No­vas vi­as me­lho­ram cir­cu­la­ção em Ca­bin­da

Jornal de Angola - - POLÍTICA - BER­NAR­DO CAPITA | JOÃO SALVO FLÁVIA MASSUA |

e

Inau­gu­ra­ções de em­pre­en­di­men­tos so­ci­ais e eco­nó­mi­cos mar­ca­ram o pon­to mais al­to das co­me­mo­ra­ções dos 41 anos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal em to­do o país. Em Ca­bin­da, a ce­le­bra­ção foi mar­ca­da com a inau­gu­ra­ção de uma via ter­ciá­ria com 33 qui­ló­me­tros que li­ga as al­dei­as de Tun­go à la­goa de Mas­sa­bi, mu­ni­cí­pio de Ca­con­go.

A via cus­tou cer­ca de 1,36 mil mi­lhões de kwan­zas e vai per­mi­tir uma me­lhor cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens, já que as pés­si­mas con­di­ções que apre­sen­ta­va an­tes da sua re­cu­pe­ra­ção e so­bre­tu­do em pe­río­dos de chu­va di­fi­cul­ta­vam a ins­ta­la­ção na­que­las lo­ca­li­da­des de al­guns ser­vi­ços so­ci­ais co­mo es­co­las, hos­pi­tais, água, ener­gia eléc­tri­ca e ou­tros.

A go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al de Ca­bin­da, que tes­te­mu­nhou o ac­to de inau­gu­ra­ção, dis­se que a re­cu­pe­ra­ção da via cons­ti­tui um dos ga­nhos da in­de­pen­dên­cia e que “de­ve cons­ti­tuir mo­ti­vo de ale­gria dos seus be­ne­fi­ciá­ri­os”.

Al­di­na da Lom­ba fa­lou dos be­ne­fí­ci­os que a in­de­pen­dên­cia pro­por­ci­o­na aos ci­da­dãos , bem co­mo o em­pe­nho, co­ra­gem e aci­ma de tu­do o es­pí­ri­to pa­trió­ti­co ma­ni­fes­ta­do por mui­tos na­ci­o­na­lis­tas an­go­la­nos e em par­ti­cu­lar pelo Pre­si­den­te António Agos­ti­nho Ne­to du­ran­te a gu­er­ra de li­ber­ta­ção do país do ju­go co­lo­ni­al por­tu­guês.

“A conquista da nos­sa in­de­pen­dên­cia é fru­to de uma lon­ga lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal con­tra a ocu­pa­ção co­lo­ni­al por­tu­gue­sa que du­ran­te 500 anos co­lo­ni­zou, ex­plo­rou, dis­cri­mi­nou o po­vo an­go­la­no”, dis­se a go­ver­na­do­ra pro­vin­cia de Ca­bin­da, pa­ra quem a história de An­go­la é re­che­a­da de he­róis e de ac­tos de he­roís­mo.

Lo­jas Pou­pa Lá em Sau­ri­mo

A go­ver­na­do­ra da Lun­da Sul, Cân­di­da Nar­ci­so, inau­gu­rou na sexta-feira, na com­pa­nhia do se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Co­mér­cio, Jai­me For­tu­na­to, du­as lo­jas da re­de “Pou­pa Lá” nos bair­ros Can­dem­be e Txi­zain­ga II, pe­ri­fe­ria da ci­da­de de Sau­ri­mo, no qua­dro das co­me­mo­ra­ções do 41º ani­ver­sá­rio da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal.

Após o cor­te de fi­ta, a go­ver­na­do­ra Cân­di­da Nar­ci­so con­si­de­rou igual­men­te que es­te é mais um ga­nho da in­de­pen­dên­cia. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do re­fe­riu que as lo­jas sur­gem no âm­bi­to da ex­pan­são da re­de co­mer­ci­al pa­ra al­can­çar os ob­jec­ti­vos da “re­du­ção da in­for­ma­li­da­de do co­mér­cio”. A inau­gu­ra­ção des­tas du­as lo­jas abriu opor­tu­ni­da­des pa­ra a cri­a­ção de 24 no­vos pos­tos de tra­ba­lho e en­cur­tou a dis­tân­cia das po­pu­la­ções cir­cun­vi­zi­nhas na pro­cu­ra de bens es­sen­ci­ais nos ou­tros pon­tos da ci­da­de, se­gun­do a mo­ra­do­ra do bair­ro Txi­zain­ga II Jú­lia Txi­co­las­so­nhi.

No ac­to po­lí­ti­co que mar­cou as co­me­mo­ra­ções dos 41 anos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a go­ver­na­do­ra Cân­di­da Nar­ci­so des­ta­cou a li­ber­da­de, a au­to-de­ter­mi­na­ção, a in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al e as­sump­ção do seu pró­prio des­ti­no co­mo os prin­ci­pais ga­nhos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

A go­ver­na­do­ra Cân­di­da Nar­ci­so apon­tou que a de­mo­cra­cia, a uni­da­de e re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal cons­ti­tu­em entre ou­tras as con­quis­tas al­can­ça­das pe­los an­go­la­nos. Esta conquista, su­bli­nhou, abriu por­tas pa­ra o po­vo an­go­la­no se unir de for­ma he­rói­ca man­ten­do An­go­la una e in­di­vi­sí­vel.

Em 2002, os an­go­la­nos pro­ta­go­ni­za­ram mais um fac­to his­tó­ri­co que é o al­can­ce da paz, que per­mi­te abrir no­vas as­pi­ra­ções pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das su­as as­pi­ra­ções, dis­se a go­ver­na­do­ra pro­vin­ci­al, Cân­di­da Nar­ci­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.