GAS­TOS DIÁRIOS COM IN­TER­NET Cli­en­tes da Net­flix à fren­te de Áfri­ca

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Os mais de 86 mi­lhões de uti­li­za­do­res da pla­ta­for­ma Net­flix a ní­vel mun­di­al usam num só dia mais da­dos de In­ter­net do que to­da a po­pu­la­ção do con­ti­nen­te afri­ca­no em seis, re­ve­lou a or­ga­ni­za­ção não­go­ver­na­men­tal ONE Cam­paign.

Se­gun­do o re­la­tó­rio “Ma­king the Con­nec­ti­on” (Es­ta­be­le­cen­do a li­ga­ção), que se fo­cou em co­mo o aces­so à In­ter­net é fun­da­men­tal pa­ra ge­rar opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas num mun­do on­de mais de me­ta­de da po­pu­la­ção con­ti­nua sem aces­so à re­de, “uma ge­ra­ção de mu­lhe­res e ra­pa­ri­gas vai per­ma­ne­cer à mar­gem da eco­no­mia di­gi­tal glo­bal e per­der a opor­tu­ni­da­de de es­ca­par da po­bre­za a não ser que se ligue à In­ter­net até 2020”.

De acor­do com os au­to­res do do­cu­men­to, a “po­bre­za é se­xis­ta”, ou se­ja, “as mu­lhe­res que vi­vem nos paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos têm me­nos 31 por cen­to de pro­ba­bi­li­da­des de es­tar co­nec­ta­das do que os ho­mens”, es­tan­do nes­te mo­men­to 737 mi­lhões de pes­so­as ex­cluí­das do aces­so à In­ter­net nes­ses mes­mos paí­ses, o que le­va à es­ti­ma­ti­va de que, em 2020, 350 mi­lhões de mu­lhe­res e ra­pa­ri­gas se­jam dei­xa­das pa­ra trás nes­te es­for­ço.

“A ca­pa­ci­da­de de pa­gar é uma bar­rei­ra sig­ni­fi­ca­ti­va. As mu­lhe­res que es­tão ex­cluí­das nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to ci­tam os ele­va­dos cus­tos co­mo uma das prin­ci­pais ra­zões pa­ra não uti­li­za­rem a In­ter­net. Ape­sar da A In­ter­net é fun­da­men­tal pa­ra ge­rar opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas num mun­do on­de o aces­so à re­de es­tá ao al­can­ce de pou­cos que­da dos pre­ços nos paí­ses mais po­bres, o al­to nú­me­ro de pes­so­as que vi­vem em ab­so­lu­ta ou ex­tre­ma po­bre­za sig­ni­fi­ca que um pla­no mó­vel po­de cus­tar 15 por cen­to do ren­di­men­to mé­dio e até 30 por cen­to por uma li­ga­ção fi­xa pa­ra o com­pu­ta­dor. Da­das as dis­pa­ri­da­des de gé­ne­ro pe­lo mun­do, ter In­ter­net bá­si­ca é um far­do fi­nan­cei­ro mais al­to pa­ra mu­lhe­res: na Áfri­ca sub­sa­ri­a­na, por exem­plo, as mu­lhe­res au­fe­rem em mé­dia me­nos 48 por cen­to do que os ho­mens”, po­de ler-se no do­cu­men­to. A ONE Cam­paign, co-fun­da­da pe­lo vo­ca­lis­ta dos U2, Bo­no, re­cor­da um es­tu­do de 2009 do Ban­co Mun­di­al, se­gun­do o qual um au­men­to de dez por cen­to em li­ga­ções de In­ter­net de al­ta ve­lo­ci­da­de po­de re­pre­sen­tar uma su­bi­da do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) per ca­pi­ta de 1,3 por cen­to pa­ra os paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to.

Des­ta ma­nei­ra, o re­la­tó­rio da or­ga­ni­za­ção faz qua­tro re­co­men­da­ções: mais in­ves­ti­men­to que le­ve a uma “re­vo­lu­ção de com­pe­tên­ci­as di­gi­tais”, que se­jam der­ru­ba­das as bar­rei­ras no aces­so à In­ter­net, mais in­ves­ti­men­to na dis­po­ni­bi­li­za­ção de da­dos so­bre co­nec­ti­vi­da­de e que se­ja fei­ta uma apos­ta na cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra um fu­tu­ro di­gi­tal.

“Os lí­de­res mun­di­ais e os go­ver­nos do­a­do­res, pa­ra além das em­pre­sas de te­le­co­mu­ni­ca­ções e dos ban­cos, pre­ci­sam de unir-se e in­ves­tir nas ba­ses das li­ga­ções, co­mo a po­lí­ti­ca 'Es­ca­va uma vez', se­gun­do a qual ne­nhu­ma no­va es­tra­da num país em de­sen­vol­vi­men­to de­ve ser fei­ta sem que se­jam co­lo­ca­dos ca­bos de ban­da-lar­ga an­tes”, re­fe­riu em co­mu­ni­ca­do a di­rec­to­ra exe­cu­ti­va da ONE pa­ra Po­lí­ti­ca Glo­bal, Eloi­se Todd.

Os com­ba­ten­tes do gru­po ra­di­cal Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) lan­ça­ram pe­lo me­nos três ata­ques quí­mi­cos em Se­tem­bro e Ou­tu­bro no sul da ci­da­de de Mos­sul, de­nun­ci­ou a Hu­man Rights Wat­ch (HRW). Os ata­ques ti­ve­ram co­mo al­vo a ci­da­de de Al Qaya­ra, si­tu­a­da a cer­ca de 50 qui­ló­me­tros a sul de Mos­sul, no Cur­dis­tão ira­qui­a­no, e cu­jo con­tro­lo foi ar­re­ba­ta­do ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co pe­lo exér­ci­to no fi­nal de Agos­to. Hou­ve fo­gue­tes que atin­gi­ram ca­sas de ci­vis e che­ga­ram per­to de um ca­fé, cau­san­do quei­ma­du­ras gra­ves e ou­tros sin­to­mas a pe­lo me­nos se­te pes­so­as. Um pe­ri­to in­de­pen­den­te na de­tec­ção de agen­tes quí­mi­cos, Keith B. Ward, con­cluiu que os ex­tre­mis­tas uti­li­za­ram uma subs­tân­cia quí­mi­ca que pro­vo­ca bo­lhas na pe­le, se­gun­do o co­mu­ni­ca­do da HRW.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.