quais es­tão ho­je no Go­ver­no, San­to­cas apren­deu rit­mos e sen­ti­men­tos de gen­te de ou­tras pro­vín­ci­as. “Es­sa fu­são cri­ou em nós um sen­ti­men­to de ir­man­da­de e so­li­da­ri­e­da­de. Es­sa foi uma das coi­sas mais lin­das que me mar­ca­ram na­que­la épo­ca”, dis­se.

Em 1974 e 1975, San­to­cas gra­vou vá­ri­os LP nos es­tú­di­os na Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la. “Va­ló­dia”, “Ji­ka”, “Mar­çal” e “Bair­ro In­dí­ge­na” fo­ram al­guns dos te­mas em des­ta­que. As can­ções eram es­cri­tas em fun­ção do mo­men­to e dos acon­te­ci­men­tos, no pe­río­do efer­ves­cen­te da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca em que o país es­ta­va mer­gu­lha­do, afir­mou o com­po­si­tor. “Nes­ta épo­ca (1974-75), ti­nha a ca­be­ça a pré­mio por 20 mil es­cu­dos, por ser a voz do mo­men­to e um dos ar­tis­tas mais pro­cu­ra­dos.”

For­ma­dor de opi­nião

De iní­cio, compôs can­ções sem co­no­ta­ção par­ti­dá­ria. Em 1974, gra­vou a can­ção “An­go­la”, so­bre a co­lo­ni­za­ção, nu­ma fa­se que já se sen­tia o apro­xi­mar do 25 de Abril em Por­tu­gal.

Na al­tu­ra, os prin­ci­pais mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção lu­ta­vam con­tra as for­ças co­lo­ni­za­do­ras, “pre­ci­sá­va­mos ser for­ma­do­res de opi­nião”. Mui­tos agen­tes do re­gi­me co­lo­ni­a­lis­ta co­me­ça­ram a in­fil­trar-se nos mus­se­ques pa­ra pren­der e eli­mi­nar os na­ci­o­na­lis­tas.

“Vi­vía­mos um pe­río­do em que não sa­bía­mos se es­ta­ría­mos vi­vos no dia se­guin­te, por­que as no­tí­ci­as de per­se­gui­ções, cap­tu­ras e mor­tes de pes­so­as pró­xi­mas eram cons­tan­tes.” O pro­gra­ma “An­go­la Com­ba­ten­te”, emi­ti­do pe­lo MPLA a par­tir de Braz­za­vil­le, era uma im­por­tan­te fon­te de in­for­ma­ção e de ins­pi­ra­ção pa­ra os an­go­la­nos, re­fe­riu.

Nes­sa épo­ca, os can­to­res an­go­la­nos co­me­ça­ram a uti­li­zar as can­ções pa­ra mo­bi­li­zar a po­pu­la­ção. “Nes­sa fa­se, não es­tá­va­mos a olhar pa­ra ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas. O ob­jec­ti­vo era des­per­tar as po­pu­la­ções pa­ra a im­por­tân­cia do país se tor­nar in­de­pen­den­te”, dis­se.

“O úni­co ob­jec­ti­vo que tí­nha­mos era ver o país in­de­pen­den­te. Foi um acon­te­ci­men­to his­tó­ri­co, por­que nun­ca mais ha­ve­rá ou­tra In­de­pen­dên­cia.”

Re­cur­so a po­e­tas

Pou­cos can­to­res ins­pi­ra­ram-se e fo­ram in­flu­en­ci­a­dos por obras de es­cri­to­res da épo­ca, ti­ran­do o Rui Min­gas, que mu­si­cou po­e­mas de Agos­ti­nho Ne­to, An­tó­nio Ja­cin­to e de Ma­nu­el Rui Mon­tei­ro.

San­to­cas can­tou os po­e­mas “Me­ni­no da Mi­nha Es­co­la”, de Ma­nu­el Rui, e “Lon­ga Fi­la de Car­re­ga­do­res”, de Agos­ti­nho Ne­to, que cons­tam do seu úl­ti­mo dis­co . “An­ti­ga­men­te, não tí­nha­mos mui­to tem­po pa­ra com­por uma le­tra, uma das ra­zões pa­ra ex­plo­rar­mos pou­co as obras dos es­cri­to­res.”

A li­ga­ção par­ti­dá­ria con­su­mou­se com o ad­ven­to da In­de­pen­dên­cia de An­go­la, em 1975, qu­an­do os mem­bros do MPLA que­ri­am qui­se­ram co­nhe­cê-lo. “Hou­ve in­te­res­se em sa­ber de qu­em eram aque­las can­ções”, ex­pli­cou.

San­to­cas pas­sou a co­la­bo­rar no De­par­ta­men­to de In­for­ma­ção e Pro­pa­gan­da do MPLA, que pas­sou a ser res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção de dis­cos, co­mer­ci­a­li­za­ção e di­vul­ga­ção das can­ções.

Com a guer­ra que de­fla­grou após a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia, em 1975, qua­se tu­do pa­rou, afir­mou. Foi nes­sa fa­se que apa­re­ceu o con­jun­to Kis­san­gue­la, que reu­niu ar­tis­tas pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os gru­pos, pa­ra in­te­grar a for­ma­ção mu­si­cal ori­en­ta­da pe­la JMPLA.

Fi­lho de Ar­nal­do Se­bas­tião Vi­cen­te e de Ma­ria An­tó­nia Fran­cis­co de As­sis, An­tó­nio Se­bas­tião Vi­cen­te nas­ceu a 25 de Se­tem­bro de 1954, em Lu­an­da, no Bair­ro In­dí­ge­na, es­pa­ço da ac­tu­al Ci­da­de­la Des­por­ti­va e ar­ras­ta con­si­go to­da a di­nâ­mi­ca ar­tís­ti­ca que ir­ra­di­a­va do Mar­çal, Spor­ting Clu­be do Ma­xin­de e ar­re­do­res.

O no­me ar­tís­ti­co, San­to­cas, vem de San­to An­tó­nio no­me de uma co­nhe­ci­da Igre­ja, si­tu­a­da em Qui­fan­gon­do, em Lu­an­da, lo­cal de cul­to, on­de a mãe re­za­va pe­la saú­de do fi­lho. San­to An­tó­nio era o no­me de tra­ta­men­to no seio res­tri­to da sua fa­mí­lia.

San­to­cas ga­nhou, em 1969, um con­cur­so in­fan­til do Clu­be Ma­xin­de, o que o mo­ti­vou a ten­tar o Ku­to­no­ca, on­de em­par­cei­rou com os ar­tis­tas Luís Vis­con­de e Eli­as dya Kimwe­zo, no­mes de re­fe­rên­cia da mú­si­ca an­go­la­na. San­to­cas te­ve uma pas­sa­gem, em 1972, pe­lo pro­gra­ma “Chá das Seis”.

JOÃO GO­MES

JOÃO GO­MES

San­to­cas des­ta­cou ter si­do ne­ces­sá­rio in­for­mar e cons­ci­en­ci­a­li­zar bem co­mo mo­bi­li­zar os jo­vens pa­ra in­gres­sa­rem nas fi­lei­ras das FAPLA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.