Po­si­ção co­mum pa­ra a RDC

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­ce­beu mis­são do Conselho de Segurança pro­ve­ni­en­te de Kinsha­sa

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS e ADELINA INÁCIO |

O Conselho de Segurança das Nações Unidas par­ti­lha a po­si­ção de An­go­la que pe­de às au­to­ri­da­des da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) que res­pei­tem a Cons­ti­tui­ção e ou­tros ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos da­que­le país, bem co­mo a sua es­ta­bi­li­za­ção e pa­ci­fi­ca­ção por via do diá­lo­go in­clu­si­vo e de­mo­crá­ti­co que fa­vo­re­ça a re­a­li­za­ção de elei­ções li­vres, trans­pa­ren­tes e cre­dí­veis. Es­ta po­si­ção foi ex­pres­sa on­tem pe­los re­pre­sen­tan­tes per­ma­nen­tes de An­go­la e Fran­ça jun­to do Conselho de Segurança das Nações Unidas, à saí­da de uma au­di­ên­cia que foi con­ce­di­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca à de­le­ga­ção da ONU. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa no fi­nal do en­con­tro, o re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te de An­go­la jun­to da ONU, Is­ma­el Mar­tins, afir­mou que o país es­tá em con­di­ções de to­mar uma po­si­ção e agir em con­for­mi­da­de com a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, no­me­a­da­men­te com o Conselho de Segurança, pa­ra dar so­lu­ção e vi­a­bi­li­zar as idei­as con­ti­das na De­cla­ra­ção de Lu­an­da so­bre a si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

O re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te ad­jun­to da Fran­ça jun­to da Or­ga­ni­za­ção das Nações Unidas, Ale­xis La­mek, con­si­de­rou pro­du­ti­vo o en­con­tro com o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas par­ti­lha a po­si­ção de An­go­la que pe­de às au­to­ri­da­des da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go que res­pei­tem a Cons­ti­tui­ção e ou­tros ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos da­que­le país, bem co­mo a sua es­ta­bi­li­za­ção e pa­ci­fi­ca­ção por via do diá­lo­go in­clu­si­vo e de­mo­crá­ti­co que fa­vo­re­ça a re­a­li­za­ção de elei­ções li­vres, trans­pa­ren­tes e cre­dí­veis. Es­ta po­si­ção foi ex­pres­sa on­tem pe­los re­pre­sen­tan­tes per­ma­nen­tes de An­go­la e Fran­ça jun­to do Conselho de Segurança das Nações Unidas, à saí­da de uma au­di­ên­cia que foi con­ce­di­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca à de­le­ga­ção da ONU.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa no fi­nal do en­con­tro, o re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te de An­go­la jun­to da ONU, em­bai­xa­dor Is­ma­el Mar­tins, afir­mou que o país es­tá em con­di­ções de to­mar uma po­si­ção e agir em con­for­mi­da­de com a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, no­me­a­da­men­te com o Conselho de Segurança, pa­ra dar so­lu­ção e vi­a­bi­li­zar as idei­as con­ti­das na De­cla­ra­ção de Lu­an­da so­bre a si­tu­a­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

As au­to­ri­da­des da RDC de­vem de­sen­vol­ver es­for­ços pa­ra um diá­lo­go pro­du­ti­vo e in­clu­si­vo e que re­sol­va o pro­ble­ma com que se de­ba­te e que pas­sa pe­la “ten­ta­ti­va de fu­ga ao cum­pri­men­to da Cons­ti­tui­ção”. Is­ma­el Mar­tins dis­se que a De­cla­ra­ção pre­ten­de que se evi­te uma pos­sí­vel “im­plo­são” e ca­os que, even­tu­al­men­te, pos­sam ter re­per­cus­sões, não só na RDC, mas tam­bém no res­to da re­gião.

“Não po­de ha­ver na RDC uma si­tu­a­ção que se des­con­tro­le, pois, a acon­te­cer, po­de des­cam­bar em ou­tros paí­ses”, aler­tou o di­plo­ma­ta an­go­la­no, pa­ra quem es­ta é uma si­tiu­a­ção que não é ape­nas da res­pon­sa­bi­li­da­de da Re­gião dos Gran­des La­gos, mas tam­bém da Co­mu­ni­da­de In­ter­na­ci­o­nal.

O Conselho de Segurança, co­mo órgão res­pon­sá­vel pe­la paz e segurança mun­di­al, pros­se­guiu, vai as­su­mir, com An­go­la e com a re­gião, uma for­ma de en­con­trar as vi­as cer­tas pa­ra uma so­lu­ção cer­ta.

