Sa­ram­po ain­da pro­vo­ca mui­tas mor­tes no mun­do

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

As mor­tes cau­sa­das pe­lo sa­ram­po caí­ram 79 por cen­to em to­do o mun­do en­tre 2000 e 2015, mas cer­ca de 400 cri­an­ças ain­da mor­rem da do­en­ça to­dos os di­as.

A in­for­ma­ção es­tá num re­la­tó­rio di­vul­ga­do na quin­ta-fei­ra pe­lo Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef), a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), a Ali­an­ça Ga­vi e o Cen­tro de Con­tro­lo e Pre­ven­ção de Do­en­ças dos Es­ta­dos Uni­dos (CDC). Pa­ra o che­fe de imu­ni­za­ção do Uni­cef, Ro­bin Nandy, eli­mi­nar o sa­ram­po “não é uma mis­são im­pos­sí­vel.”

Ele afir­mou que as fer­ra­men­tas e o co­nhe­ci­men­to pa­ra eli­mi­nar a do­en­ça exis­tem, o que fal­ta é “von­ta­de po­lí­ti­ca pa­ra che­gar a to­das as cri­an­ças, sem im­por­tar a dis­tân­cia”. O es­pe­ci­a­lis­ta aler­tou que sem es­se com­pro­mis­so “as cri­an­ças vão con­ti­nu­ar a mor­rer de uma do­en­ça cu­ja pre­ven­ção é fá­cil e ba­ra­ta.”

Cam­pa­nhas de va­ci­na­ção em mas­sa e um au­men­to glo­bal na imu­ni­za­ção de ro­ti­na con­tra o sa­ram­po sal­va­ram cer­ca de 20,3 mi­lhões de vi­das, de acor­do com as agên­ci­as das Na­ções Uni­das. No en­tan­to, o pro­gres­so tem si­do de­si­gual.

Em 2015, cer­ca de 20 mi­lhões de be­bés não fo­ram va­ci­na­dos e as es­ti­ma­ti­vas re­fe­rem que 134 mil cri­an­ças te­nham mor­ri­do da do­en­ça.

Cer­ca de me­ta­de das cri­an­ças não va­ci­na­das e 75 por cen­to das mor­tes por sa­ram­po ocor­re­ram na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Etió­pia, Ín­dia, In­do­né­sia, Ni­gé­ria e Pa­quis­tão.

Pa­ra o di­rec­tor do de­par­ta­men­to de imu­ni­za­ção e va­ci­nas da OMS, Je­an-Ma­rie Okwo-Be­le, “é ina­cei­tá­vel” que a ca­da ano mi­lhões de cri­an­ças não re­ce­bam as su­as va­ci­nas, res­sal­tan­do que o pro­du­to dis­po­ní­vel é “se­gu­ro e al­ta­men­te efi­caz”. Okwo-Be­le re­cor­dou que nes­te ano, 2016, a re­gião das Amé­ri­cas foi de­cla­ra­da li­vre do sa­ram­po, o que pro­va que “a eli­mi­na­ção é pos­sí­vel”.

Se­gun­do Okwo-Be­le, ago­ra é o mo­men­to de aca­bar com a do­en­ça no res­to do mun­do, o que co­me­ça com a va­ci­na­ção.

Do­en­ça vi­ral

O sa­ram­po é uma do­en­ça vi­ral al­ta­men­te con­ta­gi­o­sa que se es­pa­lha atra­vés do con­tac­to di­rec­to ou do ar e é uma das prin­ci­pais cau­sas glo­bais de mor­te en­tre as cri­an­ças me­no­res de cin­co anos.

As agên­ci­as das Na­ções Uni­das res­sal­tam que a do­en­ça po­de ser pre­ve­ni­da com du­as do­ses de uma vacina “se­gu­ra e efi­caz.”

Sur­tos de sa­ram­po em di­ver­sos paí­ses, cau­sa­dos por bre­chas na imu­ni­za­ção de ro­ti­na e nas cam­pa­nhas de va­ci­na­ção de mas­sa con­ti­nu­am a ser um gra­ve de­sa­fio.

Em 2015, fo­ram re­gis­ta­dos gran­des sur­tos de sa­ram­po na Ale­ma­nha, Egip­to, Etió­pia, Mon­gó­lia e Quir­guis­tão.

Na Ale­ma­nha e na Mon­gó­lia, vá­ri­as pes­so­as adul­tas fo­ram atin­gi­das, o que fez res­sal­tar a ne­ces­si­da­de de va­ci­nar-se ado­les­cen­tes e jo­vens adul­tos que não te­nham pro­te­ção con­tra a do­en­ça.

O sa­ram­po tam­bém ten­de a es­pa­lhar-se nos paí­ses que se en­con­tram em si­tu­a­ção de con­fli­to ou com emer­gên­ci­as hu­ma­ni­tá­ri­as. Is­to por cau­sa dos de­sa­fi­os acres­ci­dos pa­ra va­ci­nar um gran­de nú­me­ro de cri­an­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.