For­ças ira­qui­a­nas acu­sa­das de tor­tu­rar ci­vis

Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal res­pon­sa­bi­li­za sol­da­dos por co­me­te­rem ac­tos de ex­tre­ma vi­o­lên­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

For­ças ira­qui­a­nas tor­tu­ra­ram e ma­ta­ram ci­vis a Sul de Mossul, de­nun­ci­a­ram gru­pos de di­rei­tos hu­ma­nos, nos pri­mei­ros re­la­tó­ri­os de su­pos­tos abu­sos na ofen­si­va mi­li­tar pa­ra re­to­mar a ci­da­de con­tro­la­da pelo “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” (“EI”).

AAm­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal re­fe­re que seis pes­so­as fo­ram en­con­tra­das mor­tas no mês pas­sa­do nas zo­nas su­bur­ba­nas de Shu­ra e Qayya­ra, que as for­ças de se­gu­ran­ça sus­pei­tam ter la­ços com o gru­po ter­ro­ris­ta que ocu­pou um ter­ço do ter­ri­tó­rio ira­qui­a­no em 2014.

“Ho­mens com uni­for­mes da po­lí­cia fe­de­ral co­me­te­ram múl­ti­plos as­sas­si­na­tos, apre­en­den­do e de­pois ma­tan­do de­li­be­ra­da­men­te, a san­gue frio, mo­ra­do­res de vi­la­re­jos a Sul de Mossul”, dis­se Lynn Ma­a­louf, vi­ce-di­rec­to­ra de pes­qui­sa do es­cri­tó­rio da Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal em Bei­ru­te, ca­pi­tal do Lí­ba­no.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro do Ira­que, Hai­der al-Aba­di, ne­gou as acu­sa­ções da Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal, sob o ar­gu­men­to de que mo­ra­do­res e não for­ças do Go­ver­no, ma­ta­ram mem­bros do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” e de ou­tras pes­so­as que, de livre von­ta­de, co­la­bo­ra­ram com o gru­po ter­ro­ris­ta. O Che­fe do Go­ver­no tam­bém dis­se que a or­ga­ni­za­ção não­go­ver­na­men­tal que de­fen­de os Di­rei­tos Hu­ma­nos es­tá a es­pa­lhar o me­do entre os ira­qui­a­nos com os seus re­la­tó­ri­os e que se­rá res­pon­sa­bi­li­za­da pelo des­lo­ca­men­to de pes­so­as que po­dem fu­gir da ci­da­de em con­sequên­cia das su­as ac­ções.

A or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal Hu­man Rights Wat­ch (HRW) re­ve­lou, por sua vez, que pelo me­nos 37 ho­mens sus­pei­tos de se­rem mem­bros do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” fo­ram de­ti­dos por for­ças ira­qui­a­nas e cur­das co­lo­ca­das em pos­tos de ve­ri­fi­ca­ção, vi­la­re­jos, cen­tros de tri­a­gem e cam­pos pa­ra pes­so­as des­lo­ca­das nos ar­re­do­res de Mossul e Hawi­ja. Ale­ga­dos fa­mi­li­a­res con­ta­ram que não sa­bem on­de a mai­o­ria dos ho­mens es­tão de­ti­dos e que não con­se­gui­ram con­tac­tar ne­nhum de­les du­ran­te a sua de­ten­ção, de acor­do com o re­la­tó­rio. A HRW afir­mou que tal con­du­ta “au­men­ta sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o risco de ou­tras vi­o­la­ções”, in­cluin­do a tor­tu­ra. O por­ta-voz do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or do Ira­que ne­gou qual­quer vi­o­la­ção e dis­se que as for­ças ira­qui­a­nas res­pei­tam os di­rei­tos hu­ma­nos e a lei in­ter­na­ci­o­nal. O por­ta-voz do go­ver­no re­gi­o­nal cur­do re­fu­tou o re­la­to da HRW, ao afir­mar que quais­quer atra­sos na no­ti­fi­ca­ção das fa­mí­li­as tem a ver com a fal­ta de re­cur­sos. “Nin­guém foi man­ti­do em ins­ta­la­ções des­co­nhe­ci­das. Eles são man­ti­dos em ins­ta­la­ções iden­ti­fi­ca­das”, afir­mou Din­dar Ze­ba­ri.

