União Afri­ca­na anun­cia pla­no pa­ra o fim da guer­ra na Lí­bia

De­fen­di­das ne­go­ci­a­ções e um no­vo acor­do po­lí­ti­co pa­ra pôr fim ao ca­os e à ins­ta­bi­li­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - ELE­A­ZAR VAN-DÚ­NEM | *

O Pre­si­den­te em exer­cí­cio da União Afri­ca­na e Che­fe do Es­ta­do cha­di­a­no, Idriss Deby It­no, anun­ci­ou es­ta se­ma­na, em Ad­dis Abe­ba, uma am­bi­ci­o­sa ini­ci­a­ti­va da or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal, em par­ce­ria com as Na­ções Uni­das e a Li­ga Ára­be, des­ti­na­da a al­can­çar “uma re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal glo­bal in­clu­si­va” na Lí­bia.

A ini­ci­a­ti­va in­te­gra os paí­ses vi­zi­nhos da Lí­bia e re­jei­ta a ex­clu­são de qual­quer par­te no pro­ces­so po­lí­ti­co em cur­so no país, e ba­seia-se no acor­do po­lí­ti­co as­si­na­do no ano pas­sa­do, em Mar­ro­cos, sob os bons ofí­ci­os da ONU, afir­mou Idriss Deby It­no na reu­nião do Co­mi­té de Al­to Ní­vel da União Afri­ca­na so­bre aque­le país da Áfri­ca do Nor­te, re­a­li­za­da na ca­pi­tal etío­pe.

Na reu­nião, que con­tou com a pre­sen­ça de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no do con­ti­nen­te, e na qual foi abor­da­da a cri­se na Lí­bia e os es­for­ços pa­ra a re­sol­ver, Idriss Deby It­no dis­se ser in­ten­ção da União Afri­ca­na reu­nir “to­das as par­tes no pro­ces­so po­lí­ti­co so­bre a Lí­bia” e pe­diu “um no­vo im­pul­so às ne­go­ci­a­ções pa­ra a saí­da da cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal”.

A si­tu­a­ção na Lí­bia, de­fen­deu, “é mui­to com­pli­ca­da de­vi­do à au­sên­cia de acor­do en­tre as par­tes, di­vi­sões e con­fli­tos de in­te­res­ses que do­mi­nam a con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca no país”.

Re­lan­çar as ne­go­ci­a­ções

A União Afri­ca­na es­tá em dí­vi­da com a Lí­bia. O Ga­bão, a Ni­gé­ria e a Áfri­ca do Sul, os três paí­ses do con­ti­nen­te que in­te­gra­vam em 2011 o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, apro­va­ram a re­so­lu­ção 1973, que de­via im­por uma zo­na de ex­clu­são aé­rea na Lí­bia, mas foi usa­da por po­tên­ci­as oci­den­tais e a OTAN pa­ra jus­ti­fi­car a in­va­são da Lí­bia e o der­ru­be e as­sas­si­na­to do Pre­si­den­te Mu­am­mar Kadha­fi. A pas­si­vi­da­de e a inac­ção da União Afri­ca­na na al­tu­ra é até ho­je mo­ti­vo de ver­go­nha pa­ra o con­ti­nen­te.

Es­ta ini­ci­a­ti­va afri­ca­na é anun­ci­a­da após um re­la­tó­rio do “think­tank” de pre­ven­ção de con­fli­tos In­ter­na­ci­o­nal Cri­sis Group (ICG) con­cluir que, ou a Lí­bia aca­ba com as di­vi­sões po­lí­ti­cas, ini­cia um no­vo pro­ces­so po­lí­ti­co e no­vas con­ver­sa­ções de paz, ou ar­ris­ca ver eclo­dir um con­fli­to in­ter­no mai­or no país.

No es­tu­do, o “think-tank” se­de­a­do em Bru­xe­las de­fen­de que “pou­cos pro­gres­sos vão ser al­can­ça­do sem en­vol­ver no diá­lo­go os mais im­por­tan­tes ac­to­res ar­ma­dos”, ser “im­pe­ra­ti­vo” rei­ni­ci­ar o pro­ces­so de paz e con­clui que o acor­do de Skhi­rat, pro­mo­vi­do pe­la ONU e as po­ten­ci­as oci­den­tais pa­ra re­sol­ver as di­vi­sões do país, “mais do que ter con­tri­buí­do pa­ra so­lu­ci­o­nar con­fli­tos in­ter­nos, re­con­fi­gu­rou-os”.

Es­te acor­do “não é mais apli­cá­vel nos ter­mos em que es­tá”, con­si­de­ra o IGC, que re­co­men­da “no­vas ne­go­ci­a­ções en­tre os prin­ci­pais ac­to­res”.

Con­ces­sões pa­ra se­gu­ran­ça

O In­ter­na­ti­o­nal Cri­sis Group re­ceia a eclo­são de um con­fli­to en­tre as for­ças do ma­re­chal Kha­li­fa Haf­tar, que nos úl­ti­mos me­ses to­mou os prin­ci­pais ter­mi­nais de pe­tró­leo do les­te do país, e as for­ças do go­ver­no lí­bio de uni­da­de na­ci­o­nal, que a qual­quer mo­men­to po­dem re­con­quis­tar a ci­da­de de Sir­te das mãos do Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

O re­la­tó­rio não ex­clui a pos­si­bi­li­da­de de as for­ças do Go­ver­no lí­bio de uni­da­de na­ci­o­nal avan­çar pa­ra les­te pa­ra en­fren­tar as for­ças do Ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar, e de es­tas úl­ti­mas avan­ça­rem pa­ra oes­te, em di­rec­ção a Tri­po­li.

