Fusão em Ben­gue­la e Lo­bi­to au­men­ta a pro­du­ção de água

Fusão de em­pre­sas per­mi­te au­men­to no for­ne­ci­men­to do lí­qui­do pre­ci­o­so

Jornal de Angola - - PARTADA -

O ano de 2017 é, pa­ra Ben­gue­la, um dos gran­des de­sa­fi­os do sec­tor das águas, com des­ta­que pa­ra a fusão das em­pre­sas de águas de Ben­gue­la e Lo­bi­to e a am­pli­a­ção da Es­ta­ção de Tratamento do Luongo.

O anún­cio da fusão e am­pli­a­ção foi fei­to pelo mi­nis­tro da Ener­gia e Águas, João Bap­tis­ta Bor­ges, du­ran­te um en­con­tro com o go­ver­na­dor de Ben­gue­la, Isa­ac Maria dos An­jos, com quem ava­li­ou o mo­de­lo de Par­ce­ria Pú­bli­co-Pri­va­da (PPP) pa­ra me­lho­rar a efi­ci­ên­cia e am­pli­ar a ca­pa­ci­da­de de abastecimento a áre­as com in­ves­ti­men­tos em no­vas li­ga­ções.

O pro­jec­to de am­pli­a­ção da in­fra­es­tru­tu­ra já es­tá pre­pa­ra­do e po­de­rá ele­var a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da da ETA-Luongo de 1,5 me­tros cú­bi­cos por se­gun­do pa­ra 2,0 me­tros cú­bi­cos por se­gun­do, co­mo re­za a sua ter­cei­ra fa­se com­ple­men­tar. “Não en­trou ain­da em exe­cu­ção por ra­zões de res­tri­ções or­ça­men­tais. Mas jul­ga­mos que no pró­xi­mo exer­cí­cio or­ça­men­tal te­re­mos con­di­ções pa­ra exe­cu­tá-lo”, jus­ti­fi­cou o mi­nis­tro João Bap­tis­ta Bor­ges.

O Go­ver­no pre­ten­de ser­vir me­lhor o rit­mo de cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co do li­to­ral de Ben­gue­la com mais de dois mi­lhões de ha­bi­tan­tes, sen­do 70 por cen­to con­cen­tra­dos na fai­xa li­to­ral da pro­vín­cia. Com esta in­ter­ven­ção, Ben­gue­la es­ta­rá em con­di­ções de res­pon­der à de­man­da e aten­der às no­vas cen­tra­li­da­des cons­truí­das pelo Exe­cu­ti­vo no Lo­bi­to, Ca­tum­be­la, Baía-Far­ta e as zo­nas crí­ti­cas ou com ir­re­gu­lar abastecimento. Inau­gu­ra­da a 15 de Agos­to de 2008, na sua pri­mei­ra fa­se, pelo Pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos, a Es­ta­ção de Tratamento de Água do Luongo, é um in­ves­ti­men­to de raíz do Go­ver­no de An­go­la ava­li­a­do em 600 mi­lhões de dó­la­res.

Nes­te mo­men­to, pa­ra ali­vi­ar a pres­são so­bre os sis­te­mas, a Em­pre­sa de Águas de Ben­gue­la es­tá a in­ves­tir com re­cur­sos lo­cais na re­cu­pe­ra­ção de cam­pos de fu­ros do Ca­va­co pa­ra re­por a sua ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de 1.200 me­tros cú­bi­cos por hora e au­men­tar o vo­lu­me de água dis­po­ní­vel.

Es­te mês fo­ram ins­ta­la­das tam­bém du­as bom­bas sub­mer­sí­veis de 125 me­tros cú­bi­cos de água por hora e ou­tras du­as de 500 me­tros cú­bi­cos de água por hora na ETA-Ben­gue­la e de 345 me­tros cú­bi­cos por hora no Re­ser­va­tó­rio 3.

Em pa­ra­le­lo, de­cor­rem tra­ba­lhos de cons­tru­ção de uma con­du­ta adu­to­ra de 300 mi­lí­me­tros nu­ma ex­ten­são de três qui­ló­me­tros pa­ra in­ter­li­gar o ra­mal do Cam­pis­mo ao Re­ser­va­tó­rio 4 que abas­te­ce as lo­ca­li­da­des de San­to António, Ca­o­ta, Baía Azul e Baía Far­ta. Com es­tes in­ves­ti­men­tos se­rão mi­ni­mi­za­das as ir­re­gu­la­ri­da­des que se re­gis­tam nos pon­tos mais al­tos dos Bair­ros Ka­los­som­be­kua II, 4 de Abril, 11 de Novembro, Kam­ban­ge­la I e II, Ekui­kui I e II, Baía Far­ta, Sa­gra­da Es­pe­ran­ça e Agos­ti­nho Ne­to.

Fusão das “águas”

Na sequên­cia do Des­pa­cho Pre­si­den­ci­al N.º 100/16 que au­to­ri­za a cons­ti­tui­ção de uma em­pre­sa mis­ta entre a Em­pre­sa de Água e Sa­ne­a­men­to de Ben­gue­la e a Em­pre­sa de Água e Sa­ne­a­men­to do Lo­bi­to e a Ode­bre­cht Am­bi­en­tal-SA, o mi­nis­tro da Ener­gia e Águas foi a Ben­gue­la co­mu­ni­car ofi­ci­al­men­te às au­to­ri­da­des go­ver­na­ti­vas co­mo se­rá efec­ti­va­do o pro­ces­so.