A operação mi­li­tar de Mossul, que en­vol­ve uma ali­an­ça de sol­da­dos ira­qui­a­nos, for­ças de se­gu­ran­ça, com­ba­ten­tes cur­dos pesh­mer­ga e mi­lí­ci­as xi­i­tas, que che­gam a 100 mil efec­ti­vos e que têm apoio de ata­ques aé­re­os dos EUA, en­trou na quar­ta se­ma­na, mas até ago­ra só con­se­guiu apo­de­rar-se de uma pe­que­na parte da ci­da­de.

Ata­ques aé­re­os

Os ata­ques de aviões nor­te-ame­ri­ca­nos no Ira­que e na Sí­ria con­tra o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” ma­ta­ram 119 ci­vis des­de o seu iní­cio, em 2014, se­gun­do ba­lan­ço di­vul­ga­do esta se­ma­na pelo Pen­tá­go­no (Mi­nis­té­rio da De­fe­sa dos EUA).

O Go­ver­no de Washing­ton só re­co­nhe­ce a exis­tên­cia de ví­ti­mas ci­vis co­mo con­sequên­cia dos seus ale­ga­dos bom­bar­de­a­men­tos, de­pois de in­ves­ti­ga­ções fi­de­dig­nas.

Os Es­ta­dos Uni­dos são acu­sa­dos, as­sim co­mo ou­tros mem­bros da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal que li­de­ra, de su­bes­ti­mar o nú­me­ro de ví­ti­mas ci­vis dos seus ata­ques.

A or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal Airwars, com se­de em Lon­dres, es­ti­ma, por sua vez, que as bom­bas da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal ma­ta­ram 1.787 ci­vis no Ira­que e na Sí­ria des­de o co­me­ço dos ata­ques, há mais de dois anos, em Agos­to de 2014. AAm­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal si­tua o to­tal de ví­ti­mas mor­tais em pelo me­nos 300.

O nú­me­ro de ví­ti­mas ci­vis au­men­tou com a in­ten­si­fi­ca­ção da cam­pa­nha con­tra o “EI” des­de o fi­nal de 2015 e a pre­pa­ra­ção da ofen­si­va con­tra os re­du­tos de Mossul, no Ira­que, e Raqa, na Sí­ria.

“Es­ta­do Is­lâ­mi­co”

Mi­li­tan­tes do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co” exe­cu­ta­ram di­ver­sas pes­so­as nos ar­re­do­res de Mossul e há re­la­tos de que o gru­po ter­ro­ris­ta es­tá a ar­ma­ze­nar amó­nia e en­xo­fre em áre­as ci­vis, pos­si­vel­men­te pa­ra uso em ar­mas quí­mi­cas, dis­se na sexta-feira a por­ta-voz da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra os Di­rei­tos Hu­a­ma­nos, Ra­vi­na Sham­da­sa­ni.

Uma va­la co­mum com mais de 100 cor­pos en­con­tra­da na ci­da­de de Ham­mam al-Alil foi uma das de­ze­nas de lo­cais de exe­cu­ções do “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, dis­se Ra­vi­na Sham­da­sa­ni, ci­tan­do in­for­ma­ções de fon­tes no lo­cal, in­cluin­do de um ho­mem que se fin­giu de mor­to du­ran­te uma exe­cu­ção em mas­sa.

Exe­cu­ções pú­bli­cas fo­ram re­a­li­za­das por trai­ção e co­la­bo­ra­ção com for­ças ira­qui­a­nas que ten­ta­vam re­to­mar a ci­da­de, ou pelo uso de ce­lu­la­res, que são ba­ni­dos, ou de­ser­ção das fi­lei­ras.

Pes­so­as com cin­tu­rões de ex­plo­si­vos, pos­si­vel­men­te ado­les­cen­tes e crianças, e mu­lhe­res se­ques­tra­das es­ta­vam a ser en­vi­a­das pa­ra a zo­na his­tó­ri­ca de Mossul pelo “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”, pa­ra ser­vi­rem de “es­cu­do hu­ma­no”, re­fe­riu a por­ta­voz. As ope­ra­ções de uni­da­des se­pa­ra­das das for­ças en­vol­vi­das na ofen­si­va mi­li­tar já ga­nha­ram es­pa­ço sig­ni­fi­ca­ti­vo em cer­tas zo­nas da ci­da­de de Mossul, ape­sar de os ex­tre­mis­tas man­te­rem a re­sis­tên­cia.

AFP

Go­ver­no re­jei­tou as acu­sa­ções da Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal e cul­pa a or­ga­ni­za­ção pe­la fu­ga de­sor­de­na­da de ci­vis de áre­as ocu­pa­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.