Pre­ços dos ter­re­nos têm de­ba­te pú­bli­co

Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção re­a­li­za ama­nhã um en­con­tro na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção re­a­li­za ama­nhã, em Lu­an­da, um se­mi­ná­rio na­ci­o­nal so­bre “Pre­ços a fi­xar na con­ces­são dos di­rei­tos fun­diá­ri­os”. O Mi­nis­té­rio in­di­ca que o se­mi­ná­rio se des­ti­na a en­con­trar uma for­ma sim­ples, cla­ra e uni­for­me pa­ra o cál­cu­lo do me­tro qua­dra­do, pe­las dis­tin­tas en­ti­da­des con­ce­den­tes de di­rei­tos fun­diá­ri­os, nas di­ver­sas mo­da­li­da­des pre­vis­tas na Lei de Ter­ras (LT) e no Re­gu­la­men­to Ge­ral de Con­ces­são de Ter­re­nos (RGCT), de­sig­na­da­men­te o di­rei­to de pro­pri­e­da­de, o do­mí­nio útil ci­vil, o di­rei­to de su­per­fí­cie e o di­rei­to de ocu­pa­ção pre­cá­ria. O ar­qui­tec­to António Ga­mei­ro é um dos pre­lec­to­res.

O Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção re­a­li­za ama­nhã, em Lu­an­da, um se­mi­ná­rio na­ci­o­nal so­bre “Pre­ços a fi­xar na con­ces­são dos di­rei­tos fun­diá­ri­os”, in­for­ma um do­cu­men­to do de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al.

No do­cu­men­to, en­vi­a­do on­tem ao Jornal de An­go­la, o Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção re­fe­re que o ob­jec­ti­vo do se­mi­ná­rio é de­fi­nir, de for­ma sim­ples, cla­ra e ob­jec­ti­va, o preço do me­tro qua­dra­do dos ter­re­nos em An­go­la, à luz das di­ver­sas mo­da­li­da­des pre­vis­tas na Lei de Ter­ras.

O se­mi­ná­rio, que é re­a­li­za­do em par­ce­ria com os mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças e da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, é des­ti­na­do a fun­ci­o­ná­ri­os de de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais, ins­ti­tu­tos, em­pre­sas pú­bli­cas, fun­da­ções e de or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil.

O en­con­tro vai re­co­lher con­tri­bui­ções no âm­bi­to da ela­bo­ra­ção do Pro­jec­to de De­cre­to Exe­cu­ti­vo Con­jun­to dos Mi­nis­tros do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção e das Fi­nan­ças, que apro­va a ta­be­la de fi­xa­ção do preço do me­tro qua­dro na con­ces­são dos di­rei­tos fun­diá­ri­os, à luz do res­pec­ti­vo re­gu­la­men­to, apro­va­do através do De­cre­to nº 58/07, de 13 de Ju­lho.

Re­gi­me ju­rí­di­co das ter­ras

A no­va Lei de Ter­ras, que es­ta­be­le­ce as ba­ses ge­rais do seu re­gi­me ju­rí­di­co e o re­gi­me ge­ral de con­ces­são e cons­ti­tui­ção dos di­rei­tos fun­diá­ri­os, foi pro­mul­ga­da, em Diário da Re­pú­bli­ca, em 2004.

Com 86 ar­ti­gos, a lei es­ta­be­le­ce as ba­ses ge­rais do re­gi­me ju­rí­di­co das ter­ras in­te­gra­das na pro­pri­e­da­de ori­gi­ná­ria do Es­ta­do, os di­rei­tos fun­diá­ri­os que so­bre es­tas po­dem re­cair e o re­gi­me ge­ral de trans­mis­são, cons­ti­tui­ção, exer­cí­cio e ex­tin­ção des­tes di­rei­tos. A lei apli­ca-se aos ter­re­nos ru­rais e ur­ba­nos so­bre os quais o Es­ta­do cons­ti­tua al­gum dos di­rei­tos fun­diá­ri­os ne­la pre­vis­tos, em be­ne­fí­cio de pes­so­as sin­gu­la­res ou co­lec­ti­vas de di­rei­to pú­bli­co ou pri­va­do, com vis­ta à pros­se­cu­ção de fins de ex­plo­ra­ção agrí­co­la, pe­cuá­ria ou sil­ví­co­la.

O mes­mo acon­te­ce em re­la­ção à ex­plo­ra­ção mi­ne­ral, in­dus­tri­al, co­mer­ci­al, ha­bi­ta­ci­o­nal, de edi­fi­ca­ção ur­ba­na ou ru­ral, de or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio, pro­tec­ção do am­bi­en­te e de com­ba­te à ero­são dos so­los.

