Mú­si­ca mo­ti­va Ha­mil­ton an­tes da cor­ri­da

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Lewis Ha­mil­ton diz o que mui­tos já sa­bem: pi­lo­tar na Fór­mu­la 1 é o que ele faz me­lhor. Mas re­ve­la tam­bém que tem mui­to mais pa­ra dar do que ga­nhar cor­ri­das. E con­ta que, ago­ra, não ab­di­ca de fa­zer tu­do o que o re­a­li­za, pois qu­an­do che­ga à pis­ta vence.

“Pa­ra mim, há mui­to mais do que ape­nas pi­lo­tar. Pi­lo­tar é o que eu fa­ço me­lhor, mas não me com­ple­ta no sen­ti­do em que te­nho mui­to mais pa­ra dar”, as­su­miu o pi­lo­to in­glês nu­ma en­tre­vis­ta ao jor­nal bri­tâ­ni­co “City AM”, con­tan­do o que, de fac­to, o pre­en­che: “Re­ce­bi a mi­nha li­cen­ça de mer­gu­lho no ou­tro dia e qu­e­ro ti­rar a li­cen­ça de he­li­cóp­te­ro. E a mú­si­ca é a mi­nha mai­or on­da. Eu gra­vo até às três da ma­nhã na vés­pe­ra de uma cor­ri­da e de­pois vou e ga­nho, e es­sa é a me­lhor sen­sa­ção.”

Ha­mil­ton afir­ma que “o que di­zem os co­men­ta­do­res não in­te­res­sa: oh, ele es­tá a vi­a­jar e em fes­tas. Eu apa­re­ço e ga­nho. Não me ve­nham di­zer o que pos­so e não pos­so fa­zer. Eu de­fi­no qu­em eu sou, não sou de­fi­ni­do pe­lo que as pes­so­as di­zem. Pos­so es­tar em dez paí­ses di­fe­ren­tes nu­ma se­ma­na, mas eu apa­re­ço na pis­ta e ar­ra­so”, afir­ma.

Mas nem sem­pre foi as­sim. Foi pre­ci­so tro­car a McLa­ren pe­la Mer­ce­des: “Foi só en­tão que co­me­cei a de­ci­dir a mi­nha pró­pria vi­da. Qu­an­do vim pa­ra a F1, ti­nha as cor­ri­das e uma re­la­ção e na­da mais a que re­al­men­te as­pi­ras­se. Não ti­nha tem­po pa­ra os ou­tros in­te­res­ses que ti­nha a ger­mi­nar, fo­ram pos­tos de la­do. Ago­ra, es­tou a re­cu­pe­rar o tem­po per­di­do”, ga­ran­te. “No pre­sen­te, con­si­go dar cem por cen­to às cor­ri­das e ain­da dar uma boa par­te da mi­nha ener­gia às ou­tras coi­sas. Ado­ro a cri­a­ti­vi­da­de, por is­so vou a exi­bi­ções de ar­te, de mo­da, ado­ro ir a con­cer­tos qu­an­do pos­so”, con­ta Ha­mil­ton, re­ve­lan­do que tem “mú­si­ca su­fi­ci­en­te pa­ra vá­ri­os ál­buns.”

Qu­an­do a car­rei­ra na F1 ter­mi­nar, o cam­peão do mun­do em tí­tu­lo já sa­be o que fa­zer. E, pe­lo que con­ta, de­ve­rá ser na mú­si­ca, pe­lo gos­to que de­cla­ra e pe­la pro­du­ção que es­pe­ra uma le­gião de fãs, des­ta vez pa­ra o ou­vi­rem. Mas nem a mú­si­ca de­ve­rá ser uma úni­ca op­ção, ao con­trá­rio da cons­tân­cia que vê no res­to da gre­lha de par­ti­da.

“Pe­lo que me aper­ce­bo, os ou­tros pi­lo­tos meus ad­ver­sá­ri­os ape­nas cor­rem. Eu não qu­e­ro ser apa­nha­do nes­sa po­si­ção. Eu vou es­tar a fa­zer coi­sas, não se pre­o­cu­pem co­mi­go. Es­tou a ex­pe­ri­men­tar e a ten­tar apren­der coi­sas no­vas, a cres­cer pes­so­al­men­te e a ma­xi­mi­zar as opor­tu­ni­da­des que te­nho”, as­su­me.

JO­SÉ SO­A­RES

Tri­cam­peão mun­di­al re­ve­la ape­tên­cia pa­ra de­di­car tem­po a ou­tras ac­ti­vi­da­des além de pi­lo­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.