AN­GO­LA A CRES­CER Ca­lu­e­que im­pul­si­o­na a agri­cul­tu­ra

A pen­sar na bar­ra­gem de Ca­lu­e­que as obras se­guem a bom rit­mo e a pri­mei­ra fa­se fi­ca con­cluí­da em 2017

Jornal de Angola - - PARTADA - ELAUTÉRIO SILIPULENI | Ca­lu­e­que

Di­as atrás os pe­que­nos pro­du­to­res agrí­co­las da pro­vín­cia do Cu­ne­ne exul­ta­ram de ale­gria ao to­ma­rem co­nhe­ci­men­to da che­ga­da ao país pa­ra pos­te­ri­or dis­tri­bui­ção pe­lo Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Agrá­rio (IDA) de cen­te­nas de mi­lha­res de se­men­tes e tam­bém fer­ti­li­zan­tes pa­ra me­lho­rar a pers­pec­ti­va de de­sem­pe­nho da cam­pa­nha agrí­co­la 2016/217.

A no­tí­cia foi re­ce­bi­da com gran­de sa­tis­fa­ção pe­los pro­du­to­res agrí­co­las que apren­dem des­de mui­to ce­do a con­vi­ver com ad­ver­si­da­des, prin­ci­pal­men­te a fal­ta de chu­vas e a es­cas­sez de se­men­tes. Mas o as­sun­to do mo­men­to em Om­bad­ja, aque­le que me­xe ver­da­dei­ra­men­te com as gen­tes da pro­vín­cia, é o fac­to de es­ta­rem mui­to per­to do fim as obras de re­a­bi­li­ta­ção da pri­mei­ra fa­se da bar­ra­gem de Ca­lu­e­que. Por cá, a gran­de ex­pec­ta­ti­va é o im­pul­so que o em­pre­en­di­men­to vai dar ao fo­men­to da agri­cul­tu­ra, per­mi­tin­do a ir­ri­ga­ção de mi­lha­res de hec­ta­res pa­ra a pro­du­ção de ce­re­ais, hor­tí­co­las e ou­tros pro­du­tos es­sen­ci­ais à se­gu­ran­ça ali­men­tar das po­pu­la­ções.

As obras da bar­ra­gem se­guem a bom rit­mo e pe­lo exem­plo de ou­tros pro­jec­tos se­me­lhan­tes - o al­te­a­men­to da bar­ra­gem de Ca­pan­da e mes­mo a cons­tru­ção deLaú­ca exis­tem bons mo­ti­vos pa­ra acre­di­tar num vi­rar de pá­gi­na em ma­té­ria de se­gu­ran­ça ali­men­tar no Cu­ne­ne já a par­tir do pró­xi­mo ano.

A re­a­bi­li­ta­ção da bar­ra­gem con­tem­pla a re­cu­pe­ra­ção das es­tru­tu­ras fí­si­cas, co­lo­ca­ção de no­vas com­por­tas e cons­tru­ção de re­ser­va­tó­rio de equi­lí­brio, com ca­pa­ci­da­de de um mi­lhão de me­tros cú­bi­cos de água.

A obra ini­ci­a­da em 2012 es­tá or­ça­da em mais de 225 mi­lhões de dó­la­res e de­ve­rá es­tar con­cluí­da an­tes do fim do pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, de acor­do com Ne­ves Ma­ceo, che­fe do ga­bi­ne­te pa­ra ges­tão da ba­cia do rio Cu­ne­ne. Com ela, cer­ca de 300 pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos fo­ram cri­a­dos, be­ne­fi­ci­an­do mai­o­ri­ta­ria- men­te jo­vens da­que­la lo­ca­li­da­de.

O pro­jec­to tem co­mo fi­na­li­da­de pro­mo­ver o con­jun­to de ac­ções de re­vi­ta­li­za­ção das zo­nas agrí­co­las de Ca­lu­e­que, a re­gu­la­ri­za­ção flu­vi­al do Cu­ne­ne, per­mi­tin­do a op­ti­mi­za­ção da pro­du­ção da cen­tral hi­dro­e­léc­tri­ca da bar­ra­gem de Ru­a­ca­ná, que vai ar­ma­ze­nar água e trans­fe­rir par­te de­la pa­ra o nor­te da vi­zi­nha Na­mí­bia, on­de vai ali­men­tar pro­jec­tos agrí­co­las, as­sim co­mo abas­te­cer a po­pu­la­ção e o ga­do.