“As ten­ta­ti­vas de apli­car o acor­do sem o aval das au­to­ri­da­des de To­bruk e de ex­cluir o ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar de­vem pa­rar. O ge­ne­ral de­ve fa­zer par­te das ne­go­ci­a­ções”, de­fen­de o ICG, que su­bli­nha a ne­ces­si­da­de “de os dois cam­pos fa­ze­rem con­ces­sões, so­bre­tu­do no que diz res­pei­to à se­gu­ran­ça”.

Fra­cas­so de Skhi­rat

An­tes de as­si­na­rem o acor­do de Skhi­rat, de­pois de for­tes pres­sões da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, re­pre­sen­tan­tes dos dois Par­la­men­tos ri­vais da Lí­bia, de To­bruk, pró OTAN, e de Tri­po­li, ti­nham che­ga­do, na Tu­ní­sia, “sem qual­quer in­ge­rên­cia ex­ter­na e pré-con­di­ções”, a um acor­do po­lí­ti­co pa­ra co­lo­car fim ao con­fli­to que as­so­la o país.

O “Acor­do de Tu­nis” pre­via a for­ma­ção de um go­ver­no de uni­da­de na­ci­o­nal, a cri­a­ção de uma co­mis­são de dez mem­bros en­car­re­gue de en­con­trar um pri­mei­ro-mi­nis­tro con­sen­su­al na­ci­o­nal e dois vi­ce-pri­mei­ros-mi­nis­tros, um da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes (ba­se­a­da em To­bruk) e ou­tro do Con­gres­so Na­ci­o­nal Ge­ral (em Tri­po­li), o re­tor­no à an­ti­ga Cons­ti­tui­ção e a pre­pa­ra­ção de um cli­ma pro­pí­cio à re­a­li­za­ção, nos pró­xi­mos dois anos, de elei­ções le­gis­la­ti­vas.

Tam­bém pre­via a cri­a­ção de uma co­mis­são de dez mem­bros (cin­co da Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes, de To­bruk) e cin­co do Con­gres­so Na­ci­o­nal Ge­ral lí­bio en­car­re­ga­da de re­ver a Cons­ti­tui­ção “em con­for­mi­da­de com as par­ti­cu­la­ri­da­des e os in­te­res­ses ac­tu­ais da Lí­bia.

Com me­do de per­der in­fluên­cia na Lí­bia, a ONU e as po­tên­ci­as oci­den­tais pre­fe­ri­ram boi­co­tar o Acor­do de Tu­nis - re­jei­ta­ram o acor­do “as­si­na­do sem me­di­a­ção es­tran­gei­ra” por con­si­de­rar que “qual­quer pro­ces­so de­ve ser glo­bal e re­co­nhe­cer o pa­pel po­si­ti­vo da vi­zi­nhan­ça, das or­ga­ni­za­ções re­gi­o­nais e da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal” - e de­ram pri­ma­zia ao acor­do de Skhi­rat, que aca­bou por “re­con­fi­gu­rar os con­fli­tos no país”, re­fe­re o ICG.

Co­mo re­sul­ta­do, a Lí­bia con­ti­nua mer­gu­lha­da na vi­o­lên­cia e no ca­os e sob a ame­a­ça do Es­ta­do Is­lâ­mi­co e de ou­tros gru­pos cin­co anos após a que­da e mor­te do Pre­si­den­te Mu­am­mar Kadha­fi, na sequên­cia da cha­ma­da “pri­ma­ve­ra ára­be”, apoi­a­da pe­la OTAN e por po­tên­ci­as oci­den­tais. O país es­tá di­vi­di­do em três gran­des áre­as, go­ver­na­das por di­fe­ren­tes ac­to­res. No les­te, con­tro­la­do pe­lo ge­ne­ral Kha­li­fa Haf­tar, rei­na o exér­ci­to na­ci­o­nal lí­bio e a tri­bo tou­bou. O an­ti­go ge­ne­ral de Mu­am­mar Kadha­fi im­põe-se na ofen­si­va con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co e as tro­pas de Tri­po­li, mas tam­bém no pla­no di­plo­má­ti­co. O oes­te é con­tro­la­do pe­la mi­lí­cia Farj Ly­bia, cons­ti­tuí­da pe­los tu­a­re­gues e bra­ço ar­ma­do do go­ver­no de Tri­po­li.

Fayez Al Sar­raj, pri­mei­ro-mi­nis­tro do Go­ver­no de União Na­ci­o­nal, apoi­a­do pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, Ali­an­ça mi­li­tar Atlân­ti­ca e po­tên­ci­as oci­den­tais, go­ver­na a par­te oci­den­tal do país, in­cluin­do Tri­po­li, mas emer­ge um no­vo lí­der, Kha­li­fa al Ghwei, que se ins­ta­lou na se­de do Go­ver­no, em Tri­po­li. O nor­te é con­tro­la­do pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

AFP

Pro­pos­ta afri­ca­na po­de le­var lí­bi­os a en­con­trar o ca­mi­nho pa­ra a re­con­ci­li­a­ção e o pro­gres­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.