A de­le­ga­ção do Conselho de Segurança das Nações Unidas es­te­ve a tra­ba­lhar no úl­ti­mo fim-de-se­ma­na na RDC, no qua­dro da es­ta­bi­li­za­ção e pa­ci­fi­ca­ção da­que­le país que se de­ba­te com uma cri­se política sem fim à vis­ta, ape­sar dos es­for­ços da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal e de An­go­la, na qua­li­da­de de pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos.

Is­ma­el Mar­tins, que co-che­fia a de­le­ga­ção, dis­se que o gru­po pro­cu­rou tra­ba­lhar com to­das as for­ças po­lí­ti­cas no país, nu­ma ten­ta­ti­va de tor­nar pos­sí­vel a bus­ca con­jun­ta de so­lu­ções, ape­sar de ha­ver ain­da uma lin­gua­gem a apon­tar pa­ra a ne­ces­si­da­de de se en­con­trar con­sen­so e de in­cluir os que não as­si­na­ram o acordo po­lí­ti­co fir­ma­do re­cen­te­men­te na RDC. “A so­lu­ção não é pe­la vi­o­lên­cia, nem pe­la rua. É pe­lo diá­lo­go in­ter­no. Tem de ha­ver fle­xi­bi­li­da­de. Não exis­tem du­as op­ções. A úni­ca que te­mos pas­sa por se tra­ba­lhar em con­jun­to pa­ra en­con­trar so­lu­ções con­sen­su­ais”, dis­se.

Po­si­ções con­ver­gen­tes

O re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te ad­jun­to da Fran­ça jun­to das Nações Unidas, Ale­xis La­mek, con­si­de­rou pro­du­ti­vo o en­con­tro com o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, na me­di­da em que per­mi­tiu vis­lum­brar que o Governo an­go­la­no par­ti­lha a vi­são da ONU so­bre a si­tu­a­ção da RDC, nu­ma al­tu­ra em que sur­ge jun­to da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal o re­ceio so­bre o de­te­ri­o­rar da si­tu­a­ção no pró­xi­mo dia 19 de De­zem­bro, al­tu­ra em que ter­mi­na o man­da­to do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la.

“Pa­ra evi­tar que tal ocor­ra, pe­di­mos a to­das as par­tes con­go­le­sas pa­ra se com­pro­me­te­rem de mo­do in­clu­si­vo e as­sim ins­ta­lar-se um cli­ma de con­fi­an­ça, trans­pa­rên­cia e res­pei­to da Cons­ti­tui­ção, bem co­mo o res­pei­to pe­la ca­len­da­ri­za­ção de to­do es­te pro­ces­so”, exor­tou Ale­xis La­mek, pa­ra quem é im­por­tan­te que es­tas ques­tões se­jam ob­ser­va­das.

O di­plo­ma­ta con­gra­tu­lou-se com o fac­to de An­go­la e o Conselho de Segurança das Nações Unidas par­ti­lha­rem da mes­ma vi­são re­la­ti­va­men­te à ques­tão. “Qu­an­to mais pró­xi­mos es­ti­ver­mos em ter­mos de vi­são, mais nos va­mos apro­xi­mar de uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va na RDC”, con­si­de­rou.

So­bre as elei­ções na RDC, mar­ca­das pa­ra Abril de 2018, dis­se acre­di­tar na me­di­a­ção le­va­da a ca­bo pe­la con­fe­de­ra­ção de igre­jas que tra­ba­lham tam­bém na ca­len­da­ri­za­ção. Mas, no seu en­ten­der, o me­lhor pa­ra aque­le país pas­sa pe­la re­a­li­za­ção, o mais bre­ve pos­si­vel, de elei­ções li­vres. “De­ve ser res­ta­be­le­ci­da a con­fi­an­ça e, pa­ra tal, to­das as par­tes de­vem es­for­çar-se”, de­fen­deu La­mek.

En­con­tro no Par­la­men­to

Ain­da on­tem, a de­le­ga­ção do Conselho de Segurança das Nações Unidas foi igual­men­te re­ce­bi­da pe­la pri­mei­ra vi­ce-pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Jo­a­na Li­na. No fi­nal do en­con­tro, o re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te ad­jun­to da Fran­ça jun­to das Nações Unidas su­bli­nhou o pa­pel im­por­tan­te de An­go­la na Re­gião dos Gran­des La­gos e pa­ra a es­ta­bi­li­da­de na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. Ale­xis La­mek re­co­nhe­ceu que An­go­la, na qua­li­da­de de pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal da Re­gião dos Gran­des La­gos, tem si­do um gran­de ac­tor na re­gião e tem uma men­sa­gem pa­ra trans­mi­tir aos con­go­le­ses.

