INS­TI­TUI­ÇÃO QUE FUN­CI­O­NA DES­DE 2002 NA PRO­VÍN­CIA JÁ FORMOU MAIS DE CIN­CO MIL TÉC­NI­COS

Jornal de Angola - - PUBLICIDADE -

Em 90 di­as de au­las no centro, Pau­lo Au­gus­to apren­deu a li­gar e des­li­gar o com­pu­ta­dor com se­gu­ran­ça, di­gi­tar textos, cal­cu­lar mé­di­as no Ex­cel, de­se­nhar no Power Point ou re­a­li­zar ta­re­fas di­ver­sas no Mi­cro­soft Word. “Qu­an­do che­guei ao centro não sa­bia usar o com­pu­ta­dor. Mas ago­ra fa­ço de tu­do um pou­co e já me sin­to pre­pa­ra­do pa­ra o mer­ca­do do tra­ba­lho”, dis­se.

Na tur­ma de Eco­no­mia Do­més­ti­ca, um dos cursos mais so­li­ci­ta­dos pe­los jo­vens, so­bre­tu­do do se­xo fe­mi­ni­no, o am­bi­en­te era de mui­ta dis­po­si­ção e con­cen­tra­ção. To­dos os for­man­dos se­gui­am com mui­ta aten­ção a ex­pli­ca­ção do for­ma­dor.

No mo­men­to em que a equi­pa de re­por­ta­gem do Jornal de An­go­la vi­si­tou o lo­cal, os alu­nos do Cur­so de Eco­no­mia Do­més­ti­ca fa­la­vam de “Cu­li­ná­ria”. O cur­so tem ou­tras dis­ci­pli­nas, co­mo o de “De­co­ra­ção de In­te­ri­o­res” e “Res­tau­ra­ção”.

Com uma es­fe­ro­grá­fi­ca na mão e o ca­der­no apoi­a­do na car­tei­ra, Cre­mil­da Jo­a­na Go­mes re­gis­ta­va os in­gre­di­en­tes da re­cei­ta pa­ra a pre­pa­ra­ção de um “Cho­co­la­te Ca­sei­ro”. “Ca­da mo­men­to é uma oca­sião úni­ca pa­ra apren­der, por is­so não po­de ser des­per­di­ça­do”, aler­tou.

Cre­mil­da Go­mes re­fe­riu que a co­lo­ca­ção em prá­ti­ca dos co­nhe­ci­men­tos ad­qui­ri­dos de­ve ser ime­di­a­ta, tal co­mo de­fen­dem os for­ma­do­res/pro­fes­so­res do centro. “To­da a mu­lher sen­te von­ta­de e pai­xão de sa­ber pre­pa­rar uma di­ver­si­da­de de pra­tos gos­to­sos an­tes mes­mo de cons­ti­tuir fa­mí­lia”, dis­se.

A jo­vem de 22 anos de ida­de vê na for­ma­ção em Eco­no­mia Do­més­ti­ca Fim-de-Se­ma­na uma opor­tu­ni­da­de pa­ra o seu en­qua­dra­men­to so­ci­al e na ob­ten­ção de um em­pre­go que a aju­de a sus­ten­tar a sua fa­mí­lia. “Pa­ra além de apren­der a fa­zer vá­ri­os pra­tos in­ter­na­ci­o­nais e tí­pi­cos da re­gião, aqui tam­bém re­ce­bo mui­tos con­se­lhos mo­rais, cí­vi­cos e re­li­gi­o­sos, e so­bre a Lei Ge­ral do Tra­ba­lho.”

No Cur­so de Eco­no­mia Do­més­ti­ca os ho­mens que­bram o pre­con­cei­to. Mas­sin­di­di Pedro ado­ra co­zi­nhar. O jo­vem de 23 anos con­fes­sou à nos­sa re­por­ta­gem que, além de gos­tar de co­zi­nhar, sen­te uma pai­xão enor­me em ma­nu­se­ar os uten­sí­li­os de co­zi­nha, co­mo pa­ne­las, pra­tos e ta­lhe­res.