Com po­de­res con­fe­ri­dos pa­ra ne­go­ci­ar e ad­ju­di­car a fa­vor da re­fe­ri­da em­pre­sa mis­ta, o con­tra­to de ges­tão de­le­ga­da do ser­vi­ço pú­bli­co de água e sa­ne­a­men­to de Ben­gue­la, o mi­nis­tro João Bap­tis­ta Bor­ges ex­pli­cou ao por­me­nor os ce­ná­ri­os do mo­de­lo de ges­tão a apli­car.

O mo­de­lo, co­nhe­ci­do por “Fer­ma­ge”, con­sis­te no es­ta­be­le­ci­men­to de um con­tra­to com uma en­ti­da­de que ge­re o sis­te­ma de dis­tri­bui­ção de água com ob­jec­ti­vos e con­tra­par­ti­das, re­gu­la­men­ta­dos pelo Ins­ti­tu­to Re­gu­la­dor do Sec­tor de Ener­gia e Águas (IRSEA).

O con­tra­to de­ve­rá de­fi­nir cin­co pi­la­res as­sen­tes nos ob­jec­ti­vos de efi­ci­ên­cia, as per­das co­mer­ci­ais, a ele­va­ção das re­cei­tas, a me­lho­ria da qua­li­da­de da água e a exe­cu­ção de no­vas li­ga­ções.

Na vi­são do mi­nis­tro João Bap­tis­ta Bor­ges, o Go­ver­no pre­ten­de tra­zer “know How”, as­sis­tên­cia téc­ni­ca e ex­pe­ri­ên­cia de em­pre­sas de gran­de por­te pa­ra va­lo­ri­zar os ac­ti­vos das em­pre­sas de águas e sa­ne­a­men­to de Ben­gue­la e Lo­bi­to. “São es­sas in­fra-es­tru­tu­ras que o Es­ta­do cons­truiu com mui­to di­nhei­ro e que pre­ten­de­mos que con­ti­nue a be­ne­fi­ci­ar o mai­or nú­me­ro de ha­bi­tan­tes”, jus­ti­fi­cou João Bap­tis­ta Bor­ges.

Dí­vi­das di­fi­cul­tam

Os cli­en­tes de Ben­gue­la de­vem à Em­pre­sa de Águas mais de mil mi­lhões de kwan­zas. O gros­so da dí­vi­da foi con­traí­da an­tes de 2015.

A em­pre­sa “abriu mão” à ne­go­ci­a­ção e amor­ti­za­ção gra­du­al, an­tes de ac­ci­o­nar me­ca­nis­mos ju­di­ci­ais. À dis­po­si­ção dos seus cli­en­tes foi co­lo­ca­do um pro­gra­ma de va­li­da­ção e eli­mi­na­ção das dí­vi­das con­traí­das an­tes de 2015, sem afec­tar o abastecimento nor­mal de água à sua ca­sa. Esta é a for­ma mais gra­ci­o­sa e con­ci­li­a­do­ra que a em­pre­sa en­con­trou pa­ra não pe­na­li­zar os cli­en­tes do­més­ti­cos, co­mer­ci­ais, ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, ser­vi­ços e in­dus­tri­ais com dí­vi­das acu­mu­la­das an­tes de 2015. “Nós pro­pu­se­mos um pro­gra­ma de par­ce­la­men­to da dí­vi­da pa­ra per­mi­tir aos cli­en­tes te­rem a ca­pa­ci­da­de de amor­ti­zá-la e, ao mes­mo tem­po, con­ti­nu­a­rem a pa­gar o con­su­mo cor­ren­te sem so­bres­sal­tos”, ex­pli­cou o director co­mer­ci­al, Faus­ti­no Fre­de­ri­co. Pa­ra o efei­to, foi cri­a­da uma agên­cia es­pe­cí­fi­ca pa­ra ne­go­ci­ar a re­cu­pe­ra­ção das dí­vi­das.

Os mais de mil mi­lhões de kwan­zas em dí­vi­da nas mãos dos cli­en­tes de Ben­gue­la es­tão a afec­tar a sus­ten­ta­bi­li­da­de da em­pre­sa que tem de so­bre­vi­ver das co­bran­ças de água. Os gran­des in­ves­ti­men­tos na me­lho­ria dos sis­te­mas de pro­du­ção, dis­tri­bui­ção, ins­ta­la­ção de te­le-con­ta­do­res e pré-pa­go, bem co­mo de ou­tros ser­vi­ços téc­ni­cos e de ges­tão, es­tão con­di­ci­o­na­dos por cau­sa das dí­vi­das acu­mu­la­das pe­los cli­en­tes.

“ No de­cor­rer do mês tran­sac­to fo­ram ins­ta­la­das du­as bom­bas sub­mer­sí­veís de 125 me­tros cú­bi­cos de água por hora ”

GUILHERME FAUS­TI­NO

GUILHERME FAUS­TI­NO

Gran­des in­ves­ti­men­tos em re­cur­sos lo­cais aju­dam na re­cu­pe­ra­ção de fu­ros de água

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.