Lo­ca­li­za­da nas ime­di­a­ções de Ca­lu­e­que, no lei­to do rio Cu­ne­ne, 192 qui­ló­me­tros a no­ro­es­te de Ond­ji­va, a bar­ra­gem de Ca­lu­e­que é um açu­de em be­tão com­ple­men­ta­do por um di­que em ter­ra, na par­te a ju­san­te do Cu­ne­ne Mé­dio, a cer­ca de 540 km da bar­ra­gem do Go­ve, no Hu­am­bo, e 40 qui­ló­me­tros da bar­ra­gem hi­dro­e­léc­tri­ca do Ru­a­ca­ná que abas­te­ce ener­gia eléc­tri­ca ao nor­te da Na­mí­bia e a al­gu­mas lo­ca­li­da­des dos mu­ni­cí­pi­os de Om­bad­ja, Na­ma­cun­de e Cu­a­nha­ma, na pro­vín­cia do Cu­ne­ne.

O pla­no de re­a­bi­li­ta­ção da bar­ra­gem vi­sa de­vol­ver à lo­ca­li­da­de de Ca­lu­e­que a di­nâ­mi­ca na ac­ti­vi­da­de agrí­co­la na pro­vín­cia do Cu­ne­ne, gran­je­a­da no pe­río­do co­lo­ni­al, bem co­mo me­lho­rar o me­ca­nis­mo de dis­tri­bui­ção dos pro­du­tos lo­cais no âm­bi­to da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. Quan­do es­ti­ver con­cluí­do, o pro­jec­to vai con­tar com du­as no­vas cen­trais hí­dri­cas, um no­vo ca­nal de ir­ri­ga­ção e 21 pivôs. Além de Ca­lu­e­que, a bar­ra­gem vai per­mi­tir igual­men­te a ir­ri­ga­ção do Nor­te da Na­mí­bia, atra­vés da im­plan­ta­ção de três con­du­tas ele­va­tó­ri­as, no qu­a­dro da co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca en­tre os dois paí­ses.Ne­ves Ma­ceo ex­pli­ca que a in­ter­ven­ção na bar­ra­gem cin­giu-se prin­ci­pal­men­te na sua es­tru­tu­ra fí­si­ca, pa­ra ga­ran­tir mai­or se­gu­ran­ça e sua lon­ge­vi­da­de, ten­do em con­ta que a mes­ma ha­via si­do des­truí­da por al­tu­ra do con­fli­to ar­ma­do.

O che­fe do ga­bi­ne­te de ges­tão pa­ra o rio Cu­ne­ne sa­li­en­ta que nes­te mo­men­to es­tá-se a con­cluir as con­du­tas ele­va­tó­ri­as da zo­na sul, que vão ser­vir pa­ra o abas­te­ci­men­to de água às po­pu­la­ções e o ca­nal de ir­ri­ga­ção. Na zo­na nor­te ul­ti­ma­se a cons­tru­ção da al­bu­fei­ra pa­ra fins agrí­co­las e a cri­a­ção de be­be­dou­ros pa­ra o ga­do.

O res­pon­sá­vel das obras afir­ma ain­da que es­tá tam­bém em fa­se de con­clu­são o sis­te­ma de bom­ba­gem pa­ra o abas­te­ci­men­to de água aos cam­pos agrí­co­las de Ca­lu­e­que, a

re­pa­ra­ção do equi­pa­men­to hi­dro­me­câ­ni­co do des­car­re­ga­dor das chei­as e da des­car­ga de fun­do, bem co­mo a ins­ta­la­ção dos lim­pa-gre­lhas e das com­por­tas de iso­la­men­to da es­ta­ção do ele­va­tó­rio sul.

Em Fe­ve­rei­ro pró­xi­mo acon­te­ce a tes­ta­gem de to­das as máquinas ins­ta­la­das e de­pois de com­pro­va­da se­guir-se-á o arranque de­fi­ni­ti­vo do em­pre­en­di­men­to, que vai pas­sar a bom­be­ar água pa­ra a Zo­na Es­pe­ci­al Eco­nó­mi­ca de Ca­lu­e­que (ZEEC) e a Re­pú­bli­ca da Na­mí­bia.

