Mban­za Con­go po­de ser ele­va­da a Pa­tri­mó­nio Mun­di­al

Até à pre­sen­te da­ta já fo­ram com­pi­la­dos to­dos os da­dos téc­ni­cos do dos­si­er en­vi­a­do à Unes­co

Jornal de Angola - - CULTURA - JOÃO MAVINGA, KAYILA SILVINA FER­NAN­DO NE­TO

e

A clas­si­fi­ca­ção da ci­da­de de Mban­za Con­go a Pa­tri­mó­nio Mun­di­al da Hu­ma­ni­da­de po­de ser con­cre­ti­za­da entre os me­ses de Ju­nho e Ju­lho do pró­xi­mo ano, al­tu­ra em que a Unes­co re­a­li­za a con­ven­ção pa­ra o apu­ra­men­to de ou­tras can­di­da­tu­ras.

A co­or­de­na­do­ra do pro­jec­to Mban­za Con­go “Ci­da­de a de­sen­ter­rar pa­ra pre­ser­var”, Só­nia Do­min­gos, que avan­çou a in­for­ma­ção ao Jornal de An­go­la, dis­se que até à pre­sen­te da­ta, fo­ram já cum­pri­dos to­dos os pres­su­pos­tos ofi­ci­ais pa­ra que a clas­si­fi­ca­ção se­ja ine­vi­tá­vel no pró­xi­mo ano.

“Já fo­ram com­pi­la­das to­das as abor­da­gens his­tó­ri­cas e ar­que­o­ló­gi­cas do dos­si­er e só es­ta­mos à es­pe­ra que se­jam co­lo­ca­das ou­tras in­for­ma­ções à nos­sa dis­po­si­ção por parte da Unes­co que ca­re­cem de ex­pli­ca­ção”, dis­se a co­or­de­na­do­ra do pro­jec­to, à mar­gem da III mesa-re­don­da in­ter­na­ci­o­nal so­bre de Mban­za Con­go, re­a­li­za­da de 7 a 8 des­te mês.

A ar­queó­lo­ga fez um his­to­ri­al do per­cur­so de oi­to anos de tra­ba­lho ár­duo da co­mis­são, cu­jo ba­lan­ço des­cre­ve co­mo po­si­ti­vo a jul­gar pe­las eta­pas en­fren­ta­das des­de a pes­qui­sa do­cu­men­tal, es­ca­va­ções ar­que­o­ló­gi­cas, le­van­ta­men­to ar­qui­tec­tó­ni­co, pros­pec­ção pe­des­tre e ge­o­fí­si­ca, in­cluin­do os es­tu­dos do ter­re­no, am­bi­en­te e a história do Rei­no do Con­go.

A pro­pó­si­to da con­cre­ti­za­ção de Mban­za Con­go a pa­tri­mó­nio da Unes­co, a co­or­de­na­do­ra do pro­jec­to avan­çou que o pro­gra­ma já foi en­vi­a­do a Pa­ris em Se­tem­bro do ano pas­sa­do, após ser com­pi­la­da to­da a in­for­ma­ção ne­ces­sá­ria. “Pa­ra cons­tar na lis­ta da Unes­co, ca­be aos pe­ri­tos ana­li­sa­rem e en­tre­ga­rem ao co­mi­té de con­sul­ta e às ins­ti­tui­ções de di­rei­to pa­ra que o dos­si­er se­ja con­ser­va­do na com­pa­nhia dos mo­nu­men­tos e sí­ti­os his­tó­ri­cos da re­gião”, as­se­ve­rou.

A co­or­de­na­ção do pro­jec­to so­bre Mban­za Con­go des­lo­cou-se es­te ano à Tur­quia on­de par­ti­ci­pou na reu­nião so­bre a can­di­da­tu­ra de ou­tros sí­ti­os his­tó­ri­cos de An­go­la. O fó­rum que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de vá­ri­as re­pre­sen­ta­ções de paí­ses afri­ca­nos e não só du­rou dois me­ses.

A ar­queó­lo­ga an­go­la­na enal­te­ceu a re­a­li­za­ção da III mesa-re­don­da in­ter­na­ci­o­nal so­bre a ci­da­de de Mban­za Con­go, que re­gis­tou mui­tas con­tri­bui­ções das fon­tes cul­tu­rais e his­tó­ri­cas dos sí­ti­os ar­que­o­ló­gi­cos.

De­poi­men­tos

Shei­la Wal­ker, an­tro­pó­lo­ga dos Es­ta­dos Uni­dos, vin­cu­la­da nas pes­qui­sas so­bre a diás­po­ra afri­ca­na no mun­do, foi uma das par­ti­ci­pan­tes na III mesa-re­don­da in­ter­na­ci­o­nal so­bre Mban­za Con­go. Pa­ra ela, é ine­vi­tá­vel que a ci­da­de de Mban­za Con­go se­ja re­co­nhe­ci­da pe­la Unes­co co­mo Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, a jul­gar, fun­da­men­tal­men­te, pe­la gran­de ex­pan­são cul­tu­ral que o po­vo tem es­pa­lha­do nas amé­ri­cas.