“Nes­te cur­so apren­de­mos de tu­do um pou­co, des­de a con­fec­ção de ali­men­tos, de­co­ra­ção e res­tau­ra­ção, além de co­nhe­cer­mos tam­bém os nos­sos di­rei­tos e de­ve­res nos lo­cais de tra­ba­lho”, dis­se, pa­ra de se­gui­da de­cla­rar: “es­tou ago­ra em con­di­ções de re­a­li­zar vá­ri­as ta­re­fas com um ní­vel de pro­fis­si­o­na­lis­mo acei­tá­vel. Mas pen­so pri­mei­ro apli­car em mi­nha ca­sa, lu­gar que pen­so ser pri­mor­di­al pa­ra apri­mo­rar as téc­ni­cas an­tes de con­se­guir um em­pre­go”.

O pa­dre Mi­guel Ha­muye­la, que lec­ci­o­na as dis­ci­pli­nas de Cu­li­ná­ria e Edu­ca­ção Tra­ba­lhis­ta e Re­li­gi­o­sa no cur­so de Eco­no­mia Do­més­ti­ca, avan­çou que os jo­vens for­ma­dos na­que­la ins­ti­tui­ção ad­qui­rem com­pe­tên­ci­as que lhes pos­si­bi­li­tam exer­cer fun­ções em qual­quer uni­da­de ho­te­lei­ra com ser­vi­ços in­ter­na­ci­o­nais, on­de po­dem de­sem­pe­nhar as fun­ções de de­co­ra­do­res, che­fes de co­zi­nha ou de sa­la, bar­mans, e de gar­çons.

“A for­ma­ção de­cor­re a bom rit­mo. Den­tro do cur­so de Eco­no­mia Do­més­ti­ca, os for­man­dos apren­dem téc­ni­cas de de­co­ra­ção, cu­li­ná­ria, pas­te­la­ria, edu­ca­ção tra­ba­lhis­ta e re­li­gi­o­sa. É dos cursos mais pro­cu­ra­dos pe­los jo­vens da pro­vín­cia, prin­ci­pal­men­te do se­xo fe­mi­ni­no”, ex­pli­cou. Os hábitos ali­men­ta­res das po­pu­la­ções de vá­ri­as re­giões do mun­do e a de­ter­mi­na­ção das ca­lo­ri­as que po­dem ou não fa­zer parte du­ma boa re­fei­ção cons­tam do con­jun­to de fac­to­res mo­ti­va­do­res da gran­de ade­rên­cia de for­man­dos no cur­so.

O sa­cer­do­te/for­ma­dor lan­çou um ape­lo aos jo­vens no sen­ti­do de apos­ta­rem na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e aca­dé­mi­ca se qui­se­rem al­can­çar êxi­tos no fu­tu­ro, con­vi­ven­do de for­ma ci­vi­li­za­da na so­ci­e­da­de e en­fren­tar tu­do com har­mo­nia e equi­da­de.

Pa­ra o director do Centro São João Ca­lá­bria, Mi­guel José Ca­che­que­le, uma das prin­ci­pais com­po­nen­tes da for­ma­ção que qua­li­fi­ca os pro­fis­si­o­nais pre­pa­ra­dos na ins­ti­tui­ção que di­ri­ge tem a ver com a Edu­ca­ção Tra­ba­lhis­ta, dis­ci­pli­na que con­fe­re aos jo­vens co­nhe­ci­men­tos que lhes per­mi­tem in­ter­pre­tar os dis­po­si­ti­vos le­gais que re­gu­la­men­tam as re­la­ções de tra­ba­lho, con­sa­gra­dos na Lei Ge­ral de Tra­ba­lho em vi­gor.

Mi­guel Ca­che­que­le dis­se que a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca que o país atra­ves­sa afec­tou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o fun­ci­o­na­men­to da ins­ti­tui­ção. “Por cau­sa da cri­se fi­nan­cei­ra, fo­mos obri­ga­dos a en­cer­rar os cursos de Elec­tri­ci­da­de e Ca­na­li­za­ção, fi­can­do ape­nas o de Eco­no­mia Do­més­ti­ca, que agre­ga a cu­li­ná­ria, ho­te­la­ria, pas­te­la­ria e de­co­ra­ção, e o cur­so de In­for­má­ti­ca”, re­fe­riu.

