Clin­ton ati­ra cul­pa ao di­rec­tor do FBI

Jornal de Angola - - PARTADA -

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton cul­pou o di­rec­tor do FBI pe­la der­ro­ta nas pre­si­den­ci­ais de 8 de No­vem­bro, que de­ram vi­tó­ria a Do­nald Trump. Se­gun­do a Reu­ters, Clin­ton ati­rou as cul­pas da der­ro­ta a Co­mey nu­ma con­fe­rên­cia te­le­fó­ni­ca com fi­nan­ci­a­do­res re­a­li­za­da no sá­ba­do. A de­mo­cra­ta te­rá di­to que Trump apro­vei­tou os dois anún­ci­os de Co­mey a seu fa­vor.

A can­di­da­ta de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton cul­pou o di­rec­tor do FBI pe­la der­ro­ta nas pre­si­den­ci­ais de 8 de No­vem­bro, que de­ram vi­tó­ria a Do­nald Trump. Se­gun­do a Reu­ters, Clin­ton ati­rou as cul­pas da der­ro­ta a Co­mey nu­ma con­fe­rên­cia te­le­fó­ni­ca com fi­nan­ci­a­do­res re­a­li­za­da no sá­ba­do. De acor­do com o re­la­to de dois par­ti­ci­pan­tes, a de­mo­cra­ta te­rá di­to que Trump apro­vei­tou os dois anún­ci­os de Co­mey a seu fa­vor: pri­mei­ro, usan­do a re­a­ber­tu­ra da in­ves­ti­ga­ção pa­ra a ata­car; e de­pois, quan­do Co­mey a ili­bou de res­pon­sa­bi­li­da­de, re­for­çan­do a ideia dos re­pu­bli­ca­nos de que o sis­te­ma es­ta­va ma­ni­pu­la­do a fa­vor da de­mo­cra­ta.

“Há mui­tas ra­zões pa­ra uma cam­pa­nha co­mo es­ta não ser bem­su­ce­di­da”, te­rá di­to Clin­ton, se­gun­do um fi­nan­ci­a­dor ci­ta­do pe­lo “New York Ti­mes”. “[Mas] a nos­sa aná­li­se é que a car­ta de Co­mey le­van­tou dú­vi­das que não ti­nham jus­ti­fi­ca­ção, nem ba­se, nem pro­vas, e pa­rou o nos­so “mo­men­tum”.

E se nas hos­tes li­be­rais ain­da há uma cer­ta re­lu­tân­cia em res­pon­sa­bi­li­zar di­rec­ta­men­te Hil­lary Clin­ton pe­las fra­gi­li­da­des da can­di­da­tu­ra, têm si­do vá­ri­as as crí­ti­cas à es­tra­té­gia se­gui­da pe­la sua cam­pa­nha, que na opi­nião de Da­vid Axel­rod, que foi che­fe da cam­pa­nha de Oba­ma, co­me­teu um er­ro fun­da­men­tal: fo­car de­ma­si­a­do a men­sa­gem no ata­que a Do­nald Trump, con­fi­an­do que a re­tó­ri­ca de di­vi­são, xe­nó­fo­ba, ra­cis­ta e mi­só­gi­na do re­pu­bli­ca­no afas­tas­se os elei­to­res.

Pa­ra Axel­rod, as crí­ti­cas ao ca­rác­ter e tem­pe­ra­men­to do ad­ver­sá­rio de­ve­ri­am ser ape­nas o ape­ri­ti­vo nos dis­cur­sos de Clin­ton. O pra­to prin­ci­pal ti­nha de ser ou­tro: um ar­gu­men­to po­lí­ti­co mais po­de­ro­so con­tra as pro­pos­tas do ri­val e uma ex­pli­ca­ção mais con­vin­cen­te de co­mo só as su­as po­lí­ti­cas res­pon­di­am, de for­ma ra­zoá­vel e cre­dí­vel, aos an­sei­os e as­pi­ra­ções do elei­to­ra­do de­mo­cra­ta, dos in­de­pen­den­tes e dos re­pu­bli­ca­nos mo­de­ra­dos in­co­mo­da­dos com a cam­pa­nha de Trump. “Hou­ve uma as­sump­ção de que a an­ti­pa­tia con­tra Trump se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra mo­bi­li­zar as tro­pas. Mas ha­via uma cer­ta le­tar­gia [en­tre as ba­ses de­mo­cra­tas] de­pois de oi­to anos na Ca­sa Bran­ca, e o ní­vel de en­tu­si­as­mo nun­ca foi gran­de”, dis­se ao “The Washing­ton Post”.

Ou­tros ve­te­ra­nos das li­des elei­to­rais con­tes­tam ain­da a dis­tri­bui­ção de re­cur­sos de cam­pa­nha ba­se­a­da nas in­di­ca­ções er­ra­das das son­da­gens, que su­ge­ri­am a pos­si­bi­li­da­de de con­quis­ta de ter­ri­tó­rio re­pu­bli­ca­no. “Porquê fa­zer co­mí­ci­os no Ari­zo­na? Es­se es­ta­do não era es­sen­ci­al. Mas o Mi­chi­gan e a Pen­sil­vâ­nia eram. Es­sa era a sua for­ta­le­za, e ti­nha de ser re­for­ça­da”, cri­ti­cou Lou D’Al­le­san­dro, um le­gis­la­dor de­mo­cra­ta do New Hampshi­re, no mes­mo diá­rio.

Num ar­ti­go pa­ra o “The New York Ti­mes” in­ti­tu­la­do “O que é que não per­ce­bi so­bre es­ta elei­ção”, Da­vid Plouf­fe, o es­tra­te­ga que es­te­ve por de­trás das cam­pa­nhas de Ba­rack Oba­ma, enu­me­rou al­guns dos fac­to­res que, vis­tos à cur­ta dis­tân­cia de cin­co di­as des­de a vo­ta­ção pre­si­den­ci­al, pa­re­cem ter con­tri­buí­do pa­ra o sur­pre­en­den­te des­fe­cho: a ele­va­da abs­ten­ção, que pa­ra Hil­lary Clin­ton foi mais pre­ju­di­ci­al, uma vez que gran­de par­te do elei­to­ra­do de­mo­cra­ta não foi às ur­nas; o vo­to ru­ral e su­bur­ba­no, que aca­bou por equi­li­brar as mar­gens das gran­des ci­da­des; a dis­per­são de vo­tos em can­di­da­tos de ter­cei­ros par­ti­dos, par­ti­cu­lar­men­te no li­ber­tá­rio Gary John­son; os er­ros nos mo­de­los pro­ba­bi­lís­ti­cos e es­ta­tís­ti­cos e nos da­dos das son­da­gens que es­ti­ve­ram na ba­se das de­ci­sões de cam­pa­nha de Clin­ton e do Par­ti­do De­mo­cra­ta.

AFP

Hil­lary Clin­ton res­pon­sa­bi­li­za Co­mey

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.