A re­a­bi­li­ta­ção da bar­ra­gem es­tá a car­go de um con­sór­cio in­te­gra­do pe­las em­pre­sas Mo­ta-En­gil e Lyon.

Be­ne­fí­ci­os do pro­jec­to

O ad­mi­nis­tra­dor da co­mu­na de Nau­li­la mos­tra-se sa­tis­fei­to com a re­cu­pe­ra­ção da bar­ra­gem que pre­vê ir­ri­gar, nu­ma pri­mei­ra fa­se, um to­tal de dez mil hec­ta­res de ter­ra, pa­ra a pro­du­ção agrí­co­la, ten­do con­si­de­ra­do que se tra­ta de uma obra de gran­de im­por­tân­cia na re­gião no qu­a­dro da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Col­mi­cil dos San­tos re­fe­re que ape­sar dos vá­ri­os cons­tran­gi­men­tos de or­dem fi­nan­cei­ra, o pro­jec­to es­tá na sua fa­se fi­nal, e aguar­da-se com enor­me ex­pec­ta­ti­va a sua en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to no pró­xi­mo ano.

O ad­mi­nis­tra­dor co­mu­nal acre­di­ta que com a ex­plo­ra­ção das po­ten­ci­a­li­da­des eco­nó­mi­cas da co­mu­na de Nau­li­la e da po­vo­a­ção de Ca­lu­e­que, as­so­ci­a­das à con­clu­são da re­a­bi­li­ta­ção da es­tra­da Xan­gon­go/Ca­lu­e­que, e da bar­ra­gem hí­dri­ca, vão ace­le­rar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel da co­mu­na, do mu­ni­cí­pio e da pro­vín­cia.

Se­gun­do Col­mi­cil dos San­tos , tra­ta-se de uma ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cu­ne­ne que vi­sa o lan­ça­men­to de vá­ri­os pro­jec­tos agrí­co­las na Zo­na Eco­nó­mi­ca Es­pe­ci­al de Ca­lu­e­que, so­bre­tu­do os li­ga­dos à pro­du­ção de ca­na-de­a­çú­car, ce­re­ais, hor­tí­co­las, ci­tri­nos, en­tre ou­tros.

His­to­ri­al da bar­ra­gem

A bar­ra­gem hí­dri­ca de Ca­lu­e­que foi cons­truí­da en­tre 1972 e 1974, e não che­gou a ser con­cluí­da de­vi­do ao con­fli­to ar­ma­do que o país vi­veu e que des­truiu par­te da es­tru­tu­ra.

Nes­te mo­men­to a bar­ra­gem es­tá a fun­ci­o­nar par­ci­al­men­te, ar­ma­ze­nan­do um vo­lu­me in­su­fi­ci­en­te de água.A bar­ra­gem do Ca­lu­e­que es­tá cons­truí­da no lei­to do rio Cu­ne­ne e des­ti­na-se tam­bém à re­gu­la­ri­za­ção flu­vi­al e à cap­ta­ção de água pa­ra con­su­mo e re­ga­dio.

O pro­jec­to pre­via a cons­ti­tui­ção de uma al­bu­fei­ra com ca­pa­ci­da­de de 475 mi­lhões de m3 e de uma re­de de ca­nais e adu­to­ras ca­pa­zes de re­gar cer­ca de 100.000 hec­ta­res de ter­re­nos agrí­co­las.

JO­SÉ SOARES

En­tra­da em ac­ti­vi­da­de da bar­ra­gem hi­dro­e­léc­tri­ca de Ca­lu­e­que vai mar­car o vi­rar de pá­gi­na na his­tó­ria da pro­vín­cia do Cu­ne­ne

JAIMAGENS

JAIMAGENS

Com a me­ca­ni­za­ção agrí­co­la o sec­tor da agri­cul­tu­ra vê re­for­ça­da a pro­du­ti­vi­da­de de pro­du­tos do cam­po pa­ra os mer­ca­dos

VENÂNCIO AMARAL | MENONGUE

Bar­ra­gem Hi­dro­e­léc­tri­ca de Ca­lu­e­que fun­ci­o­na de for­ma par­ci­al en­quan­to du­ra­rem as obras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.