“O centro ca­re­ce ac­tu­al­men­te de al­gum apoio pa­ra le­var com su­ces­so as su­as ac­ti­vi­da­des. Con­ta­mos sem­pre com a pro­vi­dên­cia de Deus. Mas um apoio ma­te­ri­al e fi­nan­cei­ro que per­mi­ta o bom fun­ci­o­na­men­to des­ses cursos aju­da­ria mui­to pa­ra dar­mos con­ti­nui­da­de à mis­são de aju­dar os jo­vens in­te­res­sa­dos em cres­cer de for­ma pro­fis­si­o­nal, in­te­lec­tu­al, hu­ma­na e com va­lo­res cí­vi­cos e mo­rais”, re­fe­riu.

Es­te ano o centro ins­cre­veu 350 jo­vens nos cursos de Eco­no­mia Do­més­ti­ca e In­for­má­ti­ca. Mi­guel Ca­che­que­le dis­se que a ins­ti­tui­ção con­ti­nua a re­gis­tar for­te ade­rên­cia de jo­vens que pro­cu­ram al­can­çar uma pro­fis­são e que re­cla­mam por mais cursos dis­po­ní­veis.

“Mas, por ra­zões fi­nan­cei­ras, se­rá im­pos­sí­vel ter­mos no­vos cursos num cur­to es­pa­ço de tem­po”, afir­mou o res­pon­sá­vel. O centro Po­li­va­len­te São João Ca­lá­bria fun­ci­o­na com se­te for­ma­do­res, dois dos quais as­se­gu­ram o cur­so de In­for­má­ti­ca e ou­tros cin­co lec­ci­o­nam as dis­ci­pli­nas que com­põem o cur­so de Eco­no­mia Do­més­ti­ca. Os ges­to­res do centro não pou­pam es­for­ços na pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra que num fu­tu­ro bre­ve se­jam me­lho­ra­das as con­di­ções com vis­ta à res­ti­tui­ção dos cursos en­cer­ra­dos.

O centro Po­li­va­len­te São João Ca­lá­bria, afec­to à Igre­ja Ca­tó­li­ca no Uí­ge, é um dos pi­o­nei­ros na pro­vín­cia no campo da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Foi cri­a­do em 2001, através de uma ini­ci­a­ti­va fi­lan­tró­pi­ca da Con­gre­ga­ção dos Po­bres Ser­vos da Di­vi­na Pro­vi­dên­cia, com o ob­jec­ti­vo de aju­dar as pes­so­as des­fa­vo­re­ci­das a pos­suí­rem equi­va­lên­ci­as pro­fis­si­o­nais que lhes per­mi­tam re­a­li­zar al­gu­ma ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va.

O centro foi inau­gu­ra­do nes­te mes­mo ano pelo ac­tu­al bis­po emé­ri­to da Di­o­ce­se do Uí­ge, D. Fran­cis­co de Ma­ta Mou­ris­ca. Os pri­mei­ros 342 téc­ni­cos for­ma­dos nas es­pe­ci­a­li­da­des de In­for­má­ti­ca, Car­pin­ta­ria, Sa­pa­ta­ria, Hor­ti­cul­tu­ra, Cor­te-eCos­tu­ra e de Eco­no­mia Do­més­ti­ca fo­ram lan­ça­dos pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho em 2002. No ano se­guin­te, fo­ram in­tro­du­zi­dos mais cursos no centro, de Ca­na­li­za­ção e Elec­tri­ci­da­de, sen­do que nos anos de 2008 e 2009 fun­ci­o­nou tam­bém o cur­so de In­glês. O director do centro, Mi­guel Ca­che­que­le, avan­çou que a ins­ti­tui­ção já cer­ti­fi­cou até ago­ra mais de cin­co mil jo­vens nas es­pe­ci­a­li­da­des re­fe­ren­ci­a­das.

“Ho­je, mui­tos de­les tra­ba­lham em sec­to­res im­por­tan­tes da vi­da eco­nó­mi­ca do país e da pro­vín­cia, em par­ti­cu­lar”, con­cluiu. A ins­ti­tui­ção fun­ci­o­na na pro­vín­cia des­de 2002 e já formou mais de cin­co mil téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos nas áre­as de Ca­na­li­za­ção, Cor­te-e-Cos­tu­ra, Elec­tri­ci­da­de, Ser­ra­lha­ria, Car­pin­ta­ria, In­for­má­ti­ca, In­glês e Eco­no­mia Do­més­ti­ca.

EUNICE SUZANA

EUNICE SUZANA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.