No en­con­tro de­cor­ri­do na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, a mis­são do Conselho de Segurança das Nações Unidas ana­li­sou com os par­la­men­ta­res ques­tões so­bre as elei­ções na RDC e a mis­são da ONU nes­te país. A ques­tão das for­ças ne­ga­ti­vas na RDC tam­bém foi abor­da­da. Ale­xis La­mek de­nun­ci­ou a exis­tên­cia de vi­o­la­ções dos di­rei­tos hu­ma­nos na­que­le país e de­fen­deu a res­pon­sa­bi­li­za­ção dos au­to­res des­sas ac­ções. O re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te ad­jun­to da Fran­ça nas Nações Unidas dis­se ser im­por­tan­te o en­con­tro da de­le­ga­ção das Nações Unidas com res­pon­sá­veis an­go­la­nos, pa­ra a par­ti­lha de pon­tos de vis­ta so­bre a si­tu­a­ção na RDC.

A de­le­ga­ção do Conselho de Segurança da ONU re­a­li­zou on­tem uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em que fo­ram abor­da­dos os mes­mos as­pec­tos dis­cu­ti­dos no en­con­tro com o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

De­cla­ra­ção de An­go­la

O Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, José Edu­ar­do dos San­tos, de­fen­deu re­cen­te­men­te a cri­a­ção de um governo de Uni­da­de Na­ci­o­nal e de Tran­si­ção que per­mi­ta pôr fim à vi­o­lên­cia ar­ma­da na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. As de­cla­ra­ções fo­ram fei­tas na 7.ª Ci­mei­ra do Me­ca­nis­mo de Su­per­vi­são Re­gi­o­nal do Acor­do­qua­dro pa­ra a Paz, Segurança e Co­o­pe­ra­ção na RDC, re­a­li­za­do sob a égi­de da União Afri­ca­na, Nações Unidas e Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Re­gião dos Gran­des La­gos CIRGL, pre­si­di­da por An­go­la.

Nu­ma de­cla­ra­ção di­vul­ga­da sá­ba­do úl­ti­mo, o Governo de An­go­la con­si­de­ra que a paz e a es­ta­bi­li­da­de na RDC de­vem ser pre­ser­va­das, pois são cru­ci­ais pa­ra a paz e a segurança re­gi­o­nais, no­me­a­da­men­te na África Cen­tral, na Re­gião dos Gran­des La­gos e na África Austral. An­go­la ma­ni­fes­tou a sua fir­me con­vic­ção de que o di­fe­ren­do po­lí­ti­co de­ve ser re­sol­vi­do atra­vés do diá­lo­go e não pe­la via da vi­o­lên­cia ou de qual­quer ou­tro re­cur­so ile­gí­ti­mo.

No do­cu­men­to, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no re­a­fir­ma, por is­so, o seu apoio à so­lu­ção pe­la via pa­cí­fi­ca da con­tra­di­ção que exis­te en­tre o Governo e a opo­si­ção, ape­lan­do às par­tes a man­ter o diá­lo­go e a ne­go­ci­a­ção, co­mo meio pa­ra a bus­ca do ca­mi­nho pa­ra a saí­da da cri­se política e pré-elei­to­ral, evi­tan­do-se, a to­do o cus­to, a con­fron­ta­ção e a vi­o­lên­cia. O Governo de An­go­la con­gra­tu­la-se com o pro­ces­so de paz em cur­so na RDC, sau­dan­do a de­ci­são de se con­fi­ar o car­go de Pri­mei­ro-Mi­nis­tro a uma per­so­na­li­da­de in­di­ca­da pe­la opo­si­ção e, por ou­tro, a dis­po­ni­bi­li­da­de des­ta pa­ra o diá­lo­go po­lí­ti­co in­clu­si­vo co­mo um ins­tru­men­to pa­ra a saí­da da cri­se.

MOTA AMBRÓSIO

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Ma­nu­el Vi­cen­te quan­do re­ce­bia a mis­são do Conselho de Segurança das Nações Unidas

MOTA AMBRÓSIO

De­le­ga­ção do Conselho de Segurança das Nações Unidas con­si­de­rou pro­du­ti­vo o en­con­tro com o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.