Bei­jo na bo­ca

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA |

An­da por aí uma on­da bei­jo­quei­ra. Bei­jo na bo­ca. Mas não é de adul­to pa­ra adul­to (os ca­sais aqui na ban­da abra­çam-se, mas não se bei­jam em pú­bli­co), o bei­jo na bo­ca aqui é de adul­to pa­ra cri­an­ça e de cri­an­ça pa­ra cri­an­ça. Is­so é pre­o­cu­pan­te. Cau­sa ar­re­pio aos bons usos e cos­tu­mes. Vos con­to.

Do­min­go, dia 6 de No­vem­bro, na ci­da­de his­tó­ri­ca de Mban­za Kon­go. Es­ta­va eu a ver o jo­go Por­to-Ben­fi­ca na re­cep­ção do ho­tel. Um ca­sal de jo­vens re­fas­te­la­dos nos so­fás ao meu la­do de­vo­ra­vam ham­búr­gue­res.

Nis­to, sur­ge da sa­la de jan­tar uma me­ni­na de três anos. Apro­xi­ma-se da nos­sa me­si­nha de cen­tro. Bal­bu­cia qual­quer coi­sa, sor­ri­den­te, que o mo­ço do ham­búr­guer en­ten­de co­mo gu­la e, vai daí, cor­ta um pe­da­ço de pão com bi­fe e ovo e ce­bo­la tos­ta­da e mai­o­ne­se e quei­jo e me­te-o na mão da miú­da. Pen­sei cá pa­ra co­mi­go: de­vem ser os pais da me­ni­na.

A miú­da fi­cou por ali, de sor­ri­so ma­jes­to­so, fa­la que fa­la, até de­vo­rar o pe­da­ço de ham­búr­guer. “Que fa­mí­lia fe­liz!”, pen­sei. Con­cen­trei-me no jo­go. O Ben­fi­ca es­ta­va a per­der por um a ze­ro. Quan­do vol­tei a pôr os olhos no jan­tar ham­bur­guí­fe­ro, o mo­ço es­ta­va pres­tes a dar de be­ber, pe­la tam­pa de alu­mí­nio aber­ta, da sua la­ta de ga­so­sa à me­ni­na.

Nes­se ins­tan­te, sur­ge na sa­la um ou­tro jo­vem al­to e cha­ma: “fi­lha, vem ao pa­pá!” A miú­da cor­re e o pai er­gue-a nos bra­ços. Con­ver­sam efu­si­va­men­te. O ver­da­dei­ro pai da me­ni­na pro­põe, já de saí­da da re­cep­ção do ho­tel: “ah, os ti­os de­ram co­mi­da? En­tão vai lá e dá um bei­jo nos ti­os.”

A miú­da sal­ta pa­ra o chão, apro­xi­ma-se do jo­vem do ham­búr­guer e es­te, pa­ra meu es­pan­to, dá-lhe um bei­jo nos lá­bi­os. Bei­jo na bo­ca! A se­guir, a me­ni­na apro­xi­ma-se da mo­ça ao la­do que re­pe­te a ce­na. Dá um bei­jo na bo­ca da cri­an­ça, um bei­jo ain­da com pe­da­ços do ham­búr­guer nos lá­bi­os. A me­ni­na de três anos vem ter co­mi­go, tam­bém que­ria o meu bei­jo na bo­ca de­la.

Se­gu­rei no seu ros­to com am­bas as mãos e dei-lhe um bei­jo na tes­ta.

- Não se bei­ja uma cri­an­ça na bo­ca! – ex­pli­quei.

Os pais da cri­an­ça e os “ti­os” do ham­búr­guer fi­ca­ram ali a olhar pa­ra mim, co­mo se es­ti­ves­sem a ver um ex­tra­ter­res­tre. De­du­zi en­tão que nun­ca nin­guém ja­mais en­si­nou àque­la ge­ra­ção a for­ma apro­pri­a­da de bei­jar uma cri­an­ça. Na tes­ta. Nun­ca na bo­ca.

Vi­rou há­bi­to em An­go­la a pro­mis­cui­da­de la­bi­al com as cri­an­ças. A mai­or par­te das pes­so­as não es­tão ci­en­tes dos ris­cos de con­tá­gio de al­gu­mas do­en­ças, des­de tu­ber­cu­lo­se, he­pa­ti­tes, in­fec­ções…

Até por­que bei­jar um be­bé na bo­ca é di­dac­ti­ca­men­te inú­til. Ain­da há di­as, es­ta­va eu nu­ma sa­la de es­pe­ra de uma re­par­ti­ção pú­bli­ca em Lu­an­da e os dois fi­lhos da mãe sen­ta­da à mi­nha fren­te – um ra­pa­zi­to de cin­co e uma me­ni­na de um ano – se bei­ja­vam di­ver­ti­da e re­pe­ti­da­men­te na bo­ca, en­quan­to du­rou a mi­nha per­ma­nên­cia no lo­cal. As­sim de brin­ca­dei­ra. Co­mo diz aque­la mú­si­ca “in­fan­til” bra­si­lei­ra: “foi de brin­ca­dei­ra/ eu me apai­xo­nei..”, co­mo se uma cri­an­ci­nha sou­bes­se já ou ti­ves­se já o de­ver de se apai­xo­nar. Li­vre-nos Deus Nos­so Se­nhor des­sas bra­si­lei­ri­ces! A mãe das cri­an­ças à mi­nha fren­te olha­va e na­da di­zia. Is­so fez me ado­e­cer a al­ma: já se ge­ne­ra­li­zou o há­bi­to de mo­lhar a bo­ca das cri­an­ças com a sa­li­va de ou­tra bo­ca.

Se is­so fos­se um ca­so iso­la­do, na­da ha­ve­ria a re­ce­ar, nem eu te­ria de es­cre­ver es­ta cró­ni­ca. Se a es­cre­vo, é por­que em vá­ri­as oca­siões te­nho vis­to mães zun­guei­ras e ou­tras a bei­ja­rem na bo­ca os seus be­bés de ten­ra ida­de, te­nho vis­to, co­mo vi na­que­le dia, cri­an­ças pe­que­nas e se bei­ja­rem bo­ca na bo­ca. Tra­tar-se-á de um fe­nó­me­no na­tu­ral que Freud nun­ca ex­pli­cou? In­fluên­cia das no­ve­las? Ou se­rá no­va mo­da que o mwan­go­lé in­ven­tou?

Cá pa­ra mim, acho es­sa mo­da um ab­sur­do. Uma aber­ra­ção de to­do o ta­ma­nho. Não se dá bei­jo na bo­ca das cri­an­ças. Bei­ja-se as cri­an­ças na tes­ta. Pe­lo me­nos, as­sim me en­si­nou uma mais ve­lha que ain­da vi­ve no Ma­cu­lus­so. Pa­ra além de ris­cos pa­ra a saú­de e pa­ra a li­bi­do pre­co­ce­men­te es­ti­mu­la­da, na­da de útil pa­ra a vi­da se trans­mi­te à cri­an­ça.

Que as au­to­ri­da­des do INAC e do Mi­nis­té­rio da Saú­de re­flic­tam so­bre es­te no­vo cos­tu­me ab­sur­do e aber­ran­te. Que os ór­gãos da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al re­e­du­quem as fa­mí­li­as e to­da a po­pu­la­ção: “Não se dá bei­jo na bo­ca de uma cri­an­ça.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.