Nos ter­mos da no­va lei, “a ter­ra cons­ti­tui pro­pri­e­da­de ori­gi­ná­ria do Es­ta­do” pelo que se tor­nam nu­los os ne­gó­ci­os de trans­mis­são ou one­ra­ção da pro­pri­e­da­de dos ter­re­nos in­te­gra­dos nes­ses do­mí­ni­os. Tam­bém não po­dem ad­qui­rir-se por usu­ca­pião quais­quer di­rei­tos so­bre ter­re­nos in­te­gra­dos no do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do ou das co­mu­ni­da­des ru­rais. A lei es­ta­be­le­ce que os di­rei­tos fun­diá­ri­os ad­qui­ri­dos, trans­mi­ti­dos ou cons­ti­tuí­dos ex­tin­guem-se pelo seu não exer­cí­cio ou pe­la inob­ser­vân­cia dos ín­di­ces de apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo du­ran­te três anos con­se­cu­ti­vos ou seis in­ter­po­la­dos, qual­quer que se­ja o mo­ti­vo.

O Es­ta­do res­pei­ta e pro­te­ge os di­rei­tos fun­diá­ri­os de que se­jam ti­tu­la­res as co­mu­ni­da­des ru­rais, in­cluin­do aque­les que se fun­dam nos usos ou no cos­tu­me. A lei res­sal­ta que os ter­re­nos des­sas co­mu­ni­da­des po­dem ser ex­pro­pri­a­dos pa­ra uti­li­da­de pú­bli­ca, me­di­an­te jus­ta in­dem­ni­za­ção. No que to­ca ain­da à ex­pro­pri­a­ções, a lei re­fe­re que “nin­guém po­de ser pri­va­do, no to­do ou em parte, do seu di­rei­to fun­diá­rio li­mi­ta­do” e que “o Es­ta­do e as au­tar­qui­as lo­cais po­dem ex­pro­pri­ar ter­re­nos, con­tan­to que es­tes se­jam uti­li­za­dos pa­ra um fim es­pe­cí­fi­co de uti­li­da­de pú­bli­ca”.

Co­mu­ni­da­des ru­rais

O di­plo­ma tam­bém sal­va­guar­da os di­rei­tos das co­mu­ni­da­des ru­rais em ter­re­nos re­ser­va­dos, às quais o Es­ta­do as­se­gu­ra a afec­ta­ção de des­pe­sas que vi­sem a pro­mo­ção do seu bem-es­tar re­sul­tan­tes das ta­xas co­bra­das pelo aces­so aos par­ques e pe­la ca­ça, pes­ca ou ac­ti­vi­da­des tu­rís­ti­cas ali de­sen­vol­vi­das.

No que se re­fe­re ao do­mí­nio útil con­su­e­tu­di­ná­rio, o di­plo­ma re­co­nhe­ce às fa­mí­li­as que in­te­gram as co­mu­ni­da­des ru­rais a ocu­pa­ção, pos­se e os di­rei­tos de uso e frui­ção dos ter­re­nos ru­rais co­mu­ni­tá­ri­os por elas ocu­pa­dos e apro­vei­ta­dos de for­ma útil e efec­ti­va, se­gun­do o cos­tu­me.

O exer­cí­cio des­te do­mí­nio é gratuito e não pres­cre­ve, mas po­de ex­tin­guir-se pelo não uso e pe­la livre de­so­cu­pa­ção nos ter­mos das nor­mas con­su­e­tu­di­ná­ri­as.

Os li­tí­gi­os re­la­ti­vos aos di­rei­tos co­lec­ti­vos de pos­se, ges­tão, uso e frui­ção e do­mí­nio útil con­su­e­tu­di­ná­rio dos ter­re­nos ru­rais co­mu­ni­tá­ri­os são de­ci­di­dos no in­te­ri­or das co­mu­ni­da­des ru­rais, de har­mo­nia com o cos­tu­me ne­las vi­gen­te.

A lei es­ta­be­le­ce, por úl­ti­mo, que as pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas que ocu­pam, sem qual­quer tí­tu­lo, ter­re­nos do Es­ta­do ou das au­tar­qui­as lo­cais, de­vem, no pra­zo de três anos, re­que­rer a emis­são de tí­tu­lo de con­ces­são.

SÉRGIO DI­AS

A ci­da­de de Lu­an­da al­ber­ga ama­nhã uma reu­nião que vai jun­tar es­pe­ci­a­lis­tas em ur­ba­nis­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.