Um mo­men­to mui­to es­pe­ci­al

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTOR CARVALHO |

Es­te ano as co­me­mo­ra­ções de mais um ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, o 41º , ocor­re­ram num mo­men­to es­pe­ci­al­men­te mar­can­te na vi­da do país por es­tar em cur­so to­do um es­for­ço con­jun­to no sen­ti­do de se ul­tra­pas­sa­rem os cons­tran­gi­men­tos que têm im­pe­di­do o nor­mal de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia do país.

Mais do que se fa­lar em re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e do tem­po pas­sa­do nu­ma gu­er­ra que dei­xou mar­cas ain­da ho­je bem vi­sí­veis em to­do o país, so­bre­tu­do no seu te­ci­do eco­nó­mi­co, é im­por­tan­te que em­pe­nhe­mos to­dos os nos­sos es­for­ços e ener­gi­as no tra­ba­lho co­mum de dar cor­po aos pro­jec­tos tra­ça­dos pa­ra que pos­sa­mos re­cu­pe­rar o tem­po per­di­do em dis­pu­tas po­lí­ti­cas e par­ti­dá­ri­as que ape­nas ser­vi­ram pa­ra nos di­vi­dir e as­sim ser­vir os in­te­res­ses de quem não se ha­bi­tua ao fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma de­mo­crá­ti­co.

Só com uma evi­den­te má von­ta­de ou ce­guei­ra par­ti­dá­ria é que se po­de­rão co­lo­car em cau­sa os ga­nhos que ad­vêm do fim da gu­er­ra, que ape­nas che­ga­ram tar­de ao país de­vi­do à in­sen­sa­tez de quem de­sa­fi­ou a von­ta­de que o po­vo ex­pres­sou nas ur­nas em 1992.

Es­se atra­so, que im­pe­diu que o país es­ti­ves­se me­lhor pre­pa­ra­do pa­ra fa­zer fren­te aos de­sa­fi­os que ago­ra se co­lo­cam em vir­tu­de de uma con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal par­ti­cu­lar­men­te ad­ver­sa pa­ra eco­no­mi­as ain­da num in­fe­ri­or pa­ta­mar de de­sen­vol­vi­men­to, obri­gou a que es­te­ja­mos nu­ma es­pé­cie de re­pe­ti­ção da­qui­lo que fo­ram os es­for­ços fei­tos após a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, 41 anos atrás.

Ago­ra, tal co­mo em 1975, o po­vo dá mos­tras de con­se­guir ul­tra­pas­sar a si­tu­a­ção ad­ver­sa re­sul­tan­do es­sa cer­te­za dos si­nais que já se per­ce­bem dos es­for­ços que vêm sen­do fei­tos nos úl­ti­mos dois anos.

Aos pou­cos, na ver­da­de, vão-se re­gis­tan­do acen­tu­a­das me­lho­ri­as no fun­ci­o­na­men­to da eco­no­mia re­sul­tan­tes de uma es­tra­té­gia cons­ci­en­te­men­te tra­ça­da e ri­go­ro­sa­men­te cum­pri­da, não obs­tan­te a ad­ver­si­da­de de­la ter si­do pro­jec­ta­da em cir­cuns­tân­ci­as par­ti­cu­lar­men­te di­fí­ceis.

Con­tra­ri­a­men­te ao que su­ce­dia há uns me­ses atrás, o sis­te­ma ban­cá­rio já es­tá a dis­po­ni­bi­li­zar di­vi­sas pa­ra vi­a­gens, apoio a fa­mí­li­as e a es­tu­dan­tes que re­si­dem no es­tran­gei­ro.

Os pre­ços dos prin­ci­pais pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca es­tão nu­ma acen­tu­a­da es­pi­ral de des­ci­da, ao mes­mo tem­po que aos prin­ci­pais por­tos do país che­gam cons­tan­te­men­te bens ali­men­ta­res que sa­tis­fa­rão as ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as na qua­dra fes­ti­va que se avi­zi­nha ra­pi­da­men­te.

Os es­for­ços que es­tão a ser fei­tos pelo sec­tor da Ener­gia e Águas abrem ex­ce­len­tes pers­pec­ti­vas pa­ra a re­di­na­mi­za­ção da in­dús­tria na­ci­o­nal o que, pa­ra­le­la­men­te, vai ser­vir pa­ra re­du­zir o de­sem­pre­go e, con­se­quen­te­men­te, au­men­tar a ren­da das fa­mí­li­as na­ci­o­nais.

A che­ga­da ao país de gran­des quan­ti­da­des de se­men­tes e de fer­ti­li­zan­tes dei­xa per­ce­ber que a pro­du­ção na­ci­o­nal de bens agrí­co­las vai au­men­tar, o que sig­ni­fi­ca di­zer que as im­por­ta­ções se­rão re­du­zi­das, po­den­do as di­vi­sas que pa­ra is­so se­ri­am ne­ces­sá­ri­as ser usa­das pa­ra a sa­tis­fa­ção de ou­tras ne­ces­si­da­des igual­men­te ur­gen­tes.

A So­nan­gol, um dos gran­des dí­na­mos da eco­no­mia na­ci­o­nal, es­tá a apre­sen­tar re­sul­ta­dos bas­tan­te po­si­ti­vos na sua no­va ad­mi­nis­tra­ção que, ab­sur­da­men­te, es­tá a ser con­tes­ta­da não pe­la sua com­pe­tên­cia téc­ni­ca ou pro­fis­si­o­nal mas por mes­qui­nhas ques­tões de or­dem po­lí­ti­ca e que di­zem bem do mo­do co­mo ac­tu­am quem as des­po­le­tou.

Mui­tos ou­tros re­sul­ta­dos po­si­ti­vos que ad­vêm das me­di­das atem­pa­da­men­te apli­ca­das pelo Exe­cu­ti­vo po­de­ri­am aqui ser re­flec­ti­das co­mo fac­tos ca­pa­zes de con­so­li­dar o op­ti­mis­mo na­ci­o­nal num fu­tu­ro ime­di­a­to mais tran­qui­lo.

É im­por­tan­te su­bli­nhar tam­bém que a me­nos de um ano da re­a­li­za­ção de elei­ções to­do o pro­ces­so que en­qua­dra a ida às ur­nas es­tá a de­cor­rer com to­da a tran­qui­li­da­de e den­tro da­qui­lo que são as nor­mas im­pos­tas pe­la le­gis­la­ção atem­pa­da­men­te apro­va­da no Par­la­men­to.

Por tu­do is­to, fi­ca di­fí­cil en­ten­der al­gu­mas aves de mau agoi­ro que tei­mam em pros­se­guir uma cam­pa­nha de in­to­xi­ca­ção pú­bli­ca através de re­cur­so a ar­gu­men­tos po­lí­ti­cos que pe­cam por não te­rem sus­ten­ta­ção prá­ti­ca.

É que, por mui­to que is­so lhes cus­te, a re­a­li­da­de es­tá aí, nua e crua, aos olhos de to­dos e dis­pen­san­do mais qual­quer co­men­tá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.