“O que acho in­to­le­rá­vel é que a ex­pli­ca­ção do po­vo na diás­po­ra é atro­pe­la­da de to­das as ma­nei­ras”, dis­se a an­tro­pó­lo­ga de ori­gem con­go­le­sa, ten­do su­bli­nha­do que o pro­ble­ma é que mes­mo com to­das as dis­tor­ções da história nas amé­ri­cas a ideia é que a Áfri­ca não tem na­da.

“São si­tu­a­ções que não cor­res­pon­dem com a re­a­li­da­de. Vi­mos uma evo­lu­ção em cadência que nos ani­ma”, ex­pli­ca Shei­la Wal­ker, pa­ra quem a Áfri­ca de­tém mui­ta tec­no­lo­gia e mui­ta cul­tu­ra que os paí­ses afro­a­me­ri­ca­nos, por exem­plo, de­sen­vol­ve­ram à re­ve­lia das ori­gens sem re­co­nhe­ci­men­to ao di­rei­to do au­tor.

In­fra-es­tru­tu­ras

Os es­pe­ci­a­lis­tas de Ca­bo Ver­de, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Braz­za­vil­le, Es­ta­dos Uni­dos, Por­tu­gal, Fran­ça e Bél­gi­ca pre­sen­tes na mesa-re­don­da con­si­de­ra­ram que as obras de in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais em cur­so na re­gião têm uma im­por­tân­cia vi­tal que per­mi­te uma clas­si­fi­ca­ção pa­ra a in­ser­ção de Mban­za Con­go na lis­ta de Pa­tri­mó­nio Mun­di­al.

Pa­ra Char­les Aki­bo­dé, ca­bo­ver­di­a­no ao ser­vi­ço da Unes­co, o tu­ris­mo cul­tu­ral afir­ma-se co­mo o prin­ci­pal ga­nho eco­nó­mi­co de Mban­za Con­go e, pa­ra tal, as in­fra-es­tru­tu­ras, co­mo es­tra­das de­vi­da­men­te re­a­bi­li­ta­das, hos­pi­tais e ho­téis equi­pa­dos, afi­gu­ram-se de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra a sua clas­si­fi­ca­ção.

O em­bai­xa­dor de An­go­la na Unes­co, Di­a­kum­pu­na Si­ta José, fri­sou que até Ju­lho se es­pe­ra uma res­pos­ta de­fi­ni­ti­va da­que­le or­ga­nis­mo das Na­ções Uni­das pa­ra a in­ser­ção de Mban­za Con­go na lis­ta do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al e os pro­jec­tos so­ci­ais de gran­de im­pac­to con­cor­rem pa­ra a sua acei­ta­ção.

“Es­tas in­fra-es­tru­tu­ras de­mons­tram ca­pa­ci­da­de de aco­lhi­men­to de es­tran­gei­ros e as­sis­tên­cia mé­di­ca de qua­li­da­de”, dis­se Si­ta José.

Só­nia Do­min­gos re­ve­lou que na im­ple­men­ta­ção dos pro­jec­tos de cons­tru­ção ci­vil na ci­da­de his­tó­ri­ca de Mban­za Con­go têm si­do ob­ser­va­dos pre­cei­tos de es­tu­dos de im­pac­to am­bi­en­tal e acom­pa­nha­men­to ar­que­o­ló­gi­co.

As obras mais vi­sa­das pe­la bri­ga­da de acom­pa­nha­men­to ar­que­o­ló­gi­co cri­a­da em 2011 são os tra­ba­lhos de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das e vi­as ur­ba­nas que de­cor­rem em Mban­za Con­go, es­pe­ci­fi­ca­men­te no centro his­tó­ri­co-cul­tu­ral.

A ideia do Go­ver­no é ga­ran­tir a sal­va­guar­da do pa­tri­mó­nio ar­que­o­ló­gi­co e ar­qui­tec­tó­ni­co his­tó­ri­co de Mban­za Con­go.

“A ins­cri­ção de Mban­za Con­go a Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Mun­di­al não de­ve im­pe­dir o de­sen­vol­vi­men­to da ci­da­de, por cons­ti­tuir ser­vi­ço útil à po­pu­la­ção, uma vez que é im­por­tan­te tra­ba­lhar pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção, sem­pre sal­va­guar­dan­do o pa­tri­mó­nio”, dis­se Só­nia Do­min­gos.

No ca­so de se­rem iden­ti­fi­ca­dos ves­tí­gi­os du­ran­te a exe­cu­ção de obras, faz-se uma pau­sa nos tra­ba­lhos pa­ra a equi­pa os ana­li­sar, dis­se Só­nia Do­min­gos, acres­cen­tan­do que se os ves­tí­gi­os fo­rem im­por­tan­tes, obri­gam a um des­vio do per­cur­so da obra e vem uma equi­pa do Museu de Ben­gue­la e do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral pa­ra re­di­rec­ci­o­nar as obras.

DO­MIN­GOS CADÊNCIA

A co­or­de­na­do­ra do pro­jec­to Só­nia Do­min­gos acre­di­ta na clas­si­fi­ca­ção de Mban­za Con­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.