Es­tu­dar em ca­sa é op­ção de mui­tos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOR­GE IGNACIO PÉ­REZ

Ca­da vez mais pais nos Es­ta­dos Uni­dos têm op­ta­do pe­lo ca­mi­nho do cha­ma­do “ho­mes­cho­o­ling”, ou “es­co­la em ca­sa”, am­pa­ra­dos por leis que lhes per­mi­tem es­co­lher pla­nos de es­tu­dos, mé­to­dos, bi­bli­o­gra­fia e a ad­mi­nis­tra­ção to­tal do tem­po de en­si­no.

E pa­ra que as cri­an­ças não per­cam mui­to con­tac­to so­ci­al, al­gu­mas fa­mí­li­as or­ga­ni­zam-se em gru­pos que se­guem es­ta pro­pos­ta pa­ra que pos­sam co­or­de­nar de­ter­mi­na­das ac­ti­vi­da­des.

Pau­la Cas­taño, uma bai­la­ri­na pro­fis­si­o­nal, es­tá a cri­ar as su­as fi­lhas en­tre en­sai­os, ac­tu­a­ções e vi­a­gens por ou­tros paí­ses.

O pré-es­co­lar de Ma­til­da, que tem 6 anos e é a mais ve­lha das du­as, foi fei­to en­tre os Es­ta­dos Uni­dos, Es­pa­nha e Colôm­bia. O pai das me­ni­nas é mú­si­co e vi­a­ja mui­to, e o ca­sal op­tou por es­te ca­mi­nho pa­ra que a fa­mí­lia não fi­que mui­to tem­po se­pa­ra­da.

A mo­ti­va­ção prin­ci­pal pe­lo en­si­no do­mi­ci­li­ar não é a pres­são de uma vi­da qua­se nó­ma­da (a fa­mí­lia tem ba­se em Mi­a­mi). Pau­la acre­di­ta que, aos 4 ou 5 anos, uma cri­an­ça não es­tá pre­pa­ra­da pa­ra tan­tas ho­ras lon­ge dos pais.

Ela ar­gu­men­ta que o sis­te­ma de en­si­no tra­di­ci­o­nal es­tá mal pro­jec­ta­do, mais fo­ca­li­za­do no tra­ba­lho dos pais do que no bem-es­tar emo­ci­o­nal das cri­an­ças.

Co­mo a fa­mí­lia de­pen­de da ren­da do ma­ri­do e, além dis­so, Pau­la não qu­er dei­xar a sua pro­fis­são, ela mon­tou uma es­co­la de “dan­ças do mun­do”, que tem a pre­sen­ça de alu­nas e alu­nos que pra­ti­cam ou não o ho­mes­cho­o­ling.

A ideia é não se des­vin­cu­lar da so­ci­e­da­de. Se no fu­tu­ro as su­as fi­lhas de­ci­di­rem es­tu­dar na es­co­la co­mum, Pau­la não as im­pe­di­rá. Es­ta fa­mí­lia es­tá a ini­ci­ar um ca­mi­nho ao qual ca­da vez mais pais re­cor­rem, fun­da­men­tal­men­te por se sen­ti­rem mui­to ocu­pa­dos aju­dan­do os fi­lhos com inú­me­ros tra­ba­lhos de ca­sa. Es­tu­dar em ca­sa é mui­to sim­ples nos Es­ta­dos Uni­dos.

Só são exi­gi­dos von­ta­de, no­ti­fi­ca­ção ao sis­te­ma de en­si­no pú­bli­co (no ca­so de Pau­la, o do con­da­do Mi­a­mi-Da­de) e en­vi­ar um aval de um es­pe­ci­a­lis­ta, ape­nas uma vez ao ano, pa­ra dar con­ta do ren­di­men­to in­di­vi­du­al do es­tu­dan­te.

A ca­li­for­ni­a­na Cy­be­le Bo­trán é ou­tra en­tu­si­as­ta des­te sis­te­ma de en­si­no.Pro­fes­so­ra com mes­tra­do em Edu­ca­ção, há 13 anos ela de­ci­diu en­si­nar os fi­lhos em ca­sa por es­tar des­con­ten­te com o pou­co tem­po que lhe res­ta­va pa­ra vi­si­tar mu­seus e fa­zer ac­ti­vi­da­des re­cre­a­ti­vas em fa­mí­lia.

Em 2003 ela co­me­çou com o seu pri­mei­ro fi­lho, Mi­guel, que ago­ra tem 20 anos e, na fa­cul­da­de, cur­sa As­tro­fí­si­ca. De­pois, se­guiu o mes­mo ca­mi­nho com os ou­tros dois, Adrián, de 18, e Sophia, que tem 16.

Ca­sa­da com um es­pa­nhol e re­si­din­do em Mi­a­mi, Cy­be­le lem­bra quan­do se reu­nia nos par­ques da ci­da­de com ou­tras fa­mí­li­as que tam­bém pra­ti­cam o ho­mes­cho­o­ling. Se­gun­do ela, não é ne­ces­sá­rio ser pro­fes­so­ra pa­ra as­su­mir a edu­ca­ção dos fi­lhos, e é al­go que in­clu­si­ve po­de atra­pa­lhar. “Por­que aca­ba­mos a con­si­de­rar a edu­ca­ção em ca­sa co­mo se fos­se a do co­lé­gio, e não o é”, ale­gou. “A edu­ca­ção em ca­sa ba­seia-se nu­ma re­la­ção mui­to ín­ti­ma, e vo­cê pre­ci­sa de usar o seu sex­to sen­ti­do. Re­al­men­te, o que apren­di na uni­ver­si­da­de não me aju­dou. Era co­mo uma fal­sa se­gu­ran­ça”, acres­cen­tou. Com a sua ex­pe­ri­ên­cia, Cy­be­le as­ses­so­ra o gru­po PATH (Pa­rents' As­so­ci­a­ti­on for Te­a­ching at Ho­me, ou As­so­ci­a­ção de Pais pa­ra o En­si­no em Ca­sa, em tra­du­ção li­vre), que se reú­ne to­das as se­ma­nas pa­ra en­ri­que­cer os co­nhe­ci­men­tos dos es­tu­dan­tes com o que os pais pos­sam con­tri­buir.

Es­te é um dos pou­cos gru­pos não re­li­gi­o­sos que pra­ti­cam o ho­mes­cho­o­ling em Mi­a­mi. O gru­po con­se­guiu mag­ní­fi­cas sa­las de au­la num cen­tro so­ci­al que, pa­ra­do­xal­men­te, é re­li­gi­o­so, mas alu­ga as ins­ta­la­ções a um pre­ço mó­di­co.

“Não que­re­mos que o go­ver­no nos di­ri­ja, que­re­mos li­ber­da­de”, dis­se Cy­be­le, que ob­ser­va um cres­ci­men­to do ho­mes­cho­o­ling em sec­to­res pro­fis­si­o­nais “sim­ples­men­te por­que a es­co­la par­ti­cu­lar é mui­to ca­ra ou por­que a pú­bli­ca às ve­zes não ofe­re­ce boa qua­li­da­de ou tem mui­tos alu­nos”. “Is­to co­me­çou na épo­ca dos hip­pi­es, e de­pois pro­pa­gou-se com pais evan­gé­li­cos, quan­do ti­ra­ram a edu­ca­ção re­li­gi­o­sa do co­lé­gio pú­bli­co”, acres­cen­tou. Se­gun­do o es­cri­tó­rio de im­pren­sa de Es­co­las Pú­bli­cas do Con­da­do Mi­a­mi-Da­de, 3.220 es­tu­dan­tes são en­si­na­dos em ca­sa.

Es­te con­da­do é o quar­to em quan­ti­da­de de alu­nos (345 mil) do sis­te­ma de es­co­las pú­bli­cas de to­do o país, atrás de No­va Ior­que, Los An­ge­les e Chi­ca­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.